Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘ministério da saúde’

– Não vês que todo o objetivo da Novilíngua é estreitar a gama do pensamento? No fim, tornaremos a crimidéia literalmente impossível, porque não haverá palavras para expressá-la. Todos os conceitos necessários serão expressos exatamente por uma palavra, de sentido rigidamente definido e cada significado subsidiário eliminado, esquecido.

[…]

Como será possível dizer “liberdade é escravidão” se for abolido o conceito de liberdade? Todo o mecanismo do pensamento será diferente. Com efeito, não haverá pensamento, como hoje o entendemos.

[George Orwell, 1984, apud Mídia Sem Máscara]

A linguagem é evidentemente importante para o pensamento; via de regra, nós pensamos por meio de palavras, e as palavras (a rigor, as idéias significadas pelas palavras – não é trivial concebermos uma idéia sem que a associemos a uma palavra para a designar) que nós conhecemos provocam uma inegável influência nos raciocínios que nós somos capazes de produzir. A pior escravidão, portanto – eis o cenário surreal imaginado por Orwell – é a escravidão do pensamento que nem mesmo sabe ser escravo, pois não tem sequer consciência do significado de “escravidão”.

Era nisso que eu pensava quando li uma notícia segundo a qual a ONG Anis havia feito uma pesquisa em livros e dicionários e “descoberto” que eles eram homofóbicos (ou pelo menos “homoindiferentes”). Sem nenhuma surpresa para nós, esta baboseira foi financiada pelo Ministério da Saúde.

“Livro didático ignora diversidade sexual”; não tenho certeza de que a conclusão da pesquisa seja verdadeira. Se for, Deo gratias!, porque ainda não estamos no fundo do poço e nossas crianças ainda não estão sendo (tão) expostas à deformação nas escolas. Não existe “diversidade sexual”, de modo que os livros fazem muito bem em ignorar as coisas que não existem. A diversidade aqui é dupla: masculino e feminino, ponto. Agora, independente disso, existem as depravações comportamentais sexuais, que aí podem incluir qualquer coisa, ao gosto do freguês, desde relações entre pessoas do mesmo sexo até relações com defuntos, ou com animais, ou com carros, ou com cabeças de frango (atenção! Conteúdo textual inadequado!), et cetera, et cetera, et cetera. Não há limites. Por acaso os livros didáticos para as crianças deveriam cobrir esta gama interminável de horrores? Tal despautério absurdo só faz sentido na cabeça dos gayzistas que, financiados com dinheiro público, não desejam senão transformar o mundo numa grande Sodoma.

Não me incomodam tanto as conclusões disparatadas da tal Anis; o que me deixa realmente preocupado é o previsível passo seguinte: a substituição da linguagem. Os dicionários são homofóbicos? Que sejam reescritos na forma de apologias gayzistas! Os livros nada falam sobre os depravados? Transformem os livros em contos de pornô gay! E, assim, o sentido das palavras vai sendo perdido, e as mentalidades vão sendo (de)formadas dentro da agenda gayzista. Quando for proibido falar em “anti-natural” (aliás, palavra cujo sentido já foi, em larga escala, perdido…) para se referir às depravações sodomitas, e as pessoas acabarem de perder completamente o senso moral por não serem nem mesmo capazes de chamar o erro de erro e de conceituá-lo como aquilo que ele é, então o pesadelo de Orwell estará realizado. Acho que nem mesmo ele jamais acreditou que tal situação absurda pudesse existir fora dos seus escritos.

Anúncios

Read Full Post »

Foi criada a CPI do aborto! De acordo com a notícia veiculada por G1, o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, assinou terça-feira (08) a criação da CPI que “investigará o comércio de substâncias abortivas e a prática de aborto”. Já não era sem tempo;  desde fevereiro que se fala nisso. Rezemos para que o crime seja combatido, e o assassinato de crianças inocentes não seja tratado pela sociedade com indiferença e impunidade.

No Senado, o sen. Gerson Camata “criticou em Plenário a edição de uma cartilha, pelo Ministério da Saúde, intitulada “O álcool e outras drogas alteram seus sentidos, mas não afetam seus direitos no serviço de saúde”, com orientações para o consumo de maconha, crack, cocaína e ecstasy”. A política criminosa de “redução de danos” está ganhando força no Brasil; questiona o senador – muito apropriadamente – “se é lícito usar dinheiro público para ensinar a usar cocaína, crack, maconha”. Um mínimo de bom senso e uma lufada de ar fresco contra os descalabros feitos pelo Ministério do Ataúde – que, ao parecer, só se preocupa em gastar dinheiro financiando  caravanas abortistas Brasil afora, incentivando a depravação das crianças nas escolas públicas, custeando cirurgias mutiladoras para “transexuais” e, agora, ensinando os cidadãos a usarem drogas, enquanto o povo brasileiro sofre com o precário serviço de saúde oferecido pelo Governo.

Frei Betto traz uma “nova versão” do Pai Nosso; ele deve pensar que Nosso Senhor não teve competência para ensinar os discípulos a rezarem como devia, ou deve ter se esquecido daquela passagem bíblica onde Jesus fala que as Suas palavras não passarão jamais. A caricatura blasfema da oração dos filhos de Deus só revela o quanto está perdido o frade (?) dominicano. Que Deus tenha misericórdia dele.

– Ainda falando em blasfêmia, rezemos fortemente em desagravo pelo que fizeram no México: uma modelo como a Virgem Maria na capa da Playboy (!!!). Nem encontro palavras para exprimir o horror diante do horrendo sacrilégio. Que Nosso Senhor tenha misericórdia de nós todos, e a Virgem Santíssima possa aplacar a ira do Todo-Poderoso.

– O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez – que vetou recentemente a lei pró-aborto aprovada pelo Senado do seu país – desvinculou-se do partido socialista ao qual pertencia. Parabéns, mais uma vez, ao político que mostra coerência de vida e intransigência nos valores fundamentais. Aqui, no Brasil, quantas pessoas seriam capazes de fazer isso? Quantos “católicos” vivem em promíscua relação com o partido abortista que hoje governa o país?

O calendário do Vaticano que mostrava algumas fotos de jovens e bonitos padres, e que provocou uma enorme discussão em diversos lugares da internet uns dias atrás, era um hoax! De acordo com este site, eram modelos vestidos de padres, e não sacerdotes verdadeiros. Graças a Deus.

Read Full Post »

Incrível: o Ministério da Saúde está promovendo o aborto com recursos públicos por meio da União Nacional dos Estudantes! Segundo notícia da Folha de São Paulo, o “Ministério da Saúde deslocou R$ 2,8 milhões, previstos no Orçamento deste ano para apoio à educação permanente de trabalhadores do SUS (Sistema Único da Saúde), para financiar a “Caravana Estudantil da Saúde”, organizada pela UNE (União Nacional dos Estudantes)”.

Quase três milhões de reais! Cabe perguntar – o que a UNE tem a ver com o Ministério da Saúde? Infelizmente, a única resposta que se apresenta é: a tal “Caravana Estudantil da Saúde” é um veículo de apologia descarada ao aborto. Está no site da UNE que esta Caravana é “uma iniciativa que pretende levar para as universidades debates sobre o aborto e demais temas relacionados à formação da juventude como drogas e alcoolismo”. E, para que não fiquem mais dúvidas sobre em quê está sendo aplicado o dinheiro público, o roteiro da Caravana do Ataúde é o seguinte (destaques meus):

RIO DE JANEIRO
14 – Quinta-feira – Estácio de Sá
Manhã – Drogas – Legalizar ou não?
Noite – Saúde, educação e cultura.

ESPÍRITO SANTO
18 – Segunda-feira – UFES
Manhã – Legalização do aborto: aspectos legais, morais, políticos sob a ótica da saúde pública.
Noite – Saúde, educação e cultura.

MINAS GERAIS

20 – Quarta-feira – UFMG
Manhã – Drogas – Legalizar ou não?
Noite – Saúde, educação e cultura.

22 – Sexta-feira – PUC
Manhã – Lei seca, avanço ou retrocesso?
Noite – Saúde, educação e cultura.

SÃO PAULO
26 – Terça-feira – USP
Manhã – Saúde e tolerância: homofobia, lesbofobia, sexismo, racismo.
Noite – Saúde, educação e cultura.

28 – Quinta-feira – UNINOVE
Manhã – UNINOVE – Lei seca, avanço ou retrocesso?
Noite – UNIP – Saúde, educação e cultura.

SETEMBRO

PARANÁ
01 – Segunda-feira – PUC
Manhã – Drogas – Legalizar ou não?
Noite – Saúde, educação e cultura

SANTA CATARINA
03 – Quarta-feira – UFSC
Manhã – Direitos sexuais e reprodutivos e a violência de gênero
Noite – Saúde, educação e cultura.

RIO GRANDE DO SUL
05 – Sexta-feira – UNISINOS
Manhã – Lei seca, avanço ou retrocesso?
Noite – Saúde, educação e cultura.

MATO GROSSO DO SUL
09 – Terça-feira – UFMS
Manhã – Saúde e sexualidade
Noite – Saúde, educação e cultura.

MATO GROSSO
11 – Quinta-feira – UFMT
Manhã – Legalização do aborto: aspectos legais, morais, políticos sob a ótica da saúde pública.
Noite – Saúde, educação e cultura.

RONDÔNIA
16 – Terça-feira – UNIR
Manhã – Saúde e sexualidade
Noite – Saúde, educação e cultura.

ACRE
19 – Sexta-feira – UFAC
Manhã – Legalização do aborto: aspectos legais, morais, políticos sob a ótica da saúde pública.
Noite – Saúde, educação e cultura.

AMAZONAS

23 – Terça-feira – UEA
Manhã – Saúde e tolerância: homofobia, lesbofobia, sexismo, racismo.
Noite – Saúde, educação e cultura.

RORAIMA

26 – Sexta-feira -UFRR
Manhã – Drogas – Legalizar ou não?
Noite – Saúde, educação e cultura.

AMAPÁ
30 – Terça-feira – UNIFAP
Manhã – Saúde e Sexualidade.
Noite – Saúde, educação e cultura.

OUTUBRO

PARÁ
03- Sexta-feira – UNAMA
Manhã – Legalização do aborto: aspectos legais, morais, políticos sob a ótica da saúde pública.
Noite – Saúde, educação e cultura.

MARANHÃO
08 – Terça-feira – UFMA
Manhã – Drogas – Legalizar ou não?
Noite – Saúde, educação e cultura

PIAUÍ
10 – Sexta-feira – UFPI
Manhã – Legalização do aborto: aspectos legais, morais, políticos sob a ótica da saúde pública
Noite – Saúde, educação e cultura.

CEARÁ
14 – Terça-feira – UFC
Manhã – Violência de gênero e exploração sexual.
Noite – Saúde, educação e cultura.

RIO GRANDE DO NORTE
17/10 – Sexta-feira – UFRN
Manhã – Saúde e sexualidade.
Noite – Saúde, educação e cultura.

PARAÍBA
21 – Terça-feira – UFPB – João Pessoa
Manhã – Lei seca, avanço ou retrocesso?
Noite – Saúde, educação e cultura.

24 – Sexta-feira – UEPB – Campina Grande
Manhã – Drogas – Legalizar ou não?
Noite – Saúde, educação e cultura

PERNAMBUCO
28 – Terça-feira – UNICAP
Manhã – Legalização do aborto: aspectos legais, morais, políticos sob a ótica da saúde pública.
Noite – Saúde, educação e cultura.

30- Quinta-feira – UFPE
Manhã – Saúde e tolerância: homofobia, lesbofobia, sexismo, racismo.
Noite – Saúde, educação e cultura.

NOVEMBRO

ALAGOAS
03 – Segunda-feira – UFAL
Manhã – Drogas – Legalizar ou não?
Noite – Saúde, educação e cultura.

SERGIPE

05 – Quarta-feira – UFS
Manhã – Legalização do aborto: aspectos legais, morais, políticos sob a ótica da saúde pública.
Noite – Saúde, educação e cultura.

BAHIA
07 – Sexta-feira – UFBA
Manhã – Saúde e tolerância: homofobia, lesbofobia, sexismo, racismo.
Noite – Saúde, educação e cultura.

11 – Terça-feira – UCSAL
Manhã – Drogas – Legalizar ou não?
Noite – Saúde, educação e cultura.

TOCANTINS
14 – Sexta-feira – UFT
Manhã – Lei seca, avanço ou retrocesso?
Noite – Saúde, educação e cultura.

GOIÁS
18 – Terça-feira – Católica de Goiás
Manhã – Saúde e Sexualidade.
Noite – Saúde, educação e cultura.

20/11 – Terça-feira – UFG
Manhã – Legalização do aborto: aspectos legais, morais, políticos sob a ótica da saúde pública.
Noite – Saúde, educação e cultura.

DISTRITO FEDERAL

27/11 – Quinta-feira – UnB – Encerramento
Saúde, educação e cultura

Ver o Ministério da Saúde financiando uma programação escandalosa dessas (e olhe que eu não destaquei as questões sobre a legalização das drogas e sobre a saúde e sexualidade, porque senão o cronograma ia ficar todo vermelho) é deprimente. Quem vê tem a impressão de que o SUS está esbanjando dinheiro, uma vez que pode direcionar parte do seu orçamento para fazer cirurgias de mutilação, parte para financiar um “passeio” Brasil afora de uma caravana com o objetivo de defender o aborto nas universidades.

Read Full Post »

Reinaldo Azevedo, hoje: protejam suas crianças do molestamento do Estado. É um texto longo, como o próprio Reinaldo diz, mas recomendo enfaticamente a leitura, para quem tiver estômago. Refere-se a um “kit” para as aulas de (des)educação sexual que o Ministério da Saúde está enviando às escolas. Não sei se a depravação está já generalizada por todo o território brasileiro ou se ainda se restringe à terra da garoa; mas as fotos exibidas pelo Reinaldo foram enviadas por uma pai de família que mora em São José do Rio Preto, no interior do Estado de São Paulo.

O tal kit contém coisas como um DIU, um diafragma, pílulas anti-concepcionais, pílula do dia seguinte, camisinha feminina e… um pênis de borracha (!), para ser usado nas aulas práticas (!) onde os alunos vão aprender a colocar a camisinha. O “público-alvo” desta educação petista são meninos e meninas de 12 ou 13 anos em diante. Não é novidade. Houve já, no ano passado, o escândalo da cartilha de educação sexual, lembrada pelo Reinaldo no texto acima linkado, e que vale a pena copiar aqui:

A cartilha sexual de Lula é destinada a jovens entre 13 (!!!) e 19 (!!!) anos, como se essa faixa etária existisse. Observem: estamos falando praticamente de uma criança e de um adulto, ambos expostos à mesma informação e, lamento dizer, estimulados a praticar sexo, inclusive entre si — o que pode até configurar crime. Tanto uns quanto outros lerão nas cartilhas entregues por Lula coisas assim:

– O beijo é como chocolate por “aguçar todos os sentidos” e “liberar endorfinas”. E tem uma vantagem: “queima calorias”, ao contrário do doce.
– Há espaço na cartilha para o estudante — de 13 a 19 anos, reitero — relatar suas “ficadas”. E o governo federal ensina que ficar compreende “beijar, namorar, sair e transar”.
– O pênis com a camisinha é chamado de “O pirata de barba negra e de um olho só [que] encontra o capuz emborrachado”. A associação entre pênis e pirata merece um estudo…
– O uso dos verbos no imperativo não deixa a menor dúvida: “Colocar o preservativo pode ser uma excelente brincadeira a dois. Sexo não é só penetração. Seduza, beije, cheire, experimente!”.

A cartilha de Lula é pornografia pura e simples. E eu não lastimo apenas o gosto estético de quem redigiu, mas também a saúde mental. Quem se dirige a crianças e adolescentes nessa linguagem tem problema. Precisa se tratar. Se algum adulto, na minha presença, referir-se a sexo, nesses termos, com as minhas filhas no ambiente, leva um tapão na orelha. Leva um pé no traseiro.

Sinceramente, isso já ultrapassa em muito todos os limites do tolerável. Estamos falando de um pênis de borracha! Como criticou muito apropriadamente o Reinaldo (que, óbvio, não publicou a foto do dito cujo), “alunos de 12, 13 anos estão sendo expostos a um “material didático” que não pode ser exibido em blogs e jornais voltados para o público adulto”. A educação dos filhos compete aos pais em primeiríssimo lugar, e só subsidiariamente ao Estado, como ensina a boa Doutrina Católica e também a Lei Natural. É óbvio ululante que esta pornografia chula ministrada em sala de aula para adolescentes de treze anos, além de ser uma agressão estatal aos direitos da Família, não pode provocar senão profundas deformações morais nos alunos. Crianças que têm contato com utensílios eróticos, que lêem material pornográfico e são incentivados a escrever neles as suas “experiências”, que são apresentadas a toda uma gama de apetrechos contraceptivos e abortivos (como o DIU ou a pílula do dia seguinte), que podem pegá-los gratuitamente e por si próprias nos postos de saúde (ou nas “máquinas de camisinhas” das escolas), que fazem “aulas práticas” nas salas de aula para aprenderem a sua utilização, tudo isso no clima da mais absoluta normalidade e não raro à revelia da sua família… que espécie de jovens irão se tornar? Será que é preciso ser psicótico ou neurótico, ou ultra-conservador e reacionário, ou alienado fundamentalista, ou estar vendo chifre em cabeça de cavalo, para perceber que tal processo não pode produzir senão monstros?

Evocam tanto a laicidade do Estado para retirar dos espaços públicos quaisquer referências a Deus ou à religião, sob o (furado) pretexto de que a exposição de um certo conjunto de crenças pode ferir as susceptibilidades das pessoas que não lhe são adeptas; mas e quanto a esta palhaçada pornográfica? Ela ofende, se não todas, uma parte sem dúvidas muito considerável das religiões existentes! Por que, quando se trata de impôr a depravação moral nas escolas públicas, o governo não se preocupa com a pluridade religiosa e a diversidade cultural do povo brasileiro – ao contrário, as desrespeita frontalmente? O Estado está firmemente empenhado em impôr a sua própria “moral” aos seus cidadãos, numa clara extrapolação das suas funções e num flagrante desrespeito ao seu povo. Colocam-se mil dificuldades para o ensino do Catecismo nas escolas; mas, para ensinar o anti-catecismo, o Partido é rápido e eficaz, e não aceita nenhuma discordância! Por acaso isto é governo? Isto é educação? Isto é respeito? Quanta patifaria!

Read Full Post »

Eu já havia comentado aqui uma decisão absurda do Ministério da Saúde de oferecer cirurgias de mudança de sexo gratuitamente pelo SUS. Todavia, até então havia somente o anúncio; somente hoje a medida foi publicada no Diário Oficial da União. Os primeiros tentáculos do Governo serão cinco hospitais universitários, um em cada região do país.

Contudo, a desgraça ainda não está totalmente consumada, porque G1 explica que duas portarias ainda precisam ser publicadas:

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério da Saúde, a publicação da primeira portaria, nesta terça-feira, não define a execução das cirurgias em si. Ainda falta a publicação de uma segunda portaria , que vai estabelecer os critérios do procedimento transexualizador. Para finalizar o trâmite oficial, a terceira portaria vai indicar os locais de referência onde serão feitas as cirurgias.

A portaria (tosquíssima), tal como foi publicada no Diário Oficial, está em anexo.

O Maria, Virgo Purissima,
ora pro nobis!

* * *

Anexo: Diário Oficial da União, Nº 159, terça-feira, 19 de agosto de 2008.

Ministério da Saúde

GABINETE DO MINISTRO

PORTARIA No- 1.707, DE 18 DE AGOSTO DE 2008

Institui, no âmbito do Sistema Único de
Saúde (SUS), o Processo Transexualizador,
a ser implantado nas unidades federadas,
respeitadas as competências das três esferas
de gestão.

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das suas atribuições, que lhe confere os incisos I e II do parágrafo único do artigo 87 da Constituição e,

Considerando que a orientação sexual e a identidade de gênero são fatores reconhecidos pelo Ministério da Saúde como determinantes e condicionantes da situação de saúde, não apenas por implicarem práticas sexuais e sociais específicas, mas também por expor a população GLBTT (Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais) a agravos decorrentes do estigma, dos processos discriminatórios e de exclusão que violam seus direitos humanos, dentre os quais os direitos à saúde, à dignidade, à não discriminação, à autonomia e ao livre desenvolvimento da personalidade;

Considerando que a Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde, instituída pela Portaria nº 675/GM, de 31 de março de 2006, menciona, explicitamente, o direito ao atendimento humanizado e livre de discriminação por orientação sexual e identidade de gênero a todos os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS);

Considerando que o transexualismo trata-se de um desejo de viver e ser aceito na condição de enquanto pessoa do sexo oposto, que em geral vem acompanhado de um mal-estar ou de sentimento de inadaptação por referência a seu próprio sexo anatômico, situações estas que devem ser abordadas dentro da integralidade da atenção à saúde preconizada e a ser prestada pelo SUS;

Considerando a Resolução nº 1.652, de 6 de novembro de 2002, do Conselho Federal de Medicina, que dispõe sobre a cirurgia do transgenitalismo;

Considerando a necessidade de regulamentação dos procedimentos de transgenitalização no SUS;

Considerando a necessidade de se estabelecerem as bases para as indicações, organização da rede assistencial, regulação do acesso, controle, avaliação e auditoria do processo transexualizador no SUS, e

Considerando a pactuação ocorrida na Reunião da Comissão Intergestores Tripartite – CIT do dia 31 de julho de 2008, resolve:

Art. 1º Instituir, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), o Processo Transexualizador a ser empreendido em serviços de referência devidamente habilitados à atenção integral à saúde aos indivíduos que dele necessitem, observadas as condições estabelecidas na Resolução nº 1.652, de 6 de novembro de 2002, expedida pelo Conselho Federal de Medicina.

Art. 2º Estabelecer que sejam organizadas e implantadas, de forma articulada entre o Ministério da Saúde, as Secretarias de Saúde dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, as ações para o Processo Transexualizador no âmbito do SUS, permitindo:
I – a integralidade da atenção, não restringindo nem centralizando a meta terapêutica no procedimento cirúrgico de transgenitalização e de demais intervenções somáticas aparentes ou inaparentes;
II – a humanização da atenção, promovendo um atendimento livre de discriminação, inclusive pela sensibilização dos trabalhadores e dos demais usuários do estabelecimento de saúde para o respeito às diferenças e à dignidade humana;
III – a fomentação, a coordenação a e execução de projetos estratégicos que visem ao estudo de eficácia, efetividade, custo/benefício e qualidade do processo transexualizador; e
IV – a capacitação, a manutenção e a educação permanente das equipes de saúde em todo o âmbito da atenção, enfocando a promoção da saúde, da primária à quaternária, e interessando os pólos de educação permanente em saúde.

Art. 3º Determinar à Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde – SAS/MS que, isoladamente ou em conjunto com outras áreas e agências vinculadas ao Ministério da Saúde, adote as providências necessárias à plena estruturação e implantação do Processo Transexualizador no SUS, definindo os critérios mínimos para o funcionamento, o monitoramento e a avaliação dos serviços.

Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

JOSÉ GOMES TEMPORÃO

Read Full Post »