Feeds:
Posts
Comentários

Archive for junho \30\UTC 2008


[Foto:
Arquidiocese de Olinda e Recife]

“Bonum certamen certavi cursum consummavi fidem servavi” (2Tm 4, 7)

Bem pode repetir essas palavras, hoje, Dom José Cardoso Sobrinho, Arcebispo Metropolitano de Olinda e Recife. Sua Excelência Reverendíssima completa hoje 75 anos – idade em que, segundo o Direito Canônico, a entrega do pedido de renúncia é exigida, ficando o tempo de permanência ainda na (Arqui)diocese nas mãos do Sucessor de Pedro. Para as comemorações do natalício de Sua Excelência, temos uma missa festiva, agora às 10:00, seguida de um almoço; depois de hoje, SS Bento XVI decidirá o futuro desta Arquidiocese.

Parabéns, Dom José, por terdes sido verdadeiro pastor fiel do povo católico de Olinda e Recife, que pela Divina Providência foi colocado sob o vosso cajado!

Parabéns, Dom José, por terdes sacrificado todo o amor-próprio para guardar a fidelidade à Igreja de Cristo, Mãe e Mestra, para cujo serviço fostes constituído bispo!

Parabéns, Dom José, por terdes permanecido sereno e inabalável, enquanto sofríeis perseguições e maledicências, acusações injustas e calúnias, ofensas e ataques gratuitos, por parte daqueles que se portavam como verdadeiros inimigos de Cristo e de Sua Igreja!

Parabéns, Dom José, por terdes tido a coragem de anunciar o Evangelho em Sua integridade, sem fazer concessões ao mundo moderno e sem transigir um pouco que fosse na Doutrina da Igreja, único remédio para os males do mundo de hoje!

Parabéns, Dom José, porque sempre ecoastes fielmente a voz da Igreja, nesta Arquidiocese de Olinda e Recife!

Parabéns, Dom José, porque fostes perseguido, mostrando assim que sois verdadeiramente seguidor de Jesus Cristo – o Qual disse que os Seus seriam perseguidos (cf. Jo 15, 20) – e ensinando-nos com exemplos de vida o caminho de Cruz que é apanágio do cristão!

Enfim, parabéns, Dom José! E obrigado!

Read Full Post »

Esta Igreja, constituída e organizada neste mundo como sociedade, é na Igreja católica, governada pelo sucessor de Pedro e pelos Bispos em união com ele, que se encontra, embora, fora da sua comunidade, se encontrem muitos elementos de santificação e de verdade, os quais, por serem dons pertencentes à Igreja de Cristo, impelem para a unidade católica.
[Lumen Gentium, 8 – grifos meus]

Haec Ecclesia, in hoc mundo ut societas constituta et ordinata, subsistit in Ecclesia catholica, a successore Petri et Episcopis in eius communione gubernata, licet extra eius compaginem elementa plura sanctificationis et veritatis inveniantur, quae ut dona Ecclesiae Christi propria, ad unitatem catholicam impellunt.
[Idem – texto em latim]

Sejamos claros desde o princípio: a Igreja Católica é depositária fiel de uma Doutrina, legada diretamente por Deus, por cuja integridade deve zelar e em cuja transmissão sem acréscimos nem recortes deve Se empenhar até a volta gloriosa de Jesus Cristo, Nosso Senhor. Esta é uma atribuição absolutamente fundamental da Igreja, sem a qual Ela trairia o Seu Divino Fundador e perderia a Sua razão de existir. De modo que é dever da Igreja como um todo e de cada católico em particular ser completamente intransigente na defesa do Depositum Fidei, não tolerando de modo algum nenhuma alteração n’Aquilo que tem o próprio Deus como Autor. Neste sentido, diz São Josemaría Escrivá:

A transigência é sinal certo de não se possuir a verdade. – Quando um homem transige em coisas de ideal, de honra ou de Fé, esse homem é um homem… sem ideal, sem honra e sem Fé.
[Caminho, 394]

Todavia, é o mesmo santo que acrescenta:

Sê intransigente na doutrina e na conduta. – Mas suave na forma. – Maça poderosa de aço, almofadada.
– Sê intransigente, mas não sejas cabeçudo.
[Caminho, 397 – grifos meus]

A “forma” à qual se refere aqui o santo é a maneira como as coisas são ditas. Trata-se de uma aplicação concreta de um princípio mais geral, o qual poderia ser formulado da seguinte maneira: a forma não é o conteúdo. Ou ainda: mudar a forma não implica necessariamente em mudar o conteúdo. E, arrematando: a intransigência católica é quanto ao conteúdo, e não quanto à forma.

O mesmíssimo ensinamento podemos encontrar em São Francisco de Sales:

Uma mulher por nome Glicéria sabia distribuir as flores e formar um ramalhete com tanta habilidade que todos os seus ramalhetes pareciam diferentes uns dos outros. (…) De modo semelhante o Espírito Santo dispõe e arranja com uma admirável variedade as lições de virtude que nos dá pela boca e pela pena de seus servos. É sempre a mesma doutrina, apresentada de mil modos diferentes. Na presente obra outro fim não temos em mira senão repetir o que já tantas vezes se tem dito e escrito sobre esta matéria. São as mesmas flores, benévolo leitor, que te venho ofertar aqui; a única diferença que há é que o ramalhete está disposto diversamente.
[São Francisco de Sales, “Filotéia”, Prefácio de S. Francisco de Sales. Vozes, 16ª edição, 2008]

Certamente é útil considerar ainda as seguintes palavras de Boulenger:

O papa usa o seu poder doutrinal – a) ora por definições solenes sobre a fé ou os costumes: – b) ora por outro meio qualquer que lhe pareça mais idôneo para instuir os fiéis. (…) Seja qual for o modo que o Sumo Pontífice adotar para dirigir-se aos fiéis, suas palavras sempre devem achar, por parte de todos, o eco mais afetuoso e dócil, a submissão mais sincera e respeitosa.
[Boulenger, “Doutrina Católica – Manual de Instrução Religiosa (adaptado); Primeira Parte: O DOGMA”. 18ª lição: Constituição da Igreja]

E, por fim, sobre este assunto, é-nos salutar procurar ainda o que se diz no Código de Direito Canônico:

A Doutrina Cristã seja apresentada de modo apropriado à condição dos ouvintes e, em razão dos tempos, adaptada às necessidades.
(CIC, Livro III – Do múnus de ensinar da Igreja. Cân. 769)

O fiel católico tem um duplo dever com relação à Doutrina que recebeu da Igreja: por um lado, precisa ser-lhe fiel mas, por outro lado, precisa fazê-la conhecida dos homens de todos os tempos e lugares. Precisa ser apóstolo e, no cumprimento desta exigência, pode e deve procurar a melhor maneira de fazer a Verdade ser compreendida em Sua integridade. Pode e deve – como nos ensina o Papa Paulo VI – [o]bedece[r] a exigências ensinadas pela experiência, escolhe[r] os meios convenientes, não se prende[r] a vãos apriorismos nem se fixa[r] em expressões imóveis, quando estas tenham perdido o poder de interessar e mover os homens (Ecclesiam Suam, 48). Repitamos: a fidelidade católica é – em última instância – às realidades expressas pelas fórmulas, e não às fórmulas em si. Que isto seja bem entendido, antes que venham as acusações de que estas idéias incorrem na condenação da Pascendi: não defendemos que se devam “lançar às favas” as fórmulas doutrinárias existentes, nem que elas sejam inúteis, e nem nada disso. Acontece que, se por um lado é certo que as expressões clássicas que nos foram legadas pela Igreja são santas e isentas de erro (e isso ninguém pode negar), por outro lado elas não esgotam a capacidade expressiva humana de maneira que não haja possibilidade de se dizer as mesmas coisas de outra forma. A Igreja sempre condenou que fossem ditas outras coisas distintas daquilo que Ela ensina; mas nunca proibiu que essas mesmas coisas fossem ditas de formas distintas.

Há um clássico (e claro) exemplo disso numa passagem da vida de São Paulo. Pregando certa vez aos atenienses, no Areópago, disse o Apóstolo:

Percorrendo a cidade e considerando os monumentos do vosso culto, encontrei também um altar com esta inscrição: A um Deus desconhecido. O que adorais sem o conhecer, eu vo-lo anuncio!
(At 17, 23)

É evidente que Iahweh não é um “Deus desconhecido” (é, ao contrário disso, o Deus que Se revela) e é também evidente que São Paulo não está fazendo “sincretismo religioso” e dizendo que os pagãos já adoravam ao Deus Verdadeiro. Trata-se, ao invés disso, de uma maneira diferente (de oferecer um ramalhete disposto diversamente, diria São Francisco de Sales) de falar sobre o Deus de Abraão e de fazer com que os atenienses entendessem melhor o anúncio do Evangelho. Com isso, alguns homens aderiram a ele e creram (At 17, 34). Se São Paulo não tivesse o discernimento de “traduzir” as expressões do mundo judaico para a realidade pagã grega (que era o seu público-alvo), talvez estes pagãos não se tivessem convertido ao Evangelho. E fica, assim, o ensinamento: é fundamental não se desviar da Doutrina, mas é também fundamental fazer-se entender.

Há um outro exemplo na História da Igreja onde resplandece com clareza o erro de se apegar com intransigência meramente às fórmulas. Trata-se de uma das questões que está relacionada com o Cisma do Oriente do século XI: a questão do Filioque. Como todos sabem, o I Concílio de Constantinopla completou o Credo de Nicéia (Concílio Ecumênico anterior), dando origem ao que passou a ser chamado de Credo Niceno-Constantinopolitano. De acordo com este Concílio:

And [we believe] in the Holy Ghost, the Lord and Giver-of-Life, who proceeds from the Father, who with the Father and the Son together is worshipped and glorified, who spoke by the prophets.
[First Council of Constantinople (A.D. 381) – grifos meus]

O Espírito Santo, conforme diz o Segundo Concílio Ecumênico da História da Igreja, procede do Pai. E, no Concílio de Calcedônia (IV Concílio Ecumênico – 451 AD), a Igreja determinou o quanto segue:

Na verdade, este Símbolo [o Niceno-Constantinopolitano], sábio e salutar, bastaria, pela graça de Deus, para fazer conhecer perfeitamente e confirmar as verdades da Fé. Com efeito, este Símbolo dá um ensinamento perfeito a respeito do Pai, do Filho, do Espírito Santo e aos que o acolhem com fé ele mostra o que é a encarnação do Senhor.
[…]
Depois de ter formulado tudo isto com toda a exatidão e atenção, determinou o sagrado Concílio Ecumênico que já não é lícito a ninguém proferir e muito menos redigir ou compôr outra profissão de fé, ou pensar ou ensinar de outra forma.
[Definição de Fé do Concílio de Calcedônia, in “Documentos dos primeiros oito Concílios Ecumênicos”, tradução de Mons. Otto Skrzypczac. 2. ed. revista e ampliada, EDIPUCRS, Porto Alegre, 2000)

Todavia, a princípio pontualmente e, após o século XI, de maneira institucional na Igreja, o Filioque (o Espírito Santo procede do Pai e do Filho) foi introduzido no Símbolo. Mais detalhes podem ser visto neste artigo, mas o que nos interessa agora é o seguinte: a fórmula original (qui ex Patre procedit) foi alterada, no decorrer dos séculos, dando origem assim à fórmula atual (qui ex Patre Filioque procedit). Oras, isto não significa, evidentemente, que o conteúdo do Depositum Fidei foi alterado [posto que afirmar isso é afirmar que as portas do Inferno prevaleceram sobre a Igreja]; então, significa que a Igreja reconhece a Sua potestade de exprimir as verdades de Fé com as fórmulas que julgar por bem prescrever. O acréscimo do Filioque foi um dos motivos alegados pelos orientais para o Grande Cisma do século XI. Afirmar, portanto, que a Igreja não pode mudar a maneira de expressar a Doutrina – porque a Doutrina em Si é inalterável, mas o modo de exprimi-la, não – é, assim, coisa de cismático ortodoxo, e não de católico romano.

Concluamos: se os santos reconhecem, com palavras e gestos, a licitude de se pregar o Evangelho da maneira mais adequada ao ouvinte; se o Direito Canônico prescreve a mesma coisa; se os autores dos manuais clássicos reconhecem que o Papa usa o seu poder doutrinal por qualquer meio que lhe pareça conveniente; se há, na História da Igreja, precedentes para a substituição, por parte do Magistério, de uma fórmula doutrinária válida por outra igualmente válida; se é assim, então, não há motivo algum para que se questione a expressão utilizada pelo Concílio Vaticano II, posta em epígrafe, segundo a qual a Igreja de Cristo subsiste (subsistit in, ao invés de est, como já fora anteriormente definido) na Igreja Católica.

De maneira análoga ao que ocorre com o Credo de Constantinopla, a nova expressão não “revoga” a antiga; explicita-a, complementa-a, di-la de outra maneira, mas não a contradiz. Permanece verdade que a Igreja de Cristo é (est) a Igreja Católica, e o subsistit in não vem abrogar e nem muito menos condenar a expressão anterior. Os que defendem semelhante tese – quer para apoiá-la, como é o caso dos modernistas, quer para condená-la, como é o caso dos rad-trads – incorrem em grave erro, ou por defenderem que a Doutrina pode ser alterada, ou por postularem que o Papa não tem autoridade para exprimir as mesmas verdades de Fé diversamente das fórmulas consagradas pelos que o precederam. Contra ambos ergue-Se a Igreja, único farol seguro a guiar constantemente no meio das tempestades da vida. Acheguemo-nos a Ela e, em Seu seio, saibamos estar ao abrigo de todos os erros e heresias, porque é ouvindo-Lhe a voz e respondendo-Lhe docilmente que estaremos no caminho estreito que conduz à Salvação e à Glória, na fidelidade a Jesus Cristo Nosso Senhor; fidelidade esta que não se consegue a não ser no amor e na submissão filial à Igreja Católica, Esposa de Cristo, nossa Mãe e nossa Glória.

Read Full Post »

O Vaticano extinguiu uma Congregação [ao que me consta, somente] recifense, as Religiosas Beneditinas da Virgem Maria. Dom José Cardoso, Arcebispo de Olinda e Recife, foi na última terça-feira [24 de junho, dia de São João] entregar uma notificação à direção do Colégio Maria Imaculada, localizado no bairro do Cordeiro e administrado pelas religiosas.

As irmãs [beneditinas] tiveram ocasião de dialogar conosco (…), a coisa vem de longe, e agora chegou a palavra final da autoridade da Santa Sé. (…) Eu tentei duas vezes fazer uma auditoria – já faz alguns anos – e, infelizmente, aquela que está à frente não permitiu, fechou as portas. Então chegamos a um momento em que temos que tomar uma decisão. A decisão foi esta, de acordo com as leis da Igreja.
[Dom José Cardoso, na Rádio Jornal]

Segunda-feira próxima, dia 30 de junho, Sua Excelência Reverendíssima completa 75 anos de idade e deve apresentar a sua carta de renúncia ao Papa. É um herói, um santo bispo, como poucos, infelizmente, que há hoje em dia.

Abaixo, a íntegra da matéria publicada no site do Jornal do Commercio [só para assinantes]. Desnecessário alertar para o viés anti-clerical que já é praticamente conditio sine qua non para a publicação de notícias relacionadas à religião:


Dom José fecha congregação
Publicado em 24.06.2008

Por solicitação do arcebispo de Olinda e Recife, o Vaticano extinguiu a Congregação das Religiosas Beneditinas da Virgem Maria, localizada no Cordeiro

Há uma máxima muito conhecida no meio eclesiástico segundo a qual de Roma vem o que para Roma vai. Pois bem, somente essa doutrina poderia explicar o decreto assinado pelo Vaticano, no dia 30 de abril último, extinguindo a Congregação das Religiosas Beneditinas da Virgem Maria, localizada no Cordeiro, Zona Oeste do Recife. A dissolução do grupo foi solicitada pelo arcebispo de Olinda e Recife, dom José Cardoso Sobrinho. Ele já fez isso com outras entidades.

No documento, assinado pelo cardeal Franc Rodé, prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, e pelo arcebispo Gianfranco Gardin, secretário da mesma entidade, as Beneditinas da Virgem Maria são acusadas de “graves irregularidades e afrouxamentos no tocante à disciplina religiosa e às Constituições, sobretudo no que diz respeito ao exercício do governo.” Sem entrar em detalhes, os dois representantes do Vaticano destacam a “exigüidade numérica” e a “situação bastante delicada e crítica” do instituto, criado em 1951.

Amparado pelo decreto, dom José Cardoso Sobrinho enviou uma notificação com nove itens, da letra A à I, à coordenadora da congregação, Irmã Cleide Maria de Moura, com data de cinco de junho último, informando que o grupo “não existe mais como Instituto de Vida Religiosa na nossa Igreja Católica.” Ele reforça que também foram dissolvidas as três casas religiosas vinculadas ao instituto.

As religiosas deixarão de administrar o Educandário Maria Imaculada, instalado no Cordeiro, e o Instituto Sant’Ana, situado no município de Bom Jardim e ligado à Diocese de Nazaré da Mata, interior de Pernambuco. Os estabelecimentos de ensino passam a funcionar sob responsabilidade direta do arcebispo e do bispo de Nazaré, dom Jorge Tobias de Freitas.

Dom José entregou a direção do Maria Imaculada a dois funcionários da Cúria Metropolitana. O Instituto Sant’Ana ficará com o padre José Mariano da Silva, indicado pelo bispo de Nazaré.

No item F o religioso estabelece prazo “improrrogável” de 48 horas, a contar do recebimento da nota, para Irmã Cleide Maria entregar todos os bens móveis e imóveis, além de livros contábeis e documentos bancários da congregação a “pessoas indicadas pelo arcebispo de Olinda e Recife.” Avisa, no item H, que o conteúdo da notificação têm o apoio dos bispos de Nazaré e de Pesqueira, dom Francisco Biasin.

Católicos leigos ouvidos pelo JC afirmam que as denúncias contra a Congregação das Religiosas Beneditinas não têm fundamento. “Roma tomou uma decisão a partir de informações repassadas do Recife. As religiosas não tiveram chance de defesa”, destacam. “O arcebispo despreza toda a vida de dedicação das irmãs, algumas já idosas. É preciso saber porque ele se zangou com as religiosas.”

O cardeal Franc Rodé e o arcebispo Gianfranco Gardin informam, no decreto, que tomaram a decisão “após haver examinado atentamente as razões expostas pelos excelentíssimos bispos interessados”. Eles se referem a dom José Cardoso, dom Jorge Tobias e dom Francisco Biasin. No texto, os dois religiosos do Vaticano dizem ter constatado “a gravidade da situação, avaliado o perigo de um dano maior que pode resultar para a vida consagrada e para a igreja, bem como a falta de uma fundada esperança de que o instituto em questão possa recuperar-se.”

Ao acionar o Vaticano, como expressam o cardeal e o arcebispo, dom José Cardoso garante que tentou, em vão, restabelecer a ordem na congregação. O Vaticano pede a dom José para facilitar a migração das religiosas para a Congregação das Beneditinas Missionárias de Tutzing, que deu origem às Beneditinas da Virgem Maria, se forem aceitas. E para prover a acomodação daquelas que prefiram ser dispensadas dos votos.

Dom José completa 75 anos no próximo dia 30, idade-limite para exercer o cargo, e deverá pedir renúncia à Santa Sé. Ontem, uma funcionária da Arquidiocese disse que ele estava ausente e pediu para a reportagem entrar em contato amanhã. As religiosas não falaram sobre o assunto.

Read Full Post »

Estou cada vez mais persuadido disto: a felicidade do Céu é para os que sabem ser felizes na terra.
(Forja, 1005)


[Foto: Josemaría Escrivá de Balaguer]

Hoje é a festa de São Josemaría! Em 2008, 31 anos de sua morte.

Para quem não conhece: as obras do fundador do Opus Dei em vários idiomas (português inclusive).

Abaixo, os textos da liturgia:

SÃO JOSEMARÍA ESCRIVÁ DE BALAGUER, PRESBÍTERO


Antífona de entrada – Jer 3, 15
Eu vos darei pastores segundo o meu coração,
que vos apascentem com sabedoria e prudência.

Oração colecta
Senhor, nosso Deus,
que, na Igreja, escolhestes São Josemaría, sacerdote,
para anunciar a vocação universal
à santidade e ao apostolado,
concedei-nos, por sua intercessão e exemplo,
que, através do trabalho quotidiano,
nos identifiquemos com Cristo, vosso Filho,
e sirvamos com amor ardente a obra da Redenção.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Oração sobre as oblatas
Aceitai, Pai Santo, estes dons
que Vos oferecemos
na comemoração de São Josemaría,
para que, pelo sacrifício de Cristo consumado no altar da Cruz
e que se torna presente neste sacramento,
Vos digneis santificar todas as nossas acções.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Antífona da comunhão – Mt 20, 28
O Filho do homem não veio para ser servido,
mas para servir e dar a sua vida pela redenção dos homens.

Oração depois da comunhão
Senhor, nosso Deus, nós Vos pedimos que
a recepção deste sacramento,
na celebração de São Josemaría,
fortaleça em nós o espírito de vossos filhos adoptivos
para que, abraçando fielmente a vossa vontade,
percorramos com alegria o caminho da santificação.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

San Josemaría Escrivá,
¡Ruega por nosotros!

Read Full Post »

Caiu-me às mãos um artigo de João Pereira Coutinho, intitulado “Pais, filhos e gays” (aqui para assinantes da FOLHA ou aqui para os demais), no qual o articulista tece algumas considerações sobre a homossexualidade enquanto fato natural e a licitude de se buscar, para ela, alguma espécie de tratamento terapêutico. Recomendo a leitura do artigo completo (em um dos links acima), sobre o qual eu pretendo fazer alguns comentários. Os itálicos deste post – retroativamente – são excertos do artigo ora em discussão.

Vou começar pelo fim, i.e., pela conclusão do Coutinho, com a qual eu concordo inteiramente: a vida humana é, em si, digna de respeito, e deve ser protegida da vaidade, soberba e tirania de seus progenitores. Isso é uma questão de princípio, que não pode ser negociada sob hipótese alguma, posto que a dignidade do ser humano – de todos e de cada um deles – é-lhe intrínseca, e não pode ser violada nem mesmo por uma boa causa. Assim, é imoral uma manipulação genética que ambicione “criar” artificialmente um ser humano ao gosto do freguês, montado pelos pais que, como clientes de um self-service, escolham as características que desejam e descartem as que não lhe apetecem.

Todavia, não dá para subscrever sem ressalvas todo o artigo. Nele, misturam-se coisas que não deveriam ser misturadas. Por exemplo: diz o articulista que a maioria das pessoas, se pudesse identificar a orientação sexual do filho por meio de um exame pré-natal, não hesitaria em recorrer ao ABORTO ou à “reprogramação” caso a sexualidade da criança apontasse para o lado “errado”. Oras, o aborto é clara e absolutamente imoral. Já o que é chamado de “reprogramação”, precisa ser melhor analisado.

João Pereira Coutinho refere-se a um estudo sobre diferenças de anatomia cerebral entre homossexuais e heterossexuais (provavelmente o mesmo estudo que já foi comentado aqui neste BLOG) e sobre a influência de certos hormônios (durante a gestação e pouco depois dela) na formação do sistema nervoso do indivíduo. E prossegue: se os hormônios desempenham papel principal, abre-se a porta prometida: “reorientar” os hormônios, “reorientar” a preferência sexual do bebê. Antes de continuar, é preciso deixar claro que não pode ser aceitada simpliciter a tese segundo a qual [a] homossexualidade é um fato natural -como a cor dos olhos, a pigmentação da pele. Um bebê, embora evidentemente tenha cor de olhos, não tem preferência sexual nenhuma. O que ele pode ter é uma certa configuração biológica que o predisponha a, no futuro, quando se interessar sexualmente por alguém, fazê-lo por pessoas do mesmo sexo. No mesmo artigo, Coutinho diz que outros aspectos da personalidade humana – como para a depressão, para a liderança, para a criatividade – podem ser explicados da mesma forma que a homossexualidade. E bebês não têm nada disso, embora possam desenvolver essas características depois. Da mesma maneira que é preciso considerar em todo ato humano, onde entra o livre-arbítrio de cada um – ao contrário de coisas como cor de olhos e pigmentação da pele -, uma coisa é a predisposição e, outra, o determinismo. É aceitável que haja predisposição para o homossexualismo, mas é simplesmente falso que a configuração genética determine sozinha quem é gay e quem não é, porque as pessoas sempre podem (à exceção de alguns casos mais críticos) agir em desacordo com os seus impulsos e instintos imediatos. Nós fazemos isso o tempo todo, e é isso que nos diferencia dos animais irracionais.

Concedendo que certos comportamentos – entre eles, o comportamento homossexual – possa sofrer influências neurobiológicas (como, aliás, eu concedo facilmente), é forçoso incluir neste conjunto também coisas como a depressão, a cleptomania, a ninfomania ou a pedofilia (sobre este último, aliás, recomendo esta leitura, que traz confissões interessantes). Se é assim, então, por que alguns destes comportamentos são moralmente passíveis de tratamento e outros devem permanecer protegidos da “violência de terceiros”? Por acaso dar anti-depressivos a pessoas que sofrem de depressão é condená-las a habitar vidas que não lhes pertenceriam? Por que uma ninfomaníaca pode ser tratada e um homossexual não pode? O critério colocado pelo articulista é arbitrário: a homossexualidade não é impeditiva de um funcionamento pleno do indivíduo nem põe em risco a sua sobrevivência futura. E é arbitrário por pelo menos dois motivos.

Primeiro: o que é “funcionamento pleno”? Na plenitude da realização de um indivíduo, não deveria estar – pelo menos em possibilidade de escolha – a formação de uma família? Homossexuais não podem fazê-lo de maneira natural. Por que esse aspecto naturalíssimo da vida humana foi retirado do funcionamento pleno do indivíduo que Coutinho defende como o critério que diferencia aquilo que é passível de interferência terapêutica daquilo que não o é?

Segundo: existem coisas que não se enquadram no supradito critério e que sempre foram feitas sem maiores questionamentos pela medicina. Por exemplo, cirurgias estéticas. “Ah, mas uma cirurgia estética é de responsabilidade do sujeito sobre si mesmo, pois é ele que escolhe fazer”, poderia alguém argüir. Não necessariamente. Por exemplo, os pais de uma criança que tenha lábio leporino estariam porventura fazendo alguma violência contra o seu filho se lhe fizessem uma cirurgia corretiva? É claro que não.

O homossexualismo é anti-natural, ainda que se possa observar “na natureza” atos sexuais entre animais do mesmo sexo, e ainda que ele tenha raízes n’alguma configuração neurobiológica do indivíduo. E a razão para isso é que ele vai contra a própria natureza do ato sexual, pois este nos mostra que há complementaridade entre o homem e a mulher, e que esta complementaridade é necessária à perpetuação da espécie humana. Isto não é um pressuposto do catolicismo, é um fato que está ao alcance da razão natural. É um valor objetivo, e justifica a intervenção terapêutica para se corrigir as predisposições à homossexualidade que porventura existam já num recém-nascido ou num nascituro, sem que isso seja violar-lhe a dignidade intrínseca (como no caso do aborto), porque o que detém a dignidade é o ser humano, e não a homossexualidade. A manipulação genética é condenável, se tiver como fim a criação do “super-homem”; mas a razão humana pode e deve ser utilizada para que o ser humano – parafraseando João Pereira Coutinho e dando um sentido diverso à expressão dele – possa ter uma vida plena. E uma pessoa vive tão mais plenamente quanto menos ela se desvia daquilo que ela deve ser, quanto mais ela se conforma à Lei Natural – da qual podemos, no tocante ao que se está discutindo aqui, encontrar uma eloqüente expressão lá no início da narrativa bíblica: et creavit Deus hominem ad imaginem suam ad imaginem Dei creavit illum masculum et feminam creavit eos (Gn 1, 27).

Read Full Post »

São João dormiu,
São Pedro acordou;
Vamos ser compadres,
Que São João mandou.

Passei o feriado de São João parte em Caruaru, parte em Campina Grande. Nesta última cidade – interior da Paraíba -, fiquei sabendo que, este ano, o Ministério Público proibiu que fogueiras fossem acesas e determinou o pagamento de uma multa para quem as acendesse. Após uma enorme confusão, esclareceu-se que a tradição junina não estava proibida; o problema eram os comerciantes que vendessem “madeira extraída de árvores nativas e que não tivessem a permissão da legislação ambiental para ser comercializada”.

Muitas pessoas, hoje em dia, não sabem o que é tradição. O povo de Campina Grande, sabe. Conversei com algumas pessoas – lá nascidas e lá criadas – e elas me disseram de uma maneira muito simples: “nossos avós faziam assim”. E algumas dessas pessoas já eram avós…

Sinceramente, eu não morro de amores por fogueiras. A fumaça irrita meus olhos, o calor me incomoda um pouco, não consigo ficar muito tempo perto delas. Mas eu já fui criança, e lembro-me de que minha avó fazia fogueiras todos os anos, e que eu adorava montar a fogueira durante o dia, lutar para acendê-la de noite (às vezes chovia e a madeira molhava) e assar milho depois que o fogo baixasse e sobrassem apenas as brasas. Lembro-me de que a simples idéia de não acender a fogueira na véspera de São João seria capaz de fazer a minha avó ter um infarto – segundo ela, se não tivesse fogueira “dava [mau] agouro”. Lembro-me de ter escutado que se acendiam fogueiras porque Santa Isabel, quando São João nasceu, acendeu uma fogueira para avisar à Virgem Maria – Ela morava distante – que o menino havia nascido.

É claro que é superstição associar a existência ou não das fogueiras à sorte ou ao azar, e eu nunca vi em lugar nenhum que Santa Isabel tivesse avisado à Virgem Maria do nascimento de São João por meio de uma fogueira (o relato bíblico, aliás, deixa entrever que a Virgem estava na casa de Zacarias quando João Batista nasceu). Mas isso é o de menos: o importante é que nossos avós faziam assim! Salvo engano, é de Isaac Newton a célebre frase “standing on the shoulder of giants” – algo como “[enxerguei mais longe] estando (i.e., “porque estava”) sobre os ombros de gigantes”. Os “gigantes” foram os que o precederam. Os nossos avós podem até não ser gigantes e, provavelmente, não o são mesmo; mas, se desprezarmos os seus ombros, ser-nos-á possível escalar outros maiores?

Enxerga-se mais longe quando se respeita o que deixaram os antigos; e aprende-se a respeitar o legado dos antigos desde pequeno. Aprendendo a fazer fogueiras com os nossos avós. Há uma sábia pedagogia nestas tradições populares: ainda que fazer fogueiras seja, em si, uma coisa de pouca ou nenhuma importância, o ensinamento que se esconde por trás disso é precioso: guarde aquilo que lhe foi transmitido pelos seus antepassados. E, quem não aprende a guardar as coisas pequenas e irrelevantes, como será capaz de guardar as coisas grandes e importantes? As fogueiras não são importantes! O que é importante é aprender a respeitar os costumes dos antigos – e, isso, as fogueiras de São João ensinam.

E há ainda os compadres de fogueira! Isso não é da minha época e eu só aprendi em Campina Grande, nestes últimos dias. Compadres são uma espécie de familiares, unidos por laços não de sangue, mas de amizade. O padrinho do seu filho é o seu compadre – e, etimologicamente, um “compadre” é um “co-padre”, ou seja, alguém que é uma espécie de pai (padre) junto com (co) outra pessoa. Estes compadres eu já conhecia. Ser compadre é, de certo modo, fazer parte da família. Um dia, creio, duas pessoas quiseram ser compadres e nenhuma das duas tinha filhos para que um pudesse ser o padrinho do filho do outro. Os compadres de fogueira devem ter surgido assim.

Na noite de São João, dois [ou mais] amigos que querem ser compadres “selam” este compromisso repetindo os versinhos em epígrafe enquanto pulam juntos a fogueira de São João. A partir daí, são compadres para sempre, passam a “fazer parte da família”, manifestam publicamente e assumem um “compromisso de amizade” que perdura a vida inteira. “É mais fácil acabar um compadre de batismo” – dizia o paraibano que me explicava essas coisas, na noite de São João – “do que acabar um compadre de fogueira”. E, se não for mais permitido acender fogueiras de São João… como é que as pessoas vão virar compadres? “Quando ele [o sujeito responsável pela proibição das fogueiras] chegar no céu” – continuava o mesmo paraibano – “São João vai dizer: aqui não entra não. Quem mandou acabar com os meus compadres?”. E ria.

Vão dizer que isso é besteira, e que ninguém precisa “pular fogueira” para ser amigo, e que não há nenhum “poder mágico” em versinhos que produza ex opere operato laços de amizades, e tantas coisas mais. É verdade. Mas o poder não está no “ritual”, e sim no respeito à “instituição” do compadrio – e isso também se aprende com os avós. Sempre é possível fazer estudos sociológicos e antropológicos profundos para explicar os laços que unem os compadres… mas, para estudá-los in loco, é mais fácil procurá-los nos amigos pulando juntos as fogueiras juninas. Amizade é outra coisa que se aprende por tradição. E temo que não sejam capazes de aprender isto os que não aprendem, com os avós, a montar fogueiras…

Sancte Ioannes Baptista,
ora pro nobis.

Read Full Post »

A descriminalização do aborto é tema de discussão na Câmara ao longo desta e da próxima semana.

Esta notícia foi publicada na FOLHA, na segunda-feira passada (dia 16 de junho). De lá para cá, não vi mais nenhuma, de modo que eu não faço idéia de como andam essas “discussões” da Câmara.

Sei que o Projeto de Lei 1135/91 – aquele do aborto, que sofreu uma derrota acachapante na CSSF no mês passado – sofreu uma movimentação recente, no dia 17/06/2008, terça-feira última. Recebi por email, pois cadastrei-me no site da Câmara para acompanhar esta proposição; mas, nos meios de comunicação, não vi nenhuma notícia sobre o assunto.

A movimentação foi a seguinte:

Aprovado requerimento do Sr. Eduardo Cunha que solicita realização de Audiência Pública, para ouvir o Ministro da Saúde, Dr. José Gomes Temporão; o Presidente da CNBB, Dom Geraldo Lyrio Rocha; o Ministro do STF, Dr. Carlos Alberto Menezes Direito; o Pastor Silas Malafaia; o Reverendo da Catedral Presbiteriana do Brasil, no Rio de Janeiro, Senhor Guilhermino Cunha; o Presidente da Convenção das Igrejas Assembléia de Deus, no Rio de Janeiro, Pastor Abner Ferreira; o Presidente da Convenção das Igrejas Assembléia de Deus, em Tocantins, ex- Deputado Federal, Pastor Amarildo e a ex- Senadora Heloísa Helena, possibilitando debate acerca do Projeto de Lei nº 1.135/1991, que suprime o artigo que caracteriza crime o aborto provocado pela gestante ou com seu consentimento.

Não gosto nem um pouco da idéia. Os debatedores praticamente se resumem a líderes religiosos. Após a derrota por unanimidade na Comissão de Seguridade Social e Família, não vejo para quê haver uma Audiência Pública. E lançar um “rótulo odioso” à posição anti-aborto, tachando-a de “religiosa”, é a última coisa da qual nós precisamos no momento, e bem pode ser a “última cartada” desesperada dos abortistas. Satanás não dorme.

Uma amiga minha tem uma opinião diferente: segundo ela, como os deputados são mais “sensíveis a votos” do que os Ministros do Supremo, a opinião dos “pastores” protestantes pode estar sendo evocada para direcionar os votos da bancada evangélica. Tomara. Mas, mesmo assim, continuo com a pulga atrás da orelha. Queira Deus que eu esteja errado.

* * *

Procurando sobre “aborto” no site da GLOBO.COM, entre os resultados mais recentes está uma matéria do Fantástico… veiculada há mais de um ano! Qual foi a alteração recente que ela sofreu, que justifique uma das primeiras posições no motor de busca? Mistério…

* * *

Sobre CTEHs, diz a Igreja com termos mais do que claros:

Nenhuma finalidade, ainda que nobre em si mesma, como a previsão de utilidade para a ciência, para outros seres humanos ou para a sociedade, pode, de modo algum, justificar a experimentação em embriões ou fetos humanos vivos, viáveis ou não, no seio materno ou fora dele.

Quando? Numa instrução chamada DONUM VITAE. Assinada em 22 de fevereiro de 1987. Isso mesmo, há 21 anos. A posição da Igreja já completou maioridade. Mais ainda não tem direito a voto no Brasil…

Read Full Post »

Older Posts »