Feeds:
Posts
Comentários

Archive for março \31\UTC 2009

Este é o título de um email que eu recebi do HazteOir, sobre a Marcha por La Vida ocorrida em diversas cidades da Espanha neste final de semana. Multidões de pessoas que saíram às ruas para protestar contra as legislações assassinas que querem impôr ao povo espanhol; centenas de milhares de espanhóis gritando um retumbante sim à vida, que ecoou por todos os cantos da Espanha. Excelente! Assim escreveu o sr. Ignacio Arsuaga:

El grito del domingo ya no lo van a poder ignorar ni el Presidente del Gobierno ni la Ministra de la Igualdad, ni nadie. Ayer dimos un paso de gigante, en una serie de movilizaciones que vamos a impulsar en los próximos meses, hasta conseguir que el Gobierno se rinda ante el clamor popular.

[…]

Después de este fin de semana, ahora más que nunca, estoy convencido de que podemos ganar la batalla de la vida.

Sim, nós podemos. Basta que levemos a sério a batalha; basta que tenhamos consciência da gravidade da situação e a enfrentemos com a seriedade que ela exige. À semelhança da Espanha, também o Brasil está ameaçado por políticos abortistas; também esta Terra de Santa Cruz precisa que o seu povo se levante em defesa da vida humana inocente. Sigamos o exemplo dos espanhóis: lutemos por nossos princípios, e façamos valer as leis de Deus.

Links sobre a Marcha por la Vida:

Anúncios

Read Full Post »

[Recebi por email. Gaudete!]

logo-hli

Estimado Padre

Saudações dos Estados Unidos!

Esta é para comunicar uma boa notícia que certamente encherá de júbilo e conforto os corações de todos aqueles que lutam contra o aborto no Brasil.

Human Life International tem a honra de conceder a Dom José Cardoso Sobrinho, Arcebispo de Olinda e Recife, o Prêmio Cardeal Von Galen em reconhecimento por sua atitude heróica no cumprimento do ministério episcopal, ao enfrentar o desagrado de tantos que promovem a cultura da morte.

Agindo em nome das associações católicas pró-vida em mais de 80 países do mundo,  Human Life International concede o Prêmio Cardeal Von Galen a personalidades – especialmente Prelados –  que se destacam na defesa da sacralidade da vida conforme os ensinamentos católicos verdadeiros.

O Prêmio leva o nome do Bem-Aventurado Clemens August von Galen (1878-1946), o qual foi bispo de Münster (Alemanha) durante a era nazista. Levantou sua voz em defesa dos pobres e dos doentes, protestando contra a eutanásia, a perseguição dos judeus e a expulsão dos religiosos.

Por causa de sua coragem, ficou conhecido como o “Leão de Münster”. O lema que escolheu quando foi eleito bispo foi “Nem elogios nem ameaças me distanciarão de Deus”. E verdadeiramente viveu conforme o seu lema.

O cardeal Von Galen demonstrou coragem ao enfrentar os nazistas, desvelando a verdade sobre a ideologia do nazismo, defendendo a liberdade da Igreja e das associações católicas, bem como a educação religiosa. Acusou abertamente o nazismo de discriminação contra os cristãos, os quais eram encarcerados e assassinados. Condenou outros abusos do governo totalitário, lutou pelo direito à vida e denunciou de modo veemente o massacre das pessoas deficientes físicas e mentais consideradas “inúteis”.

Dom José Cardoso Sobrinho se destacou pelo empenho com que lutou pelos dois gêmeos nascituros daquela pobre menina grávida de apenas 9 anos de idade, em face de tanto negativismo, tanto dentro como fora da Igreja.

Mons. Ignacio Barreiro, JD, STD, chefe do bureau da Human Life International em Roma, será enviado à arquidiocese de Olinda e Recife, acompanhado por mim na minha qualidade de diretor de programações para os países de língua portuguesa, a fim de entregar pessoalmente a Dom José o Prêmio Cardeal Von Galen.

O referido Prêmio é acompanhado de uma doação de mil dólares para ajudar de algum modo o trabalho pastoral dele.

Nosso maior desejo é o de publicamente apoiár a Dom José neste momento de grande dificuldade. A Santa Igreja precisa de pastores verdadeiros, que saibam dizer que “é justo obedecer a Deus antes que aos homens, pois não podem deixar de falar do que viram e ouviram” (Atos 4:19-20).

O Prêmio já foi concedido a outros prelados que se destacaram em iniciativas em defesa da vida e da moral católica, como o Cardeal Lopez Trujillo, o Cardeal Tumi de Benin, Dom Antonio Arregui, arcebispo de Guayaquil e presidente da Conferência Episcopal Equatoriana, e vários outros aqui na América do Norte.

Em última análise, através de Dom José serão homenageados e prestigiados todos aqueles que no Brasil se empenham na defesa do Evangelho da Vida.

O Mons. Barreiro e eu pretendem viajar para Recife na semana após o Domingo de Páscoa. Ele não fala português (fala espanhol, italiano e ingles, pelo menos) e certamente voltará a Roma a partir de Recife.

***

Que Nossa Senhora do Sagrado Coração e São Luís de Monfort obtenham para si todas as graças que precisa.

Em Jesus e Maria

Raymond

P.S.: Não sei se enviei os “links” abaixo para sua informação. Se não o fiz, faço-o agora (são vídeos curtos em ingles e portugues):

http://www.saintgabriel.com.au/SGC_EWTN.htm

http://www.youtube.com/watch?v=de9mI6U26rE

http://www.saintgabriel.com.au/trueGod.htm

http://www.saintgabriel.com.au/g.o.e.clip.htm

http://www.youtube.com/watch?v=rJNI3n3g150&eurl=http://vida-humana.org/

http://www.youtube.com/watch?v=cH4Pn_TXIt0&eurl=http://vida-humana.org/

Read Full Post »

Leio no blog do Jamildo:

Segundo o ministro Guido Mantega (Fazenda), a renúncia fiscal das medidas anunciadas hoje –como a desoneração do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) por três meses para uma série de materiais de construção e a prorrogação da redução do mesmo imposto para veículos– será de R$ 1,5 bilhão.

Para compensar essa perda de arrecadação tributária, o governo vai elevar as alíquotas do IPI e do PIS/Cofins sobre os cigarros, que terá validade a partir de 1º de maio. A perspectiva do governo é que o preço final do produto suba até 25% com a decisão.

[…]

Segundo ele, a decisão de elevar a carga tributária sobre os cigarros tem efeito positivo duplo. “É bom para a saúde daqueles que fumam porque vão sentir no bolso, mas é melhor que eles sintam no bolso do que no pulmão”, disse Mantega.

Pergunta óbvia que não quer calar: caso o “efeito positivo” de “desestimular o consumo de cigarros” seja realmente alcançado, quem vai pagar a conta do R$ 1.5 bi, já que os ex-fumantes desestimulados pelos altos preços dos cigarros não vão mais pagar os impostos que a medida mesma de aumentar o preço dos cigarros se propunha a arrecadar? Como pode uma medida qualquer ter “dois efeitos”, cada um dos quais anula o outro?

Se os duplos efeitos positivos do Ministro da Fazenda são obviamente excludentes [já que para arrecadar impostos é necessário que as pessoas não deixem de fumar e, caso elas deixem de fumar, o resultado vai ser a não-arrecadação dos impostos], que sentido – à exceção de uma demagogia barata – faz o discurso do sr. Guido Mantega?

A não ser que seja o sr. presidente a tomar sobre seus ombros o encargo de arcar com a conta

Read Full Post »

Uma boa forma de começar o dia: recebendo os emails de uma certa senhora, que se diz católica, mas que só divulga mensagens contrárias à Igreja. Desta vez, a pérola foi uma matéria publicada no El País e traduzida para o português pela UOL Notícias. E é uma boa forma de se começar o dia porque dá gosto ver os inimigos da Igreja estrebuchando, é reconfortante ver os lobos colocando as garras de fora, é motivo de júbilo ver que as coisas passam a se definir e o claro-escuro começa a dar lugar à separação entre luz e trevas.

“Decisões anacrônicas mostram incapacidade de Ratzinger em guiar o Vaticano”, é o título da reportagem. Basta o Papa ser católico para essa corja reclamar; é suficiente que Bento XVI tome atitudes que redundem no bem da Igreja, na Glória de Deus, na salvação das almas, para que – por menores que sejam elas! – os inimigos de Deus venham a público rasgar as vestes. Excelente. [E]t divisit [Deus] lucem ac tenebras (Gn 1, 4); hoje, à semelhança daquele Primeiro Dia, Bento XVI esforça-se para separar a luz das trevas, a verdade dos erros, a Fé Católica das heresias, a Igreja de Cristo das falsas religiões.

O ódio ao Santo Padre escorre pelas linhas da matéria, desde a “incapacidade de Ratzinger em guiar o Vaticano” do título até o “[p]or isso há muitos bispos em guerra” do último parágrafo. Perpassando todo o texto, a vontade de criar uma Igreja diferente d’Aquela deixada por Nosso Senhor. Para ficar num só exemplo do ridículo desta gente, segundo o jornalista Filippo di Giacomo, a crise da Igreja “reflete uma doença crônica de sete séculos: seu sistema de governo não funciona nem é colegiado”. Como a Igreja nunca foi “colegiada” no sentido que esta trupe dá ao termo, segue-se que a “doença crônica” diagnosticada não tem sete séculos, tem vinte séculos, e é congênita. Causa espanto uma tão longa sobrevida!

Enfim, não há muita coisa na matéria que mereça comentários. Mas, repito, é reconfortante e motivo de alegria ver as coisas se delinearem, e os inimigos da Igreja apresentarem-se como inimigos da Igreja que são, prescindindo da pele de cordeiro. Alegremo-nos, porque as atitudes do Papa separam a Luz das trevas!

[E]t divisit lucem ac tenebras (Gn 1, 4); antes de derem separadas a luz das trevas, foi necessário que Deus dissesse FAÇA-SE: fiat lux. Desde então, ecoando na História, este “faça-se” a vontade de Deus esteve associado a esta separação; há dois mil anos, em Nazaré (inclusive comemoramos recentemente), uma Virgem disse FIAT e separou Luz de Trevas: fiat mihi secundum verbum tuum (Lc 1, 38), et lux in tenebris lucet et tenebræ eam non comprehenderunt (Jo 1, 5). Non comprehenderunt! Esta oração do Angelus, o Papa a repete todos os dias. E gosto de imaginar que isso explica os acontecimentos recentes, explica as matérias raivosas do El País et caterva, explica a revolta dos maus católicos contra o Papa, explica tudo: quando o Doce Cristo na Terra diz fiat mihi secundum verbum tuum, e quando Deus ouve este FIAT, repete-se o Primeiro Dia e a Luz resplandece nas Trevas: e os inimigos de Deus não compreendem o Santo Padre. Rezemos pelo Papa.

Read Full Post »

Agradeço ao Eduardo Monteiro pelo aviso. É sobre a entrevista que Dom José deu à ÉPOCA. Lá, foram atribuídas as seguintes palavras ao Arcebispo de Olinda e Recife:

Havia [no ITER] candidatos ao sacerdócio, candidatos à vida religiosa, havia mulheres negras, negros, e inclusive não-católicos.
[Época, 12/03/2009 – 19:52, grifos meus]

Pois bem. Em meio às cartas publicadas pela revista na sua última edição, consta a seguinte errata:

FOMOS MAL

Dom José Cardoso não declarou que havia “negros e negras” entre os alunos do Iter. Ele mencionou a existência de “leigos e leigas”. Houve um erro na transcrição da fita (“As polêmicas de Dom Dedé”, 565/2009, pág. 94)

Tal errata foi motivada pela seguinte carta de Dom José Cardoso, que também está publicada na revista:

O aborto e a religião

“As polêmicas de Dom Dedé” (565/2009) falou sobre o arcebispo de Olinda e Recife, que se envolveu no caso do aborto da menina de 9 anos que sofria abusos do padrasto

A revista publicou que eu havia declarado que entre os alunos do Instituto Teológico do Recife (Iter) havia “negros e negras”, insinuando que sou racista e que esse foi um dos motivos para o fechamento do Iter. É notório que entre os padres ordenados por mim existem vários de cor negra. É falsa a afirmação de que o Iter foi fechado por mim. O fechamento foi decretado pela Santa Sé. Publicou também que neguei a hóstia, na hora da comunhão, à prefeita de Olinda e que “o momento foi registrado por fotógrafos e cinegrafistas”. Avisei pessoalmente que ela não podia receber a comunhão por ser membra do Partido Comunista. Na hora da distribuição da comunhão, a prefeita nem sequer entrou na fila.

Dom José Cardoso Sobrinho,
arcebispo de Olinda e Recife, Recife, PE

É algo verdadeiramente espantoso que tenha havido um erro desta magnitude na transcrição da fita, sem que nenhum dos responsáveis pela revista tenha achado a frase estranha. A errata, contudo, foi publicada – menos mal. No entanto, ainda tem um “detalhe”. A frase incorreta ainda consta no site da revista, em pelo menos duas reportagens, sem que seja feita nenhuma alusão ao erro:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,ERT64050-15228-64050-3934,00.html

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI63883-15228,00-DOM+DEDE+A+EXCOMUNHAO+E+AUTOMATICA.html

Para protestar contra esta meia-errata [v. “Expediente”]:

Diretor de Redação: Helio Gurovitz
epocadir@edglobo.com.br

Época Online – Editora: Letícia Sorg
epocaonline@edglobo.com.br

Cartas à Redação: Felipe Seiji Oda
epoca@edglobo.com.br

Read Full Post »

Fiquei sabendo que o Arcebispo de Porto Alegre, Dom Dadeus Grings, em entrevista à PRESS (trechos aqui), uma revista gaúcha, teria dito que “morreram mais católicos do que judeus no holocausto”. Em resposta às declarações de Sua Excelência, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul publicou uma nota oficial (também reproduzida no site da revista Press) em resposta às declarações do Arcebispo.

Comentando rapidamente: a despeito de não ter lido a entrevista na íntegra (por ela não estar disponível no site), o que se sabe do que foi publicado é que o Arcebispo de Porto Alegre nem sequer questionou o número de seis milhões de judeus mortos durante o regime nazista; ele apenas afirmou que foram assassinadas outras pessoas que não judeus. O que a Federação Israelita do Rio Grande do Sul quer dizer, então, com “o religioso se refere ao Holocausto de forma distorcida”? Qual foi, exatamente, a distorção nas palavras de Dom Dadeus?

Os judeus acaso querem negar que foram assassinadas pelo regime de Hitler outras pessoas que não judeus? Católicos, ciganos [para ficar só nos citados pelo Arcebispo de Porto Alegre], esses não morreram nas garras do nazismo? Ou não se pode falar neles? A coisa adquire aqui uma mentalidade doentia: parece que os judeus querem, a todo custo, ter o topo do pódio na categoria “vítimas da Segunda Guerra”.

“Reduzir ou relativizar o Holocausto agride a memória de milhões de mortos numa guerra iniciada pelo fanatismo e pela intolerância”, diz ainda a Federação Israelita. Não subscrevo integralmente, pelos motivos que já expus aqui à exaustão quando do “caso Williamson”, mas não é isso que interessa aqui. O ponto é: onde Dom Dadeus “reduziu” ou “relativizou” o Holocausto? Ou será que a mera afirmação da existência de outras vítimas do regime nazista fora os judeus é já “reduzir” e “relativizar” o Holocausto?

A própria nota da Federação, aliás, reconhece que “[m]orreram menos judeus na II Guerra”. Se ela não discorda de Dom Dadeus, qual é o motivo da “surpresa” expressa no início da nota e da condenação às declarações de Sua Excelência? Onde estão os “estereótipos criados pelos nazistas” reproduzidos – segundo a Federação Israelita – pelo Arcebispo de Porto Alegre? Porque os judeus podem caluniar assim um sucessor dos Apóstolos, lançando-lhe publicamente a pecha infamante de “anti-semita”, sem que ninguém pareça se preocupar?

Está fora de qualquer discussão – nunca é demais repetir – que qualquer violência injusta contra um povo, mais ainda por motivos raciais, é profundamente condenável e absolutamente inadmissível. É evidente que nos solidarizamos com as vítimas da Segunda Guerra, cujos horrores obviamente não queremos que se repitam. Por esse motivo concordo, in totum com a nota da Federação Israelita do Rio Grande do Sul, quando ela diz que é preciso “respeitar sempre a memória, com seriedade, fraternidade e honestidade”. Infelizmente, porém, parece que os judeus amiúde supervalorizam e distorcem a fraternidade, em detrimento da seriedade e da honestidade, através de uma postura intransigente de simplesmente bater o pé e rasgar as vestes quando se faz qualquer referência ao Holocausto que não seja para fazer o papel de carpideira dos judeus. Isso, sim, é de se lastimar.

P.S.: sugestão de leitura: Judeus tradicionalistas afirmam: A religião do Holocausto é uma criação fraudulenta sionista.

Read Full Post »

Para não esquecer:

Read Full Post »

Older Posts »