Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘china’

Lembram-se daquele caso da garota que foi à China fazer um tratamento com células-tronco obtidas a partir de fetos abortados? Não sei se é a mesma técnica, mas G1 publicou hoje uma triste notícia de um garoto que “recebeu o tratamento pioneiro em 2001, em um hospital em Moscou”: ele desenvolveu tumores.

A manchete fala apenas em “menino tratado com células-tronco”, o que é uma meia-verdade que, no atual contexto do debate sobre o assunto, transforma-se em uma grande mentira. Não foi meramente um tratamento “com células-tronco”, e sim um tratamento com células-tronco fetais. Não sei – como disse – se é o mesmo tipo de tratamento ao qual se submeteu a brasileira na China, mas é sem dúvidas algo de muito similar. A notícia original da BBC repete o óbvio: todo mundo concorda que as células-tronco embrionárias geram tumores e, aparentemente, as células-tronco fetais têm o mesmo problema.

Quantas tragédias o homem ainda vai produzir na sua busca desenfreada por panacéias universais obtidas às custas de vidas humanas julgadas descartáveis? Que o Altíssimo se compadeça de nós, e o Espírito Santo – Spiritus Sapientiae – possa sempre iluminar os homens da ciência.

Anúncios

Read Full Post »

Eu me enganei. Dois meses atrás, disse que McCain ia ganhar as eleições americanas. Enganei-me completamente e, ontem, terça-feira, o presidente democrata venceu o pleito americano.

Entre os “bonzinhos” que estão festejando a vitória de Obama, temos o Irã, a China, a Palestina, a Venezuela. Velhos exemplos de anti-americanismo, ilustres expoentes do ódio contra os Estados Unidos, miraculosamente felizes com a eleição do 44º presidente dos Estados Unidos da América! Será por acaso… ? Claro que eu acredito em milagres. Mas aprendi que, quando a esmola é demais, o santo desconfia.

O Vaticano também se manifestou sobre o resultado das eleições: desejando que o presidente eleito respeite “os valores humanos e espirituais essenciais”. E que Deus o abençoe. Unamo-nos à oração do porta-voz do Vaticano: que Deus abençoe os Estados Unidos, pois vai ser especialmente necessário após o dia 04 de novembro.

P.S.: Não tinha lido ainda o Olavo de Carvalho. Destaco:

[A]s pesquisas mostram que três entre cada quatro americanos residentes em Israel preferem John McCain, mas três entre cada quatro judeus residentes nos EUA, longe das bombas palestinas e perto de uma TV ligada na CNN, preferem Obama.

Read Full Post »

Uma brasileira chamada Daniela Bortman, que sofreu um acidente de carro em 2006 e perdeu os movimentos, foi à China para fazer um tratamento com células-tronco polêmico, que só existe lá: consiste no transplante de células obtidas a partir de fetos abortados. De acordo com a FOLHA,

[o]s detalhes do tratamento não são divulgados de forma transparente, conta a geneticista Lygia Veiga Pereira, professora da USP. Ainda não se conhecem os efeitos a longo prazo, como os riscos de inflamações ou de tumores.

A menina, após a cirurgia, conseguiu mexer o punho esquerdo.

Enquanto isso, aqui mesmo na Bahia, um grupo de pesquisadores da Fiocruz consegue fazer cachorros e gatos paraplégicos ficarem de pé com células-tronco adultas. Sem precisar de viagens internacionais a países que se utilizam dos despojos do crime para tratamentos polêmicos.

E ainda há quem insista em destruir embriões humanos…

Read Full Post »

Recebi por email de um sacerdote amigo e disponibilizo, com os grifos que recebi. Procurando a referência no google, vi que já havia sido publicado por dois blogs que eu não conhecia:

Pesadelo Chinês
Fátima em Foco

A propósito: todos conhecem o Ajuda à Igreja que Sofre? Vejam o “Fé e Esperança da China”, do último boletim que eu recebi.

* * *

Anexo: recebido por email

Hostilidade ao catolicismo bate recordes nas Olimpíadas

“Eles têm rostos de pedra. Eles encaram carrancudos os estrangeiros em Pequim. É preciso fazer algo. O fato de andarem armados e com um ar sinistro piora as coisas”, alertou Gerhard Heiberg membro norueguês do Comitê Olímpico Internacional (COI) a respeito dos policiais e soldados que garantem a segurança da Olimpíada.

Mas os membros do colaboracionista COI riram dele, noticiou o norueguês Aftenposten.

Nos mesmos dias os bispos e sacerdotes católicos fiéis a Roma da área de Pequim e circunvizinhanças recebiam ordem dos policiais marxistas de “cara de pedra” para não distribuírem os sacramentos durante os Jogos. Nem sequer a Unção dos Enfermos para os agonizantes.

As igrejas “patrióticas” ? i. é, do cisma socialista montado pela ditadura ? permaneceram abertas e exibem faixas convidando a rezar pelo bom sucesso dos Jogos. Sacerdotes e bispos “patrióticos” sorriem aos visitantes estrangeiros, dão entrevistas aos jornalistas elogiando a liberdade religiosa sob o socialismo e distribuem Bíblias com o imprimatur do regime ateu!

Mas, no aeroporto, a alfândega confisca as Bíblias trazidas por turistas estrangeiros.

Mons. John Tong, bispo coadjutor de Hong Kong, informou AsiaNews, foi convidado a assistir à inauguração. O prelado compareceu em espírito de diálogo e de distensão com o comunismo. Em Pequim, ele quis visitar o arcebispo. Resposta imediata: NÃO. Mons. Tong, como convidado, foi para o hotel indicado. Ali soube que devia ficar pelo menos duas noites, mas ele tinha visto só para uma noite! O hotel o pôs na rua. Foi salvo por um fiel que lhe deu hospedagem…

Os bons sacerdotes da capital tiveram que se exilar temporariamente no interior. O fluxo contrário está proibido. Os policiais de “ar sinistro” impedem que os provincianos ingressem em Pequim de medo que sejam portadores de germens de denúncia.

Os policiais vasculham áreas residenciais e centros de transporte à procura de indesejáveis “infiltrados”, informou UCANews, agência que recebe muitos dados por vias extra-oficiais desde a capital e o interior da China.

Em Tianjin, na província de Hebei, onde está Pequim, os bispos fiéis foram postos em prisão domiciliar sob estrita vigilância, e proibidos de ter contato com seus sacerdotes. Só os padres “patrióticos” podem administrar os sacramentos.

Os leigos católicos foram ameaçados caso recebam bons padres nas suas casas.

Proibições semelhantes vigoram nas províncias de Anhui e Shandong, na China oriental, acrescentou UCA News. No nordeste da China, o bispo Joseph Wei Jingyi de Qiqihar disse ter recebido advertência telefônica oficial para interromper as atividades religiosas durante os Jogos.

Em Wuqiu, condado de Jinxian, Hebei, – sempre segundo UCANews – o esquema represivo marxista montou um posto de controle frente à catedral do bispo fiel a Roma D. Julius Jia Zhiguo a fim de vigiá-lo 24 horas sobre 24. Cada duas horas, quatro agentes entram na residência do bispo perseguido para monitorar o que está fazendo. O prelado, corajosamente segue celebrando a Missa todos os dias.

Na Mongólia Interior um sacerdote fiel a Roma contou a UCA News que os padres tiveram quer cancelar as aulas de catecismo e as romarias no mês de agosto.

As comemorações da festa da Assunção de Nossa Senhora – 15 de agosto – corriam sério risco de serem canceladas.

Read Full Post »

A despeito de toda a beleza que, por ocasião das últimas Olimpíadas, foi exibida ao mundo inteiro por meio das câmeras de televisão, a China não é um lugar bonito. Não por causa do povo chinês, que é a vítima da história; mas por causa do regime assassino e degradante lá instaurado. Não somente por causa da cínica perseguição religiosa. Mas também por causa das crianças na sarjeta, por causa dos Quartos da Morte e de Mei Ming, por causa do aborto compulsório. E por inúmeros outros motivos.

Como foi possível que a China chegasse a um estado tão lastimável? A meu ver, foi por causa de autoridades (chinesas ou não) criminosas que não foram detidas a tempo. Por exemplo: saiu no Washington Post de 12 de outubro de 2000 que a RU-486 (uma droga abortiva) que é consumida nos Estados Unidos era produzida pelos chineses. A Food and Drug Administration – uma agência do Departamento Americano de Saúde e Serviços Humanos – negou-se a revelar a origem da droga:

Quando a FDA anunciou que havia aprovado a venda da RU-486, ela tomou a decisão sem precedentes de se negar a revelar o nome ou a localização do fabricante, alegando preocupações com a segurança dos trabalhadores. O distribuidor da droga nos Estados Unidos, Danco Laboratories, também se negou a identificar a empresa.

Mas vários funcionários chineses e o chefe da “Bangkok-based Concept Foundation” que trabalharam em estreita colaboração com a companhia confirmaram hoje [N.T.: 11 de outubro de 2000] que o Hua Lian Pharmaceutical Co. produzirá a droga para os Estados Unidos.

Um funcionário da FDA em Washingtou negou-se a comentar, reiterando a posição da agência de que não iria revelar a localização do fabricante. Danco afirmou numa declaração partida de seus escritórios em New York que o lugar foi inspecionado pela FDA para garantir que ele preenche os requisitos da agência, mas que não poderia identificar a fábrica ou comentar sua localização devido a um acordo de confidencialidade.

Sobre a origem da droga, a reportagem traz ainda duas informações interessantes:

Com a ajuda da Fundação Rockefeller e da “Bangkok-based Concept Foundation”, a companhia vem trabalhando há três anos a para melhorar seu equipamento e reciclar seu pessoal, a fim de cumprir os padrões internacionais e ser obter permissão de exportar a droga.

[…]

A China começou a esperimentar a RU-486 logo em 1983, participando de testes clínicos [“clinical trials”] com a Organização Mundial de Saúde [OMS].

Encontramos, pois, envolvidas na gênese do infanticídio chinês duas velhas associações abortistas bem conhecidas: a OMS e a Fundação Rockefeller. Com a OMS, então, a colaboração vem desde o início da década de 80. Vinte e cinco anos de crimes, que resultaram nas imagens linkadas no início do post.

E hoje? Ao que me consta, a Hua Lian continua vendendo a droga abortista para os americanos. Bodas de prata de assassínio sistemático, e milhões de vidas ceifadas, de Mei Mings abandonadas, de seres humanos tratados como lixo. Até quando a humanidade estará insensível a estes bárbaros crimes que bradam ao Céu? Senhor, tende misericórdia da Tua criação!

Read Full Post »

Muito feliz o artigo do João Pereira Coutinho publicado hoje na FOLHA DE SÃO PAULO. Nas Olimpíadas, a China segue no topo do Quadro de Medalhas, com a considerável diferença [hoje] de 17 medalhas de ouro para os Estados Unidos, que ocupam a segunda colocação. Eu não tenho acompanhado os jogos olímpicos, mas o Coutinho sim, e diz que chama a atenção a expressão dos atletas chineses – “o rosto exibe uma tensão e uma infelicidade que não se encontram nos outros”. Acredito nele, porque não se conseguem quase quatro dezenas de medalhas douradas sem esforços. E compartilho a mesma visão do articulista sobre as explicações do fenômeno. Basicamente, duas.

A primeira, é o fato de que o esporte é usado como “arma política”, para mostrar a superioridade de verniz do regime fracassado perante todos os países do orbe terrestre. O fato não é inusitado, porque a mesma política foi usada na antiga União Soviética e é usada hoje em Cuba [inclusive, esta reportagem atual, deste ano, diz a mesma coisa sobre os esportes na ilha de Fidel: “Usando o sucesso esportivo como arma de marketing da revolução, os cubanos deixaram de ser uma nação insignificante no cenário olímpico para se tornar uma das maiores potências esportivas do planeta”]. Se o regime produz vencedores, ergo ele não é fracassado, é a lógica utilizada pelos comunistas. O problema é que nem mesmo o ponto mais alto do pódio é capaz de satisfazer os dissidentes do regime ditatorial. Direto do túnel do tempo: De volta ao exílio, VEJA, dez anos atrás. Em comparação com as notícias atuais, nada de novo debaixo do sol.

A segunda [interessantíssima] explicação, ainda segundo o articulista, é a política de filho único da China adotada há 30 anos. Nas palavras de João Coutinho,

essa política tem um preço: quando os casais têm um único filho, a pressão e as expectativas de sucesso aumentam, esmagando os desgraçados.

O filho único! Realidade inexistente há alguns anos (ou, pelo menos, circunscrita à casualidade biológica), cujas implicações ainda não foram totalmente identificadas [“42 por cento de alterações de caráter” segundo uns, ou até “maior tempo para amadurecimento da identidade heterossexual” segundo outros]; hoje, os filhos são caros e escassos [vale a leitura]. Filhos, muitos filhos [também vale a leitura] são raros, mesmo fora da China; esta conseguiu criar “uma juventude admirável: pequenos monstros que jogam a existência, sua e dos progenitores, em cada prova desportiva ou académica” – que nos sirva de exemplo a não seguir. Que o Brasil se livre dessa cultura; não importemos o que não presta!

Diz, por fim, o articulista:

Moral da história? Para começar, o suicídio é a primeira causa de morte entre os chineses mais jovens (entre os 20-35 anos); e só entre os universitários, 25% têm recorrentes pensamentos suicidas (nos EUA, por exemplo, só 6%).

É este o paraíso que nos acena? É este o futuro que nós queremos para os nossos filhos? Livre-nos Deus. Da já citada aqui Casti Conubii:

Se uma mãe verdadeiramente cristã meditar nestas coisas, compreenderá certamente que se lhe aplicam, no sentido mais alto e cheio de consolação, estas palavras do Nosso Redentor: “A mulher… quando deu à luz uma criança, já não recorda os seus sofrimentos, pela alegria que sente porque um homem veio ao mundo” (Jo 16, 21); tornando-se superior a todas as dores, a todos os cuidados, a todos os encargos da maternidade, muito mais justa e santamente do que aquela matrona romana, mãe dos Gracos, gloriar-se-á no Senhor de uma florescentíssima coroa de filhos. Ambos os cônjuges olharão estes filhos, recebidos das mãos de Deus, com alvoroço e reconhecimento, como a um talento que lhes foi confiado por Deus, não já para o empregar somente no seu próprio interesse ou no da pátria terrestre, mas para Lho restituir depois, com o seu fruto, no dia do Juízo Final. [CC 15]

Nossa Senhora, Rainha da Família,
rogai por nós!

Read Full Post »

Tocha Olímpica faz última parada antes de Pequim. Quarta-feira (amanhã) ela chega à capital da República Popular da China, onde serão oficialmente abertas as Olimpíadas 2008 dois dias depois (na sexta-feira). Terá percorrido então a tocha 137.000 km, ao longo de 130 dias.

“Eu vim lançar fogo à terra” (Lc XII, 49a). Quem dera fosse este o fogo – e não o olímpico – a ser acesso no coração da China, na próxima sexta-feira! Num país que ainda mantém um regime assassino, é triste encontrarmos, na charge abaixo, um reflexo que seria cômico [se não fosse trágico] da realidade:



[Fotos: bored-bored]

A propósito, ao contrário da Índia, a China ainda não aprendeu a lição da Uganda. A campanha contra a AIDS nas Olimpíadas consiste na distribuição de 100.000 preservativos. Oremos.

Read Full Post »

Older Posts »