Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘tratado da verdadeira devoção’

Eu sempre fui bastante cético com relação às frases de efeito utilizadas por uma espécie de “cultura de auto-ajuda”, segundo a qual o maior problema do Universo é o fato das pessoas terem baixa estima, e se acharem, tipo, um “joão-ninguém”. E sempre fui assim cético porque a enorme maioria das pessoas com quem eu convivo tem uma consideração exagerada por si própria; os piores casos de baixa auto-estima com os quais me deparei tinham-se, sempre, em conta muito mais alta do que lhes era devido por justiça.

Não acho que eu seja exagerado. Uma das passagens de escritores espirituais que mais me marcou foi quando, há alguns anos, li pela primeira vez o Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, e vi que São Luís de Montfort, citando São Bernardo, não tinha um pingo de autocomiseração, pois propunha uma meditação (n. 228) com as seguintes palavras de São Bernardo: “cogita quid fueris, semen putridum; quid sis, vas stercorum; quid futurus sis, esca verminum” (pensa no que foste, semente pútrida; no que és, vaso de esterco; no que serás, comida de vermes). Lembro-me muito bem de que, à primeira vez, foi um choque considerar-me como um vaso de esterco: eu me tinha em alta conta, mais alta do que me era devida, e não o sabia.

Não pretendo tecer considerações detalhadas sobre este curioso fenômeno (já o fiz há algum tempo aqui); gostaria apenas de me perguntar se existem pessoas com “baixa auto-estima”, e se isso pode vir a ser um problema para elas. E o faço sob uma ótica específica: a das garotas que têm anorexia. Nunca havia tido contato com nenhuma anoréxica antes; conheci no entanto, recentemente, uma garota assim, e me impressionei com a quantidade – e, mais ainda, com a “qualidade” – do “material” sobre o problema disponível na internet.

Existe um verdadeiro empenho para se “embelezar” e transformar num ideal o “estilo de vida” anoréxico; é perturbador! Veja-se, por exemplo, o vídeo acima, de “thinspiration” (um curioso e intradutível jogo de palavras com “thin”, “magro”, e “inspiration”, inspiração). My wish: to be pretty (meu desejo: ser bonita). My hope: to be loved (minha esperança: ser amada). My love: anorexia (meu amor: anorexia). Veja-se o desenho da menina vomitando (bulimia; voltamos já já para isso) borboletas: I hate myself (eu me odeio)… I want to be seen as someone breakable and soft (eu quero ser vista como alguém frágil – “quebrável” – e delicada). Nothing tastes as good as thin feels … nothing hurts the way being unloved does …. and WE ALL will reach our goal, if we believe (nada é tão saboroso quanto ser magra … nada machuca tanto quanto não ser amada… e NÓS TODAS vamos atingir nosso objetivo, se nós acreditarmos). WE WILL (NÓS VAMOS)! É incrível – é uma verdadeira lavagem cerebral! And someday you will be proud of today’s not-eating (e um dia você vai ser recompensada por não ter comido hoje)… because you WILL be beautiful (porque você VAI ser bonita). E surge uma Barbie anoréxica (a gente volta daqui a pouco para isso também). If you stop, you’ll never feel the freedom you search for (se você parar, você nunca vai sentir a liberdade que procura); then, you will never see the light you reach for (então você nunca verá a luz que busca). Dare to dream (ouse sonhar).

É, verdadeiramente, um ideal de vida, a ser buscado custe o que custar, e que vale todos os sofrimentos: a fome, os laxantes, o vômito, a solidão, a fraqueza, tudo. É a perfeição a ser atingida, cuja posse recompensa todo e qualquer sacrifício; é a verdadeira liberdade, reservada àquelas que ousam sonhar alto e se empenhar na busca dos seus sonhos. Qualquer semelhança com um ideal religioso às avessas não me parece mera coincidência.

Este tipo de panegírico à doença circula livremente pela internet – é horrível. Existe toda uma “cultura” associada à anorexia vista como um ideal de vida: desde as borboletas e o desejo de ser “leve para voar”, passando pelas “amigas” Anna e Mia (a “Anna” é a anorexia e a “Mia” é a bulimia) que são aquelas que dão apoio às garotas que estão tentando emagrecer (estão “em busca da perfeição”)… Este blog traz em certo momento uma espécie de lista dos jargões: “LF” = “low food” (pouca comida), “NF” = “no food” (sem comida), “miar” = “vomitar” (vem da amiga Mia…), “tive uma compulsão” = “comi muito”… E isto não é o pior, porque as cartas das amigas “Anna e Mia” são verdadeiramente pra provocar estupor. Este profile do orkut, que achei por acaso, traz versões de ambas (aliás, hoje a garota está de “NF” – quer dizer (como só soube depois) que está sem comer). Vejam só (todos os absurdos tipográficos são do original):

CARTA DA MIA

Oi! Meu nome é Bulimia, mas os íntimos me chamam de Mia. Sou sua companheira e vou estar com vc nas horas de mais aperto e desespero, estou com vc e quase sempre com a Anna. Somos o trio perfeito e espero que vc não nos decepcione,pq nós sim somos suas verdadeiras amigas ! Não te decepcionamos e vamos sempre te ajudar. Vc com certeza terá momentos de extrema tristeza,mas passa pq nossa amizade é mais forte. Vc tem aquelas amigas que não te entendem, e se vc contar pra elas, nossa amizade estará em risco, elas irão querer te “ajudar”, mas não é isso o que elas queerem.. elas querem é destruir nosso laço e eu tenho certeza que vc não quer isso, portanto fique de boca fechada, pq vc não tem permissão da Anna de comer, e tem permissão minha de botar tudo pra fora se for necessário ! A escolha é sua, mas nós estaremos SEMPRE com vc e nunca iremos te abandonar ! Vc é forte o bastante para dizer não a seus familiares e “amigos”, nós sabemos disso. Te amamos…  Beijinhos da Mia.

CARTA DA ANA

Meu nome é Anorexia,mas você pode me chamar de Anna. Nós podemos nos tornar grandes amigas. Diziam que vc era tão madura,inteligente,que vc tinha tanto potencial. E eu pergunto, aonde tudo isso foi parar ? Absolutamente em lugar algum !Vc perde tempo falando com seus amigos ! Logo,esses atos não serão mais permitidos. Seus amigos não são verdadeiros. Quando inseguramente vc perguntou a eles: -Estou gorda? E eles te disseram: -Não,claro que não ! Vc sabia que eles estavam mentindo ! Apenas digo a verdade ! E sem falar nos seus pais ! Irei te contar um segredo agora: Bem no fundo,eles estão desapontados com vc. Porque vc se transformou em uma gorda,lerda,e sem merecimento de nada ! Vc não pode contar a ninguém. Se vc decidir o contrário,todo o inferno vai voltar ! Ninguém pode descobrir ! Eu criei vc,magra,perfeita,minha criança lutadora ! Vc é minha,e só minha! Sem mim,vc é nada ! Então,não me contrarie. Quando outras pessoas comentarem,ignore-os ! Esqueça eles,porque todos querem me fazer ir embora. Serei seu melhor apoio,e pretendo continuar assim.

Sinceramente, eu fiquei escandalizado quando encontrei estas coisas ao acesso de todo mundo, com a roupagem bonitinha e as cretinas insinuações de que é preciso afastar-se dos familiares e dos amigos, para não perder o ideal de vida anoréxico. Por isso é que eu volto a dizer que há coisas que não deveriam ser divulgadas… mas este é um outro assunto. Sobre este aqui, que já está ficando longo por demais, só mais dois comentários e um exemplo.

O primeiro comentário é sobre a Barbie anoréxica que aparece no vídeo. Este blog toca, quatro anos atrás, no assunto, e reproduz um comentário de uma anoréxica que vale a pena ser de novo reproduzido aqui:

A comunidade [do orkut] está crescendo espantosamente, numa rápida pesquisa, encontrei um número enorme de blogs com depoimentos chocantes (especialmente para uma mãe, como eu!). Entre esses textos, encontrei um que me chamou muita atenção pela lucidez da menina.

“Vocês podem até ser contra sites destes tipos, mas saibam e vejam que antes de tentar nos mudar vocês vão ter que mudar o mundo. Algumas perguntas relevantes:

1) Por acaso vcs já viram alguma gorda sexy como garota propaganda em alguma grande revista como Marie Clare ou Boa Forma?

2) Por que os maniquins das lojas femininas são baseados em números de 36 a 42 em sua maioria ?

3) Já viu alguma protagonista de filme ou novela realmente gorda???

4) Se o normal é comer porque todo dia lançam no mercado mais e mais produtos e dietas para emagrecimento?

5) Porque nunca colocam um gorda na campanha do Mac Donalds?”

Infelizmente, ela está certíssima. Antes de tentar mudá-las, precisamos mudar o mundo.. Não é o caso de criticá-las, mas de tentar compreendê-las e ajudá-las a superar esse problema. Nesse passeio pelos blogs, minha vontade é de colocá-las no colo. Fico imaginando, quantas mães sabem o que está se passando com essas meninas?

E a “ditadura da beleza” tem, sim, a sua parcela considerável de culpa no drama que estas meninas vivem; cansei de ler coisas como “é melhor morrer magra do que viver gorda” nos profiles de orkut pelos quais andei passeando. Trago o exemplo: este blog é de uma menina de Recife de 16 anos (não sei quem é, e gostaria muitíssimo de saber). O que tem escrito ao lado? “Se você nunca chorou ao ver sua imagem no espelho… Se você nunca sentiu odio de todo o mundo… Se você nuca foi motivo de piada… Se você nunca sentiu vontade de se trancar em seu quarto e nunca mais sair e lá…então você não sabe o que se passa comigo, portanto não venha me julgar”. A menina quer chegar aos 35 kg. E eu, sinceramente, acho um completo absurdo que exista um mundo no qual as meninas sejam forçadas a “se enquadrarem” n’algum perfil obtuso de beleza, sob pena de “ser motivo de piada” ou de chorar “ao ver sua imagem no espelho”. Vontade de chorar tenho eu, ao me deparar com uma situação dessas…

E, aqui, termino com o segundo comentário, retomando o que falei acima, sobre a auto-estima das pessoas. Estas meninas provavelmente sentem-se muito mal; qual a diferença, portanto, delas para o ideal proposto pelos santos para meditação? A diferença é que o problema  – combatido pelos santos – está relacionado à estima do jeito que o mundo a entende. Não basta sentir-se um sapo e desejar ser um rouxinol; não é suficiente ter consciência de que é um patinho feio, mas cultivar secretamente o desejo de vir a ser cisne. Não adianta saber-se um vaso de esterco e desejar, custe o que custar, ser um vaso de bálsamo. Em uma palavra: evidentemente não é para cultivar o desprezo por alguma coisa terrena mantendo, ao mesmo tempo, uma enorme insatisfação e um desejo desordenado de se obter alguma outra coisa terrena. À estima do jeito que o mundo a entende (e que praticamente todo mundo tem – mesmo que seja só “em potência”, em desejo, como as anoréxicas), opõe-se uma espécie de “santa estima”, que é a consciência clara de ser amado por Deus, de que se é filho de Deus e se tem o Céu por herança – isto deve nos bastar. É porque somos filhos de Deus que podemos desprezar as consolações do mundo; não é um mero masoquismo, e sim uma correta ordenação das graças que nos são concedidas. Todo filho de Deus tem do que se orgulhar, tem um bem que não lhe podem arrancar, tem uma riqueza mais valiosa do que qualquer outra que poderia almejar. É na verdade esta a auto-estima – e não a que o mundo apresenta – que deve ser buscada. Porque, na verdade, nem todo mundo pode ser o cisne branco – ou “a borboleta” – apresentado(a) pelo mundo como ideal supremo: no entanto, na casa do Pai há sempre – e sempre haverá, independente das modas do mundo – muitas moradas.

Anúncios

Read Full Post »

Nas minhas andanças pela internet descobri um curioso texto, escrito supostamente por um católico e divulgado por protestantes, chamado Tratado da Verdadeira Devoção – escrito por um católico. Não, não é o Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem de São Luís de Montfort (este era o que eu estava procurando). Trata-se de um texto herético protestante (mesmo que se diga “escrito por um católico”, se for verdade, o tal católico que escreveu é de facto um herege protestante) onde o autor se esmera para provar a idolatria da Igreja de Cristo. O assunto é tão velho que já está gagá, mas vou me deter n’alguns comentários sobre esta obra específica por causa das referências ao Tratado verdadeiro, o de São Luís Maria.

Começa o texto com o velho blá-blá-blá sobre se “adoração” e “veneração” são a mesma coisa. Na Doutrina Católica, é óbvio que não são; se “todos dicionários colocam veneração como sinônimo de adoração” (op. cit., p. 3) eu não sei se é verdade mas, ainda que seja, não faz nenhuma diferença, porque é evidente que um dicionário não é o lugar adequado para se buscar o sentido de termos teológicos específicos da Doutrina Católica. Esta tem dois mil anos e não tem nenhuma obrigação de “se adequar” às exigências dos dicionários, pois os católicos sabem que a Doutrina se aprende no catecismo; se os protestantes querem aprender teologia no dicionário é problema deles, e só vai fazer com que eles não entendam nunca o que a Igreja está dizendo.

Acerta o autor do livreto quando diz que “veneração é ato de culto” (op. cit., p. 2) mas erra ao dizer que isso, por si só, já caracteriza a existência de idolatria. Como todo protestante, ele só aceita que exista culto de adoração. O que, dentro da Teologia Católica, é falso, pois existe o culto de latria devido a Deus e o culto de dulia devido aos santos e às imagens dos santos. Portanto, nem todo culto é culto de latria, e “revelar” que a Igreja cultua os santos é descobrir o sol ao meio-dia no céu límpido. As citações de diversas passagens bíblicas onde “venerar” (ou “honrar”, ou “cultuar”, ou qualquer coisa parecida) é usado no sentido de “adorar” são irrelevantes, primeiro porque as traduções portuguesas modernas não necessariamente contemplam a terminologia grega ou hebraica original com esta fidelidade farisaica que exige o autor da obra e, segundo (e muito mais importante), porque o sentido das palavras é evidentemente mais importante do que as palavras em si. Os católicos aceitam que se diga “venerar a Eucaristia” no sentido de latria. Mas, em contrapartida, exigem que seja aceito “venerar a Virgem Santíssima” no sentido de dulia.

O mesmíssimo vale para a citação do II Concílio de Nicéia (sobre adorar/venerar as imagens). A interpretação dada pelo “católico” sobre as passagens do Apocalipse onde São João adora um anjo e dos Atos dos Apóstolos onde Cornélio adora São Pedro é completamente estapafúrdia:

Na verdade, tanto João como Cornélio não tentaram adorar com adoração de latria, pois eles sabiam que o anjo e Pedro eram criaturas, e que, portanto, não poderiam ser adoradas. Eles queriam, na verdade, venerá-las, ou seja, prestar-lhes adoração de honra.

Contudo, vimos a Palavra de Deus advertindo que a adoração, seja de latria ou de dulia (de honra), só são devidas a Deus. Ou seja, que a veneração (como é popularmente conhecida a adoração de honra) só pode ser dada a Deus. Portanto, venerar uma criatura (um anjo ou um santo) é idolatria, sobretudo se a veneração coloca o santo no lugar de Deus. [op. cit., p. 5; grifos no original]

Se a “veneração” coloca o santo no lugar de Deus ela, por definição, é latria e não dulia, de modo que a frase não tem nenhum sentido. Agora, se “venerar uma criatura” for sempre idolatria, então o autor da obra difamatória vai precisar explicar por que a Bíblia manda, p.ex., honrar os velhos (cf. Lv 19, 32), por que o Templo era “venerado no mundo inteiro” (IIMac 3, 12), por que Jacó se prostrou diante de Esaú (cf. Gn 33, 3), por que o carcereiro “lançou-se trêmulo aos pés de Paulo e Silas” (At 16, 29), por que “José celebrou, em honra do seu pai, um pranto de sete dias” (Gn 50, 10), por que Lot prostrou-se diante dos dois anjos que chegaram a Sodoma (cf. Gn 19, 1), ou ainda por que Deus prescreveu: “Honra teu pai e tua mãe” (Ex 20, 12), entre muitas outras coisas. Donde se vê a que absurdas contradições chega o livre-exame das Escrituras, tomando textos isolados, misturando-os com preconceitos e desprezando quer a Tradição da Igreja, quer o próprio conjunto dos demais livros da Bíblia.

Segue o suposto “católico” com uma enorme lista de “[t]extos oficiais da Igreja Católica admitindo (sic) a adoração de imagens” (op. cit., pp. 5-10). De novo a mesma coisa: o pressuposto de que toda veneração é adoração, de que adoração é uma palavra que só pode ser usada no sentido de latria, de que a Igreja é alguma espécie de idiota que não sabe nem mesmo o que Ela própria diz. Não é sequer concedido a Igreja o beneplácito de ter a Sua Doutrina julgada da maneira que Ela mesma a entende; o protestante pega textos católicos, interpreta-os com um sentido expressamente contrário àquele que a Igreja lhes dá, e quer com isso mostrar como Ela é idólatra. Um esforço gigantesco e inútil, pelo simples fato de que a Igreja não entende os Seus textos do mesmo jeito que os entende o “teólogo dos dicionários”.

Adoração é latria, é daí que vem a palavra “idolatria” (que significa “adoração a ídolos”), e se a Igreja deixa claro que existe uma coisa chamada “latria” e uma outra coisa chamada “dulia”, então é porque Ela diferencia as duas coisas, e não é intelectualmente honesto dizer que Ela as considera ambas iguais. O máximo que os protestantes podem fazer é tentar provar que tanto a latria quanto a dulia são proibidas pelas Escrituras Sagradas. Só que isso é impossível, porque até as mais criativas exegeses (como a acima citada, de São João e de Cornélio) são incapazes de explicar o conjunto das Escrituras Sagradas, onde vemos, sim, criaturas sendo honradas o tempo inteiro.

As páginas subseqüentes são fruto de uma leitura seletiva do Tratado da Verdadeira Devoção à SSma. Virgem de São Luís Maria Grignion de Montfort. O autor do livreto dá às palavras do santo um sentido expressamente condenado por ele – coisa, aliás, muitíssimo parecida com o expediente de fazer a Igreja “admitir” que adora imagens. É como se alguém dissesse “o sol ilumina e o fogo queima, mas a lua pode refletir a luz do sol e, por isso, também ilumina, e o ferro pode ficar em brasas se em contato com o fogo e, portanto, também queima”. Daí o gênio sentenciasse: ah! Ele diz que a lua ilumina, mas só o sol ilumina e, por isso, ele diz que a lua é sol! Ele diz que o ferro queima, mas todo mundo sabe que só o fogo queima e, portanto, ele diz que o ferro é o fogo! É em um “raciocínio” estritamente análogo a isto que se baseia o “católico” escritor do livreto. Afinal, São Luís de Montfort deixa claro, por diversas vezes, que as qualidades atribuídas à Santíssima Virgem o são por graça, por causa de Deus, e não por “natureza” ou por poder próprio. Lembra repetidas vezes que Maria é uma criatura e não o Criador. Mas as suas palavras encontram os ouvidos surdos (ou os olhos analfabetos) do suposto católico que não quer saber de outra coisa que não atacar, per fas et per nefas, a Doutrina da Igreja.

No final, a inteligência ilustre responsável pelas páginas deste livro não quis assumir-se, mantendo-se anônimo. É forçoso reconhecer que ele, ao menos, tem senso do ridículo; eu próprio ficaria envergonhado de reclamar a autoria de linhas sofríveis assim. O responsável pela divulgação do livreto – Wellington Leão, do “Notícias do Evangelho” – diz que o autor pediu para ser mantido no anonimato “temendo (…) que pudesse ser excluído do catolicismo”. Quanto a isso, aviso ao ex-católico que ele não tem com o quê se preocupar: a excomunhão por heresia é automática, latae sententiae, segundo prescreve o Código de Direito Canônico, de modo que o anonimato não o protege de se auto-excluir da comunhão com a Igreja de Cristo.

Read Full Post »

2. Os apóstolos dos últimos tempos

55. Deus quer, finalmente, que sua Mãe Santíssima seja agora mais conhecida, mais amada, mais honrada, como jamais o foi. E isto acontecerá, sem dúvida, se os predestinados puserem em uso, com o auxílio do Espírito Santo, a prática interior e perfeita que lhes indico a seguir. E, se a observarem com fidelidade, verão, então, claramente, quan[t]o lho permite a fé, esta bela estrela do mar, e chegarão a bom porto, tendo vencido as tempestades e os piratas. Conhecerão as grandezas desta soberana e se consagrarão inteiramente a seu serviço, como súditos e escravos de amor. Experimentarão suas doçuras e bondades maternais e amá-la-ão ternamente como seus filhos [queridos]. Conhecerão as misericórdias de que ela é cheia e a necessidade que têm de seu auxílio, e hão de recorrer a ela em todas as circunstâncias como à sua querida advogada e medianeira junto de Jesus Cristo. Reconhecerão que ela é o meio mais seguro, mais fácil, mais rápido e mais perfeito de chegar a Jesus Cristo, e se lhe entregarão de corpo e alma, sem restrições, para assim também pertencerem a Jesus Cristo.

56. Mas quem serão esses servidores, esses escravos e filhos de Maria?

Serão ministros do Senhor ardendo em chamas abrasadoras, que lançarão por toda parte o fogo do divino amor.

Serão “sicut sagittae in manu potentis” (Sl 126, 4) – flechas agudas nas mãos de Maria toda-poderosa, pronta a traspassar seus inimigos.

Serão filhos de Levi, bem purificados no fogo das grandes tribulações, e bem colados a Deus, que levarão o ouro do amor no coração, o incenso da oração no espírito, e a mirra da mortificação no corpo e que serão em toda parte para os pobres e pequenos o bom odor de Jesus Cristo, e para os grandes, os ricos e os orgulhosos do mundo, um odor repugnante de morte.

57. Serão nuvens trovejantes esvoaçando pelo ar ao menor sopro do Espírito Santo, que, sem apegar-se a coisa alguma nem admirar-se de nada, nem preocupar-se, derramarão a chuva da palavra de Deus e da vida eterna. Trovejarão contra o pecado, e lançarão brados contra o mundo, fustigarão o demônio e seus asseclas, e, para a vida ou para a morte, traspassarão lado a lado, com a espada de dois gumes da palavra de Deus (cf. Ef 6, 17), todos aqueles a quem forem enviados da parte do Altíssimo.

58. Serão verdadeiros apóstolos dos últimos tempos, e o Senhor das virtudes lhes dará a palavra e a força para fazer maravilhas e alcançar vitórias gloriosas sobre seus inimigos; dormirão sem outro nem prata, e, o que é melhor, sem preocupações, no meio dos outros padres, eclesiásticos e clérigos, “inter medio cleros” (Sl 67, 14) e, no entanto, possuirão as asas prateadas da pomba, para voar, com a pura intenção da glória de Deus e da salvação das almas, aonde os chamar o Espírito Santo, deixando após si, nos lugares em pregarem, o ouro da caridade que é o cumprimento da lei (Rom 13, 10).

59. Sabemos, enfim, que serão verdadeiros discípulos de Jesus Cristo, andando nas pegadas de sua pobreza e humildade, do desprezo do mundo e caridade, ensinando o caminho estreito de Deus na pura verdade, conforme o santo Evangelho, e não pelas máximas do mundo, sem se preocupar nem fazer acepção de pessoa alguma, sem poupar, escutar ou temer nenhum mortal, por poderoso que seja. Terão na boca a espada de dois gumes da palavra de Deus; em seus ombros ostentarão o estandarte ensangüentado da cruz, na [mão] direita, o crucifixo, na esquerda o rosário, no coração os nomes sagrados de Jesus e Maria, e, em toda a sua conduta, a modéstia e a mortificação de Jesus Cristo.

Eis os grandes homens que hão de vir, suscitados por Maria, em obediência às ordens do Altíssimo, para que o seu império se estenda sobre o império dos ímpios, dos idólatras e dos maometanos. Quando e como acontecerá?… Só Deus o sabe!… Quanto a nós, cumpre calar-nos, orar, suspirar e esperar: Exspectans exspectavi (Sl 39, 2).

[S. Luís Maria de Montfort, “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, Vozes, 2007 – trechos em colchetes de Edições Montfortinas, 2001]

Read Full Post »