Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘So Sweet’ Category

Esta é muito boa e eu não sei se é para rir ou pra chorar. Trata-se de uma tradução para o espanhol [que eu vou manter, por falta de tempo de traduzir para o português, e também porque dá para entender] de uma publicação francesa que pode ser encontrada aqui. Não sei a quem dar os créditos pela tradução, porque a recebi por email. Em todo caso, vale a leitura.

Tem certos momentos em que o riso é mesmo o melhor remédio. Tem certas situações às quais não se pode conceder o beneplácito da seriedade, e das quais só cabe zombar e se divertir. Este texto é uma excelente caricatura da situação que nós estamos vivendo e, como caricatura, presta-se exatamente a chamar a atenção – por meio do exagero – para algum aspecto que se deseja evidenciar. E que nós precisamos combater – nem que seja com a zombaria.

Rezemos pelo Papa, rezemos pela Igreja.

P.S.: tem uma versão no Oblatvs em português, que registra outras manifestações [provavelmente, ainda não proferidas quando esta versão em espanhol foi escrita]. Vejam lá!

NUEVO ESCANDALO DESATADO
POR DECLARACIONES DEL PAPA

A su regreso a Roma durante una hermosa tarde soleada, el Papa habría dicho a una periodista: « Hoy hace un buen día! ».

Tales palabras han levantado inmediatamente en el mundo entero una inmensa emoción y han alimentado una polémica que no cesa de aumentar.

He aquí algunas de las reacciones:

El alcalde de Burdeos: “En el mismo momento en que el Papa pronunciaba estas palabras, llovía a cántaros en Burdeos!. Esta contra-verdad, cercana al negacionismo, demuestra que el Papa vive en un estado de autismo total. Lo cual arruina aún más, por si fuera necesario, el dogma de la infalibilidad pontificia!”.

El gran Rabino de Francia: “¿Como puede alguien pretender que aún pueda hacer buen tiempo después del holocausto?”.

El Titular de la cátedra de astronomía del Colegio de Francia: “Al afirmar sin matices ni pruebas objetivas que hoy hace buen tiempo, el Papa testimonia una vez más el desprecio bien conocido de la Iglesia por la Ciencia, que combate sus dogmas desde siempre. ¿Puede existir algo más subjetivo y más relativo que ésta noción de “buen tiempo”? ¿Sobre qué experimentos indiscutibles se apoya? Los meteorólogos y los especialistas de la cuestión no han llegado a ponerse de acuerdo en el ultimo Coloquio Internacional de Caracas. Y ahora Benedicto XVI pretende zanjar la cuestión ex cátedra. ¡Qué arrogancia! ¿Acaso veremos pronto encenderse las hogueras para todos los que no admitan sin reserva éste nuevo decreto?”.

La Asociación de Victimas del Cambio climático: “¿Cómo no ver en ésta provocadora declaración un insulto hacia todas las víctimas pasadas, presentes y futuras de los caprichos del clima: inundaciones, tsunamis, sequías? Esta aceptación del “tiempo que hace” muestra claramente la complicidad de la Iglesia con los fenómenos destructores de la humanidad, lo cual no puede más que alentar a todos aquellos que contribuyen al recalentamiento del planeta, quienes podrán de ahora en adelante prevalerse del aval del Vaticano”.

El Consejo representativo de las Asociaciones Negras: “El Papa parece olvidar que cuando en Roma luce el sol, toda una parte del planeta permanece sumergida en la oscuridad. ¡He aquí un signo intolerable de su desprecio hacia la mitad negra de la humanidad!”.

La Asociación feminista Las Lobas: “¿Porqué dice el Papa que hoy está bueno (el tiempo) y no que hoy está buena (la temperatura)? Una vez más el Papa muestra su apego a los principios más retrógados y arremete contra la legitima causa de las mujeres. Da pena ver que en pleno 2009 mantenga tal posición!”

La Liga de los derechos del Hombre: “Este tipo de declaraciones sólo sirven para ofender profundamente a todas las personas que contemplan la realidad con una mirada distinta a la del Papa. En particular pensamos en las personas hospitalizadas, en los prisioneros cuyo horizonte se limita a cuatro paredes, y también en todas las víctimas de enfermedades raras los cuales no pueden percibir con sus sentidos el estado de la situación atmosférica. En tales declaraciones existe sin duda una voluntad de discriminación entre el “buen tiempo”, tal que debería ser percibido por todos, y todos aquellos que perciben las cosas de otra manera. Nuestra asociación piensa denunciar sin tardanza al Papa ante la justicia”.

En Roma algunos miembros de la Curia intentan atenuar las declaraciones del Papa, alegando su avanzada edad y también el hecho de que posiblemente sus palabras no hayan sido bien comprendidas. Pero hasta el momento presente dichas tentativas no están teniendo éxito

Anúncios

Read Full Post »

Perfeita!

domjose

Autoria: Emerson de Oliveira, in Blog Veritatis Splendor.

Read Full Post »

Apenas registrando, porque já faz mais de uma semana que o Murat comentou: é reconfortante ver a pequena Lia, canadense, de 12 anos, falando contra o aborto; é excelente ver que as novas gerações já não mais engolem os sofismas caducos dos defensores do assassinato de crianças. Há esperança para o futuro, e ela é personificada por esta pequena garota, que teve a coragem de tratar – com tanta desenvoltura! – de um tema tão grave, defendendo uma posição tão estigmatizada.

O vídeo já passou das 450.000 views; é impressionante. O Julio Severo traduziu uma reportagem de LifeSiteNews.com sobre o assunto. A garota deve ser o orgulho da mãe:

A mãe de Lia diz que o assunto foi escolhido pela própria filha, e que ela estava determinada a não ceder, até mesmo depois que os professores lhe disseram que sua apresentação era “adulta demais” e “polêmica demais”.

Que Deus nos conceda gerações e mais gerações de Lias – para a salvação do mundo!

Read Full Post »

24 frases de Simone Weil. Não a conhecia; sei que é escritora francesa, filha de “judeus não-praticantes”, agnóstica na infância, religiosa no final da vida (embora não católica). Encontrei a seguinte frase como de sua autoria: “Eu não sou católica; mas considero a idéia cristã, que tem suas raízes no pensamento grego e no curso de séculos tem alimentado todas as nossas civilizações européias, como algo ao qual não se pode renunciar sem se tornar degradado”.

As frases a seguir foram retiradas deste original inglês e traduzidas pelo prof. Carlos Ramalhete; são em número de 24, uma para cada hora do dia, das 00:00 às 23:00. A despeito do comentário feito por um amigo, segundo o qual a primeira frase tem teor gnóstico, publico por três motivos; primeiro, porque no geral o conteúdo das frases é muito bom, segundo porque o deslize doutrinário da primeira frase pode-se justificar pelo fato de não ser católica a autora e, terceiro, porque é possível encontrar um sentido não-gnóstico na frase: afinal, em certo sentido, é bem verdade que as coisas visíveis escondem as invisíveis…

* * *

24 frases de Simone Weil

1. Deus só pôde criar escondendo-Se. De outro modo, só haveria Ele.

2. Uma ciência que não nos aproxima de Deus de nada vale.

3. Uma doutrina não serve para nada por si só, mas é indispensável se não quisermos ser enganados por falsas doutrinas.

4. Um ato cruel é a transferência a outros da degradação que trazemos em nós mesmos.

5. Uma mente fechada na linguagem está presa.

6. Todos os pecados são tentativas de preencher vazios.

7. A beleza sempre promete, mas nunca dá nada.

8. O mal, quando estamos em seu poder, não é percebido como mal, mas como necessidade, ou até dever.

9. Quando dois seres que não são amigos estão perto um do outro não há encontro, e quando amigos estão distantes não há separação.

10. O poder é tão impiedoso para com quem o tem, ou crê tê-lo, quanto para com suas vítimas; estas ele esmaga, aquele ele intoxica. Na verdade, ninguém o tem.

11. O humanismo não estava errado ao pensar que a verdade, a beleza, a liberdade e a igualdade tem valor infinito, mas ao pensar que o homem pode obtê-los para si sem a graça.

12. Lutando contra a angústia, nunca se produz serenidade; a luta contra a angústia produz apenas novas formas de angústia.

13. Nada pode ter como destino algo diverso da sua origem. A ideia contrária, a ideia de progresso, é um veneno.

14. A genialidade verdadeira nada mais é que a virtude sobrenatural da humildade no campo do pensamento.

15. A forma contenpoânea da grandeza verdadeira é baseada em uma civilização estabelecida sobre a estpiritualidade do trabalho.

16. A destruição do passado talvez seja o maior de todos os crimes.

17. O mais alto êxtase é a mais completa atenção.

18. Há uma, e só uma, coisa na sociedade moderna que é mais hedionda que o próprio crime, e é a justiça repressiva.

19. Para ser um herói ou heroína, é preciso dar uma ordem a si mesmo.

20. Estar enraizado talvez seja a necessidade mais importante e menos reconhecida da alma humana.

21. Colocar como padrão de moralidade pública uma noção que não pode ser definida ou concebida é abrir as portas a todo tipo de tirania.

22. O que um país chama de interesses vitais não é o que ajuda seu povo a viver, mas o que o ajuda a guerrear.

23. Menosprezar a inteligência é degradar o ser humano por inteiro.

24. A partir do momento em que um certo tipo de gente foi colocado pelas autoridades temporais e espirituais fora do rol daqueles cuja vida tem valor, nada é mais natural ao homem que o assassinato.

Read Full Post »

Um leitor me enviou este vídeo produzido pelos seminaristas dos Legionários de Cristo. Está em espanhol, mas é bem inteligível; trata-se de um apostolado vocacional e, no vídeo, diversos seminaristas respondem por que desejam ser padres. Há respostas excelentes (“porque poucos se atrevem”, “porque não quero ser mais um”, “porque urge mudar este mundo”, “porque um dia Lhe perguntei o que queria de mim”, “porque se vive somente uma vez”, “porque fazem falta sacerdotes santos”).

O site do apostolado é Why not? e, nele, é possível entrar em contato com sacerdotes para se fazer questões sobre a própria vocação. A iniciativa é extremamente louvável! Rezemos ao Senhor da Messe, para que Ele nos envie sempre santos e zelosos sacerdotes. E que a Virgem Santíssima vele sempre pelo nosso clero.

Read Full Post »

O verdadeiro grau de civilização de uma nação se mede pela forma como se protegem os mais necessitados. Por isto, deve-se proteger mais àqueles que são mais débeis. Porque o critério não é o valor do sujeito em função dos afetos que suscita nos demais, ou da utilidade a que se presta, senão o valor que resulta de sua mera existência”
[Tabaré Vazquéz, presidente do Uruguai, na mensagem de veto à lei assassina que tencionava legalizar o aborto no país]

O aborto é o crime mais covarde que alguém pode cometer. Tanto que a Igreja fulmina com a Sua pena máxima, a excomunhão, de maneira automática, todos aqueles que colaboraram materialmente para que um aborto possa ocorrer: o “médico” que assassinou a criança, o namorado que pressionou a menina para que ela abortasse, a tia que deu dinheiro para a “consulta”, a amiga que levou a gestante ao matadouro, etc.

Particularmente canalhas são as pessoas que têm a coragem – ou, melhor dizendo, a covardia – de defender o aborto. Todas as “defesas” do aborto são sofismas grosseiros, como já disse certa vez o Percival Puggina. A defesa intransigente da vida humana precisa ser uma bandeira daqueles que ainda têm o seu senso moral intacto. É uma grande verdade que o silêncio dos bons faz com que o vozerio dos maus ocupe todo o espaço.

Aborto não é questão religiosa. Não são “os católicos” que não podem abortar, ninguém pode abortar, porque o ser humano tem uma dignidade intrínseca independente da sua religião ou da ausência dela. Não se pode matar um inocente: isso não é válido somente para os católicos, é universalmente válido, para quaisquer pessoas em quaisquer tempos e lugares. O cinismo de alguns abortistas, querendo transformar os princípios morais mais evidentes em assunto de foro íntimo, precisa ser desmascarado com destemor.

Aborto também não é “direito”, porque ninguém tem o direito de matar um inocente. Não compete à mulher a “decisão” de assassinar ou não o próprio filho. Como disse o presidente do Uruguai ao vetar a lei assassina que havia sido fraudulosamente aprovada, é na proteção aos mais necessitados que se avalia o grau de civilização de uma sociedade. É óbvio que o Estado deve defender os necessitados, sendo por conseguinte evidente que o aborto não pode receber apoio estatal. Deve, ao contrário, ser diligentemente combatido.

Já disse aqui outra vez, mas repito: o maior inimigo da paz é o aborto. Palavras de Madre Teresa, cujo argumento é simplesmente irrefutável: se nós dissermos às mães que elas podem matar os próprios filhos, não poderemos dizer às pessoas que elas não podem se matar umas às outras. Afinal, quem pode o mais, pode o menos; e se uma mãe puder matar o próprio filho, é óbvio que ela vai poder também matar um desconhecido. Isto é tão evidente que só um abortista consegue não entender.

Não sou nada adepto das apresentações de Power Point, mas esta contém uma preciosa refutação aos “motivos” alegados pelos abortistas para “justificar” o assassinato de crianças indefesas. Falo exatamente em “motivos”, e não em “argumentos”, porque são coisas completamente distintas; afinal, citando o Puggina, “[o] fato de que praticamente todos os crimes sejam praticados com algum motivo mais ou menos grave não os descaracteriza como crimes em si mesmos”. Não cabe “à mulher” decidir, porque princípios não são passíveis de “decisões”, e sim de aplicações. O princípio de que a vida é inviolável não é para ser “decidido”, e sim aplicado.

É neste sentido que merece os nossos mais sinceros parabéns o presidente do Uruguai. Ele não teve medo do lobby abortista, nem da fraude por meio da qual a lei iníqua foi aprovada. Não titubeou ante a ameaça dos assassinos, mas teve a coragem de levantar a sua voz em defesa dos nascituros. Vetou a lei assassina, e redigiu uma bela apologia do direito à vida. Que o exemplo suscite seguidores; e que a Virgem Santíssima possa abençoar em abundância o presidente Vazquéz e todo o povo uruguaio.

Read Full Post »

Eu ainda não havia posto aqui o Catholics Come Home. Vale a pena (re)ver.

O próprio Jesus lançou as fundações para a nossa fé quando disse a Pedro, o primeiro papa: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”.

Read Full Post »

Older Posts »