Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘dom richard williamson’

– Uma TV israelense levou ao ar um programa “humorístico” blasfemo, no qual eram ofendidos Jesus e Maria. A Santa Sé protestou imediatamente; o Estado de Israel aquiesceu ao pedido do Vaticano e censurou o programa de televisão. As relações entre o Vaticano e Israel parecem ir bem.

– O Governo da Argentina expulsou Dom Williamson do país; em todo o mundo, líderes judaicos comemoraram. Segundo o presidente do Congresso Judaico Mundial, Ronald Lauder, a decisão é louvável “porque o governo argentino deixa muito claro que os negadores do Holocausto não são bem-vindos no país”, mas, segundo as autoridades argentinas, o motivo da expulsão foram problemas com o Ministério do Interior; o bispo teria declarado “ser um empregado administrativo da Associação Civil La Tradición, quando sua verdadeira atividade era a de sacerdote e diretor do Seminário que a Fraternidade São Pio 10° possui na cidade de Moreno”. As relações entre os judeus e Dom Williamson parecem ir mal.

– Dom Williamson retratou-se de suas declarações – que provocaram mal-estar – sobre o Holocausto; no entanto, e nada surpreendentemente, os judeus não aceitaram. Segundo eles, “Williamson não se retratou de suas teses mentirosas sobre o Holocausto. Só lamentou que o que disse tenha gerado tanta polêmica”. Óbvio. O que mais Dom Williamson poderia ter dito? A censura judaica sobre a discussão histórica está ultrapassando todos os limites do tolerável. As relações entre os judeus e Dom Williamson parecem estar indo muito mal. Espero que esta tensão não seja elevada às instâncias superiores, e não comprometa as relações entre Israel e a Santa Sé. Afinal, Israel é maior do que alguns judeus birrentos; e a Igreja evidentemente não é Dom Williamson.

Read Full Post »

– Não lembro (perdoem-me a minha amnésia pós-carnaval) se já linkei isto aqui antes, mas este texto de um jornal português sobre “Excomunhão e Tolerância” ilustra bem o que se pode falar sobre o caso Williamson. Muitíssimo feliz o autor na forma utilizada para criticar a censura anti-qualquer-coisa-referente-ao-Holocausto:

Num mundo que gosta de se anunciar sem preconceitos e repudia a censura, existe um bloqueio drástico sobre o Holocausto. Comentar o horror nazi não pode ser feito fora da versão oficial. São admitidas todas as opiniões, menos essa. O pior é a forma inquisitorial, fanática e abespinhada com que o assunto é enfrentado. Quem nega as câmaras de gás deveria ser tratado com um sorriso pela ignorância e uma gargalhada pela tolice. Hoje o disparate é tanto que não merece mais. Em vez disso todos estes democratas e republicanos, supostamente tolerantes, condenam da forma mais persecutória o Papa por ele terminado o castigo canónico. Parece que Williamson devia ser excomungado de novo, agora não por insubordinação mas por opinião histórica. E Bento XVI também, mesmo não concordando com ele.

– Dois textos do Heitor de Paola sobre o aborto: “Alguns mitos e fatos científicos no debate sobre o aborto” e “Quando começa a vida”. Excelentes, porque argumentam sob uma ótica estritamente científica, evitando ao máximo (julgo eu, propositalmente) qualquer referência ética ou religiosa a fim de que o discurso seja assimilável por qualquer um e se evitem as cretinas acusações de “ingerência religiosa” e “estado laico” e blá-blá-blá. Do segundo:

[É] inevitável concluir que o aborto é uma espécie de homicídio, ou filicídio, de um ser já com individualidade que tem, in potentia, todas as condições de se desenvolver plenamente. Qualquer decisão, seja pessoal, seja jurídica, não deve evitar este conhecimento.

– Mais do Krause: uma tréplica ao artigo de Lucas Camarotti, no Jus Navigandi. A tréplica chama-se Laicismo antimetafísico e o colapso do Ocidente. O cara é muito bom! Excerto:

Tal conceito [de “laicidade ateu e materialista”], além de insustentável do ponto de vista lógico, é propugnado por uma fragorosa minoria, ainda que influente na sociedade. Nele, vislumbra-se a aversão às religiões positivas e a aversão à metafísica, tão cara aos grandes filósofos gregos. Por melhor que seja Richard Rorty, estou certo de que, diante de Aristóteles, que tanto se preocupou com a “filosofia primeira”, posteriormente denominada “metafísica”, ele é um menino de colo.

– O Gustavo teceu uns comentários sobre o III Fórum Mundial de Teologia e Libertação. A matéria completa está lá (para quem tiver estômago); os comentários sensatos do meu amigo, intercalados ao longo do texto, ajudam a torná-lo menos indigesto.

Querer “desenvolver” (isto é: inventar) uma teologia que sirva às nossas pretensões é desonestidade. É como iniciar uma pesquisa científica com uma conclusão pré-fabricada; é ir a campo querendo apenas coletar dados que corroborem o resultado que se quer obter

– O Marcio colocou no Tubo de Ensaio um texto longo, mas que vale muitíssimo a pena, sobre a controvérsia na qual esteve envolvido Galileo; trata-se de uma resenha de um livro publicado recentemente no Brasil pela Loyola. Recomendo fortemente, por ser um compêndio bem interessante e completo (tanto quanto é possível) sobre o assunto.

O tempo mostrou que Galileu tinha razão – mas as descobertas recentes sobre seu processo desmentem vários mitos e mostram que é impossível dividir os personagens do episódio em mocinhos e bandidos. Então, por que ainda hoje existem pessoas (inclusive professores) que continuam a afirmar coisas como “Galileu foi morto na fogueira”? “Quem tem algum preconceito contra a Igreja vai perpetuar os mitos porque sequer vai procurar conhecer os fatos, ou os argumentos contrários. Enquanto o mundo for mundo, essa postura permanecerá”, avalia dom Sérgio.

Read Full Post »

O Reinaldo falou besteira. Não é a primeira vez que ele o faz, mas às vezes eu fico indignado com a leviandade com a qual uma pessoa como ele, que indiscutivelmente é um expoente católico no meio jornalístico brasileiro, trata sobre alguns assuntos espinhosos. Corre-se o permanente risco de que tomem as posições do Reinaldo por posições dos católicos ou – mais grave ainda – que acreditem que uma besteira sobre a Igreja repetida ad nauseam pela mídia anti-católica é verdade só porque “o católico conservador” disse a mesma coisa.

Refiro-me, em particular, a isto aqui:

PS: Não sei se torço para Williamson se retratar, e, assim, a estupidez tem ao menos um pequeno revés, ou se torço para ele ficar em silêncio, o que manteria a excomunhão… Na verdade, torço é para que ele fique longe da Igreja.

Dom Williamson ficar em silêncio não mantém a excomunhão!! A excomunhão já foi revogada e independe completamente de quaisquer declarações que ele faça ou deixe de fazer!! Afinal de contas, quais as fontes do Reinaldo? O Jornal da Globo?! Ele, católico sendo, não lê nem mesmo ZENIT? Não leu a Nota da Secretaria de Estado do Vaticano (à qual eu fiz referência aqui ontem)? Não sabe ele (fazendo coro aos jornalistas irresponsáveis da Globo) a diferença entre ter a excomunhão retirada e assumir funções episcopais?

E não pára por aqui. Abstendo-me de comentar o absurdo grotesco que é desejar não a conversão do bispo, mas “que ele fique longe da Igreja” (!!!), preciso no entanto repudiar as alfinetadas na Igreja completamente descabidas que o Reinaldo dá, falando em “uma decisão decepcionante do papa”, em um “processo de readmissão um tanto desastrado”, em “restaurar os valores simbólicos de uma Igreja no mais das vezes burocrática”… oras, francamente! Já não bastam os inimigos da Igreja de fora apontarem os seus canhões contra o Santo Padre e a Igreja de Nosso Senhor? Também o Reinaldo Azevedo precisa mesmo tecer estes comentários infelizes, inoportunos e desnecessários? Com que propósito?

Rezemos pelo Papa, que com coragem combate praticamente sozinho todos os erros dos nossos tempos, incompreendido pelos que estão fora da Igreja e, desgraçadamente, também pelos próprios católicos – até mesmo por aqueles que são “referência” de catolicismo. Que a Virgem Maria, Mãe da Igreja, possa velar com maternal afeto pela Igreja de Nosso Senhor e também por nós que, pecadores neste Vale de Lágrimas, nada poderemos fazer jamais sem o Seu poderoso auxílio.

Read Full Post »

– Uma reportagem no site da VEJA de hoje fala que o Vaticano exigiu de Dom Williamson a negação pública e inequívoca dos seus questionamentos sobre o holocausto judeu, afirmando ainda ser isto “um requisito básico para que o bispo volte a servir à Igreja, de acordo com um documento divulgado pelo Vaticano”. Sem fazer a mínima idéia de que espécie de documento poderia ser este, fui procurar na rede e o encontrei no Rorate Caeli.

Em dois pontos a reportagem da VEJA carece de precisões. Em primeiro e mais importante lugar, ela não deixa claro o que significa “volte a servir à Igreja”; não é (como eu pensei à primeira vista) uma condição para a retirada da excomunhão, e sim para que o bispo assuma funções episcopais. Portanto, a retirada da excomunhão (óbvio) permanece, independente de qualquer declaração ou ausência de declaração de Dom Williamson sobre o Holocausto. Em segundo lugar, o que a Nota da Secretaria de Estado do Vaticano parece colocar como condição para que o bispo assuma funções episcopais é uma coisa mais sutil do que simplesmente a exigência de uma retratação pública expressa e inequívoca (como eu também pensei à primeira vista): will also have to distance himself, in an absolutely unequivocal and public manner, from his positions regarding the Shoah, em inglês, ou dovrà anche prendere in modo assolutamente inequivocabile e pubblico le distanze dalle sue posizioni riguardanti la Shoah, no original italiano; literalmente, seria alguma coisa como “deverá [Dom Williamson] manter distância, de uma maneira pública e inequívoca, de suas posições sobre o Holocausto”.

[P.S.: no Jornal da Globo, neste exato momento (04/02, 00:05): “o Vaticano exigiu que o Bispo que negou o Holocausto se retrate, sob pena de continuar excomungado” – mentira. E o Jabor falando besteira sobre o Santo Padre… uma verdadeira anta. “- ‘Ah – diz o porta voz do Vaticano – mas o Papa não sabia que o cara tinha dito isso!’ Mas como não? O Papa não é infalível?” Seguido de um risinho sarcástico de gente estúpida que não sabe o que está dizendo. A cretinice não tem limites!]

Outrossim, como já cansei de dizer que nem Dom Williamson negou o Holocausto e nem opiniões particulares sobre o Holocausto ou a sua inexistência têm qualquer ligação com o levantamento das excomunhões da FSSPX, não vou voltar a insistir no assunto porque nem eu mesmo agüento mais.

Uma carta do pe. Juan Carlos foi publicada no Fratres in Unum, conclamando os bispos da FSSPX para que não aceitem o levantamento das excomunhões. A argumentação do padre está corretíssima: pedir “el retiro del Decreto de declaración de la excomunión” implica reconocer “la validez de la censura”. Como já foi comentado em diversos lugares (e contrariamente ao que alguns insistem em afirmar), um decreto que retire uma excomunhão necessariamente pressupõe a existência da excomunhão que está sendo retirada. Portanto, longe de declarar a “nulidade” das excomunhões de 1988, o decreto tornado público no sábado 24 de janeiro corrobora-as; e até mesmo um padre da Fraternidade o reconhece.

Importa insistir, por uma absoluta necessidade de se ater aos fatos tais e quais eles se apresentam: do decreto da Congregação para os Bispos do dia 21 de janeiro, infere-se que havia de fato uma excomunhão (ao contrário do que dizem alguns rad-trads malucos), e ela de fato foi retirada (ao contrário do que a mídia modernista pretende insinuar com seus ataques a Dom Williamson). Rezemos pela FSSPX.

Read Full Post »

[Publico apressadamente a tradução de um post de hoje do Dinoscopus, que se apresenta como sendo o lugar das “colunas semanais do bispo Richard Williamson, da Fraternidade Sacerdotal São Pio X”. Não conhecia este blog; publico no entanto com a esperança de que a notícia seja verdadeira, e Nosso Senhor, acordado pelas nossas súplicas, possa acalmar a tempestade que se abateu nos últimos dias sobre a Igreja.

(P.S.: o Fratres in Unum acabou de publicar a mesma carta.)

Trata-se de uma carta de Dom Williamson pedindo perdão ao Santo Padre e ao cardeal Catrillón Hoyos pelo mal-estar causado por suas declarações referentes ao Holocausto na televisão sueca.]

A Sua Eminência, Cardeal Castrillón Hoyos

Vossa Eminência,

No meio desta tremenda tempestade da mídia ensejada por observações imprudentes feitas por mim na televisão Sueca, imploro a V. Ema. que aceite, enquanto é devidamente respeitoso [only as is properly respectful], meu sincero pesar por ter causado a V. Ema. e ao Santo Padre tantas aflições e problemas desnecessários.

Quanto a mim, tudo o que importa é a Verdade Encarnada, e os interesses de Sua Única e Verdadeira Igreja, através da qual somente [through which alone] nós podemos salvar as nossas almas e dar eterna glória, a nosso pequeno modo, ao Deus Todo-Poderoso. Tenho apenas um comentário, do profeta Jonas, I, 12:

“Tomai-me, disse Jonas, e lançai-me às águas, e o mar se acalmará. Reconheço que sou eu a causa desta terrível tempestade que vos sobreveio”.

Por favor também aceite, e transmita ao Santo Padre, meus sinceros agradecimentos pessoais pelo documento assinado na última Quarta-Feira e tornado público no sábado. O mais humildemente possível [most humbly], eu irei oferecer uma missa para ambos.

Sinceramente vosso em Cristo,

+ Richard Williamson

Read Full Post »

Corro o risco de parecer maçante e repetitivo, mas não consigo ficar calado diante do manancial inesgotável de estratosféricas besteiras que leio por aí. Agora foi a vez do sr. Wálter Fanganiello Maierovitch tecer comentários completamente imbecis sobre – ainda – a retirada das excomunhões que pesavam sobre a FSSPX. Não, eu não tenho mais paciência para esse tipo de atitude estúpida.

Este senhor fala na “infâmia que atingiu à comunidade hebraica”. Que infâmia, cara-pálida? As negociações entre a Santa Sé e a FSSPX não têm nada a ver com as posições particulares – quaisquer que sejam elas, pois não vêm ao caso – de Dom Richard Williamson; será que está difícil entender isso? Por que é infamante para a comunidade judaica que a comunidade católica receba um bispo de volta? Por que a Santa Sé deveria ser culpada por declarações de bispos das quais Ela discorda expressamente?!

Passa a impressão de que a “comunidade hebraica” quer governar a Igreja no lugar d’Ela. Primeiro, esperneando por causa da oração pela conversão dos judeus da Sexta-Feira Santa; depois, esperneando por causa do processo de beatificação de Pio XII; agora, esperneando por causa de uma revogação de excomunhão. Ora bolas, as orações da Igreja são para uso interno da Igreja, os santos da Igreja são para veneração interna da Igreja, e as sanções canônicas (ou sua retirada) atingem os membros da Igreja, e portanto nada disso tem nada a ver com a “comunidade hebraica”! Por que diabos os judeus não param de perseguir os católicos e deixam a Igreja seguir o caminho d’Ela? Por que esta sanha doentia de meter o bedelho naquilo que não lhe diz respeito?

Ainda mais porque, no caso concreto, o sr. Maierovitch manifestamente não faz a mínima idéia das coisas que está falando. Nem me refiro às calúnias históricas repetidas contra o Papa Pio XII. Falo de erros grosseiros referentes aos fatos atuais que ele se propõe a comentar. Por exemplo:

Todos os quatro foram ordenados em 1988 pelo falecido e tradicionalista arcebispo Marcel Lefebvre, com o rito da “bula de Pio V”. Ou seja,  em desacordo com as regras estabelecidas pelo Concílio Vaticano II.

Primum, não existe o “rito da bula de Pio V” – o blogueiro ouviu o galo cantar e não sabe onde. Existe o Rito Romano segundo o Missal promulgado por São Pio V – Missal, e não Bula – e existe a Bula Quo Primum Tempore que promulga este Missal. Apesar de ser possível adivinhar o que se quis dizer, “rito da Bula” é uma expressão sem sentido algum. Secundum, o Concílio Vaticano II não proibiu ninguém de celebrar os Sacramentos de acordo com o Missal de São Pio V (até porque não havia outro missal à época da conclusão do Concílio e a Reforma Litúrgica só virá depois…), portanto não havia “desacordo” quanto a isso. Tertium, Dom Lefebvre (e os quatro bispos ordenados) incorreu em excomunhão não por usar o Rito da Ordenação antigo (que estupidez!), e sim por ter ordenado bispos sem mandato pontifício! Teriam sido excomungados ainda que celebrassem segundo os livros litúrgicos em vigor!

E ainda, sr. Maierovitch, o nome é Fraternidade Sacerdotal São Pio X, e não “Pio V” (sic!), como o senhor escreve (A propósito, os lefebvrianos da Fraternidade Pio V…)! Sem contar que “lefebvrianos da Fraternidade” (ainda que estivesse com o nome correto) é um pleonasmo sem razão de ser. Se os lefebvrianos não fossem “da Fraternidade”, seriam de onde? Da Opus Dei? Ainda que seja possível falar, latu sensu, em “lefebvrianos” como sendo os simpatizantes de Dom Lefebvre (e, portanto, não necessariamente ligados juridicamente à FSSPX), estes últimos não são mencionados em momento algum do texto, o que torna a redundância acima simplesmente… redundante.

Pouco adiantou a manifestação do superior dos lefrebvianos, (sic) pois a Fraternidade continua a não aceitar as regras do Concílio Vaticano II e, com isso, adota postura independe (sic) da Igreja e desabonadora do povo hebreu.

Não sei qual é a religião deste senhor; ele se diz filho de pai judeu e mãe cristã. No entanto, a julgar pelo número impressionante de besteiras sobre a Igreja que ele conseguiu escrever em tão poucas linhas, acho razoável imaginar que, católico, ele não seja. É portanto incompreensível o esforço empregado em jogar lama numa atitude do Santo Padre cujas razões o sr. Maierovitch ignora manifestamente e que, aliás, não é da sua conta. Procurar ter informações mínimas sobre um assunto qualquer que se deseje comentar é uma condição essencial para qualquer articulista que deseje ter um mínimo de credibilidade; no entanto, a vida dá a cada dia mais provas de que o número dos estultos é realmente infinito.

Read Full Post »

Ainda sobre a questão da retirada das excomunhões que pesavam sobre os quatro bispos da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, é impressionante notar como algumas pessoas se apegam ferrenhamente a meias-verdades e trabalham com afinco para fazer com que coisas secundárias obscureçam o que é principal. Refiro-me à já tristemente célebre declaração de Dom Williamson a uma rede de televisão sueca “negando o Holocausto”. As aspas aqui são propositais, e já explico o porquê.

As manchetes dos jornais não perdoaram: “Papa reabilita bispo que nega o Holocausto”; “Papa divide Vaticano ao reabilitar bispo que nega o Holocausto”; “Judeus alemães condenam perdão a bispo que nega o Holocausto”. Ou seja: a Fraternidade Sacerdotal São Pio X se viu reduzida, perante a opinião pública, a Dom Williamson e, este, ao “bispo que nega o Holocausto”! Será possível que ainda haverá inocentes que sejam capazes de negar a profunda má-fé destes pseudo-jornalistas e o evidentemente deliberado serviço de desinformação que foi levado a cabo por estes criminosos que manipulam o Quarto Poder?

Muita coisa poderia ser dita. Primeiro, que reconhecemos evidentemente que tal declaração foi, para dizer o mínimo, desnecessária. Segundo, que, a despeito disso, Dom Williamson, até onde me conste, não negou o Holocausto e sim a existência das câmaras de gás. São duas coisas completamente diferentes. Terceiro, que a FSSPX é maior do que Dom Williamson e, dentro dela, até onde me conste, este tipo de opiniões é característica exclusiva dele. Quarto, que Dom Williamson (e a FSSPX em geral) não foi excomungado por questões referentes ao Holocausto e, portanto, não é também por questões a ele relacionadas que o bispo foi reabilitado. Quinto, que a razão de ser da FSSPX não é negar o Holocausto. Sexto, que os membros do Clero têm como função precípua o ensino da Doutrina Católica, e não de História. Sétimo, que as negociações entre a Santa Sé e a FSSPX absolutamente nada têm a ver com discussões históricas sobre o Holocausto. Oitavo, que a reabilitação de um bispo que “nega o Holocausto” não implica em dizer que a Igreja “assume como Sua” a negação do Holocausto. Enfim! Sob uma enxurrada de mentiras, de manipulação de fatos e de jogo de emoções, o cerne da questão passa completamente despercebido pela grande massa de pessoas que acompanham o que acontece no mundo por meio desta excrescência de jornalismo irresponsável!

A calúnia e a desinformação atingiram proporções descomunais; Dom Fellay – superior da FSSPX – foi obrigado a proibir Dom Williamson de dar declarações públicas sobre História e Política até segunda ordem. Medida extrema e desproporcional, mas necessária devido à histeria generalizada. Tudo por causa da tempestade em copo d’água e do catastrofismo criminoso propagados por alguns setores da mídia. Esperamos que, agora, a poeira possa baixar e, com o arrefecimento dos ânimos exaltados, as pessoas possam conhecer a Fraternidade por aquilo que ela é – e não por esta sua tosca caricatura com a qual foi apresentada ao grande público.

Read Full Post »

Older Posts »