Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘mídia’

[Esta eu vi no ORKUT e é divertidíssima; seria cômico, se não fosse trágico. Às vezes, uma dose de bom humor é necessária a fim de chamar a atenção para algum problema que, quando caricaturizado, nota-se com mais facilidade. A nossa situação litúrgica é tão triste e estamos tão acostumados com ela que, muitas vezes, nem percebemos a dimensão do estrago; esforcemo-nos por oferecer uma sólida e verdadeira catequese litúrgica, porque eu também estou convencido de que da restauração da Liturgia depende a salvação do mundo.]

Padre é flagrado celebrando a Missa da forma certa

Um padre católico, fiel ao seu ministério, foi flagrado celebrando a Missa conforme as Instruções promulgadas pelo Papa Paulo VI. O Padre celebrou a Missa, a qual ele chamava de Santa, sem impor nenhuma novidade ou idéia própria que podesse tornar a Missa mais atrativa.

A Missa foi celebrada na posição Ad Orientem, ou seja, o Padre, em certos momentos da Celebração Liturgica, fica voltado ao oriente. Além desta posição, que nunca fora abolida pela Igreja, o Sacerdote ainda arriscou a desagradar seus fiéis fazendo a maior parte das orações da Santa Missa em latim, que segundo ele é a lingua oficial da Igreja Católica e deve ser mantida e merece ser mais conhecida pelo povo católico.

Na Homilia, o antigo sermão, o Padre ainda convidou os fiéis a se manterem fiéis a Igreja e a Cristo, em tempos em que negam as virudes cristãs, os Católicos precisariam ser um sinal de contradição, num mundo tão volatil pela falta de valores, de verdade, de fé e de esperança.

===

Claro que esta notícia ai em cima não saiu em jornal nenhum… é só para ver que basta ser um mau sacerdote [nota: originalmente, que basta se rum la sacerdote] que a midia está lá, firme e forte para divulgar o ordenado rebelar-se contra aquilo que ele mesmo propos seguir e zelar. Padre deputado defende camisinha, Padre vai ao terreiro de macumba, Padre diz que vai casar e vai continuar celebrando missa, etc…

Sabemos que não é maioria, mas a minoria barulhenta que pensa que consegue que irá nos fazer desanimar. Sabemos que a grande maioria é fiel a sua vocação e por eles e pelos não obedientes também que devemos orar… os fiéis para terem forças de enfrentarem todos os obstáculos colocados pela modernidade frente a sua missão sacerdotal e pelos desobedientes que se convertam, que reconheçam a sua verdadeira dignidade frente a Deus e ao seu povo.

Anúncios

Read Full Post »

O show da mídia

Existem certas coisas estranhas nos brasileiros. Lembro-me de que, antes do trágico desfecho do seqüestro da garota de Santo André, eu escrevi alguma coisa aqui sobre egoísmo e caridade citando, como exemplo, o crime (à época, ainda em curso). Após a tragédia, a comoção nacional e o show da mídia, entendi que eu não tinha nada a acrescentar e resolvi ficar calado.

Rompo o silêncio agora, de maneira breve, por causa de um fenômeno curioso que identifiquei nos últimos dias: a (invejável) mobilização de pessoas que a mídia é capaz de provocar! Como é possível que a comunidade “Eloá e Nayara ♥ Justiça”, do orkut, consiga ter mais de 540.000 membros? Participo há anos de algumas comunidades que (p.ex., a “Católicos”) que ainda não chegaram aos 100.000. É certo que o escopo das duas comunidades é diferente, mas nós estamos falando de meio milhão de pessoas, em menos de um mês, só no orkut – é muita gente!

O que leva tanta gente a se unir em torno de uma causa? Por que nós não conseguimos, p.ex., meio milhão de assinaturas contra o aborto, se o número de brasileiros que é contrário ao assassinato de seus concidadãos é bem maior do que isto? Só posso acreditar que é o fator emoção, deliberadamente alimentado pela cobertura que a mídia faz da tragédia; afinal, na Rede Globo não passa O Grito Silencioso

Às vezes, tenho a [injusta, forçoso reconhecer, porque há honrosas exceções] sensação de que o Quarto Poder só faz besteiras. No caso concreto do assassinato da menina, p.ex., eu consigo ver pelo menos dois problemas muito sérios: o primeiro – e o mais evidente – é o fato incontestável de que os holofotes atrapalham o trabalho dos policiais. Sim, eu acredito na existência de policiais sérios (como pareciam ser os que estavam responsáveis pelo seqüestro), e acho profundamente injusto falar em uma tragédia de incompetência. Se houve incompetência, foi precisamente da mídia, porque é um absurdo permitir candidamente que a tensão natural de uma situação como um seqüestro seja elevada à n-ésima potência por meio da ampla divulgação em cadeia nacional de todos os detalhes do caso ainda em andamento. Estou sinceramente convencido de que o desfecho poderia ter sido completamente diferente se os envolvidos no caso pudessem fazer o que estavam fazendo em paz.

O segundo problema, enxerga-se na comunidade de orkut com meio milhão de internautas. Estes casos esporádicos terminam por servir como uma espécie de “válvula de escape” para a população brasileira, atônita diante do caos no qual a sociedade está imersa; então eles vão ao velório, comentam o assunto no trabalho ou na faculdade, entram na comunidade do orkut que pede justiça, e pronto. Tranquilizam-se, e nada muda, até o próximo escândalo e a próxima vítima indefesa que provoque a indignação dos brasileiros. As cenas comotivas mostradas na TV e nos jornais, desde o “acompanhamento” da operação até o velório, dão a impressão de que alguma coisa está sendo feita quando não está.

A cortina de fumaça montada pelo Quarto Poder impede as pessoas de verem que morrem muito mais “eloás” do que as que saem na televisão – só que a esmagadora maioria delas não tem nome e não tem glamour – e ninguém se importa nem com elas, nem com as verdadeiras causas do problema. A imprensa, que poderia ser uma coisa muito boa, mau utilizada no Brasil, puxa o país para cada vez mais fundo no buraco.

Read Full Post »

Uma bela mensagem sob um título malicioso: Papa admite mais flexibilidade em relação à admissão dos fiéis aos sacramentos. A malícia está no fato de que o único “rigor” existente em relação à administração dos sacramentos é a exigência de uma vida moral reta, o que exclui, p.ex., casais em segunda união do Banquete Eucarístico. Falar em “flexibilidade” daria, então, a entender que o Papa estaria “relaxando” a prática da Igreja e “liberando geral”, como há tantos que o desejam hoje em dia.

Não fui eu o único a pensar assim. A mesma notícia reproduzida em G1 (aliás, o título ficou muito estranho; “Papa explica como enfrentar sofrimento e sacramentos” passa a impressão de que os sacramentos estão sendo “enfrentados”, e não “explicados” como é o correto) apressou-se em declarar:

O porta-voz esclareceu que, sobre este tema, Bento XVI não fez referência à questão da comunhão para os divorciados, que, segundo as normas da Igreja, não podem recebê-la, pois são considerados pecadores.

À exceção da terminologia inadequada (não é porque “são considerados pecadores” simpliciter, e sim “porque o seu estado e condição de vida contradizem objectivamente aquela união de amor entre Cristo e a Igreja que é significada e realizada na Eucaristia” – Sacramentum Caritatis 29), ao menos agiu com honestidade a agência de notícias e não procurou distorcer as palavras do Santo Padre.

Muito bonita e digna de destaque a resposta do Papa, quando foi questionado sobre o sofrimento:

Na segunda parte do pontificado, João Paulo II foi o testemunho verdadeiro de como carregar a cruz; neste mundo do activismo, do jovem e do belo, a mensagem do sofrimento e da paixão tem um valor particular. (…) A presença de Cristo no sofrimento é um ensinamento fundamental do cristianismo. Aceitar o sofrimento é uma dimensão da humanidade.
[Bento XVI]

Sim, o sofrimento é uma dimensão humana que foi glorificada na Cruz do Calvário! Por meio do sofrimento, é-nos possível assemelhar-nos ao Homem das Dores. Ah, consolo tão sublime e tão ignorado em nosso mundo hedonista!

Sugestão de leitura: Salvifici Doloris, de João Paulo II.

Read Full Post »