Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘lygia pereira’

– No Brasil: o número de abortos “com amparo legal” cresceu 43%. Vale salientar que não existe aborto com amparo legal, como (entre outras pessoas) o padre Lodi já mostrou muito bem. O que existe é o assassinato ilegal e imoral de crianças sendo praticado graças aos impostos pagos pelos cidadãos de bem e à sanha assassina do Ministro da Saúde et caterva. Rezemos pelo Brasil, a fim de que Deus tenha misericórdia e o sangue de inocentes derramado nesta Terra de Santa Cruz não atraia a justa ira do Todo-Poderoso.

– No mundo: Estados Unidos aprovam testes de CTEHs em humanos. A FDA autorizou que uma empresa na Califórnia fizesse testes (que devem começar “ainda no verão deste ano”) com dez pacientes, dos quais oito estão completamente paralisados. É estranho, porque há bem pouco tempo – em outubro do ano passado – a agência reguladora norte-americana havia recusado estes testes clínicos

A sra. Lygia Pereira, que encabeça o assassínio de embriões humanos tupiniquim, havia dito em setembro último: “agora já acho que no ano que vem teremos o primeiro teste clínico com células-tronco embrionárias no mundo”. Infelizmente, parece que a pesquisadora vai acertar no seu palpite. Que Deus tenha piedade dos Estados Unidos.

– Não sei se todos já leram o padre Lodi: cadeia para as mulheres que fazem aborto? Vale muito a pena, e é crucial que entendamos muito bem o jogo dos abortistas, nestes tempos em que a vida humana é tão atacada e o Governo Brasileiro está tão diligentemente empenhado na implantação, per fas et per nefas, a ferro e a fogo, do assassinato de crianças no Brasil. Que Nossa Senhora da Conceição Aparecida livre esta Terra de Santa Cruz da maldição do aborto.

Anúncios

Read Full Post »

Todos os dias surgem na mídia nacional notícias referentes ao estado das pesquisas com células-tronco no Brasil, quer adultas, quer embrionárias. As primeiras, trazem sempre resultados terapêuticos ou, quando menos, perspectivas alcançáveis e bem definidas; as segundas, trazem sempre apenas promessas e utopias.

Segundo notícia de hoje da Folha de São Paulo, será realizado um estudo de uma terapia com células-tronco adultas, obtidas de tecido adiposo, com pacientes humanos, por dois institutos (Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, em parceria com o Instituto Ludwig) em São Paulo. Conforme explica a matéria,

[o] estudo envolverá 200 pacientes entre 40 e 75 anos que necessitam passar por uma cirurgia de revascularização do músculo cardíaco (ponte de safena), em razão de lesões nas coronárias e de um enfraquecimento do músculo do coração.

Metade do grupo fará apenas a cirurgia tradicional e a outra metade receberá uma injeção de célula-tronco no músculo cardíaco. Por meio de uma cânula semelhante à usada na lipoaspiração, é feita a punção de 100 ml de gordura da barriga do paciente (…).

[…]

“A intenção é que essa célula-tronco se transforme em vasos sangüíneos e, principalmente, em células cardíacas, o que aumentaria a força do batimento na parede [do coração] que estava parada”, diz o cardiologista Marcelo Sampaio, responsável pelo Laboratório de Biologia Molecular do Dante.

Enquanto os resultados obtidos no mundo inteiro com as células-tronco adultas são mais do que evidentes – “[a] previsão é de que, em seis meses, sejam obtidos os primeiros resultados do estudo”, diz a citada reportagem da FOLHA -, é de se lamentar que uma parte dos 30 milhões reservados para o financiamento dessas pesquisas no Brasil venha a ser desperdiçado na destruição de embriões humanos; e o mais aterrador é não conseguir mensurar quantas vidas ainda serão ceifadas, quanto dinheiro ainda será gasto, quanto tempo ainda terão que esperar os doentes, por causa da teimosia de Mayanas e Lygias.

Read Full Post »

Primeiro, o número de brasileiros imolados no altar da Ciência Moderna é desconhecido. Trinta e cinco foi o número originalmente divulgado, mas as pessoas disseram ter ouvido outros números nos telejornais. G1 fala em “pouco mais de trinta” e a VEJA (aqui em segunda mão) fala em 308 embriões doados, dos quais 36 transformaram-se em blastocistos. A triste verdade é que ninguém se importa com este número, no meio da euforia pseudo-científica corrente. Tenha Deus misericórdia de nós todos.

Segundo, a dra. Lygia Pereira, em entrevista concedida à Folha de São Paulo, disse que o objetivo agora “é produzir essas células em grande escala”, e que “no ano que vem, será feito [nos EUA] o primeiro teste para lesões na medula”. Para mim, é novidade; ainda recentemente, saiu que a FDA havia recusado testes clínicos com CTEHs. A médica brasileira tem pressa. E dar com os burros n’água “em galope” pode ser trágico.

Read Full Post »

Foi noticiado ontem que as primeiras células-tronco embrionárias brasileiras foram desenvolvidas pela USP. O grupo da dra. Lygia Pereira – cuja “pesquisa continuou sendo desenvolvida enquanto a ilegalidade do uso de células embrionárias era discutida” com financiamento estatal – somente há três meses conseguiu produzir a primeira linhagem de células-tronco embrionárias. A notícia afirma ainda que as células obtidas “são pluripotentes, ou seja, têm capacidade de se tornar diferentes tipos de células”.

Bom, o que dizer? Antes do mais, considero no mínimo irresponsável que o governo tenha financiado uma pesquisa antes que fosse decidido se ela era legal ou não. Claro que, vindo do PT, não é nenhuma novidade, pois o governo que financia o que é manifestamente crime (como o aborto) certamente não teria escrúpulos nenhum em financiar o que ainda se estava discutindo se era ou não crime; mas não consigo evitar o incômodo que me causa a sensação de que o Governo, ao decidir pela continuidade das pesquisas, estava em parte legislando em causa própria devido aos investimentos que nelas vinha fazendo [*].

Depois, é digno ainda de nota o que foi publicado na UOL, sobre as células obtidas serem pluripotentes. Confesso que não entendi nada; “pluripotentes” não são exatamente as células-tronco adultas, sendo a grande alegada vantagem das embrionárias o fato de elas serem “totipotentes”? O alardeado grande resultado da destruição de embriões humanos é a produção de linhagens de células que poderiam ser obtidas a partir de células-tronco adultas, é isso mesmo? Claro está que a questão é de princípio e, por conseguinte, ainda que as células-tronco embrionárias fossem a cura da AIDS, a sua utilização não seria moralmente aceitável; no entanto, acho desonesto alardear um “avanço científico” sem deixar claro que o “avanço” não foi o originalmente alegado [*].

Não resisto ainda a um comentário, que ilustra bem a futilidade do júbilo pseudo-científico vigente; a dra. Lygia fez questão de frisar que nós estamos “dez anos atrasados”, pois as primeiras linhagens de CTEHs surgiram nos Estados Unidos em 1998. No entanto, nem um único resultado terapêutico foi obtido desde então e, por conseguinte, o Brasil está na contramão do verdadeiro desenvolvimento científico, comemorando o ingresso em uma área que só acumulou até agora dez anos de fracassos, sobre uma montanha de incontáveis pequenos cadáveres humanos, à qual a USP fez o favor de acrescentar trinta e cinco (o número de embriões destruídos pelo grupo de pesquisa da dra. Lygia): eis a lúgubre realidade.

Enquanto isso, a Nature publica que um grupo de pesquisadores americanos conseguiu obter células-tronco pluripotentes induzidas (iPS) seguras, por meio de uma nova técnica que se mostrou bastante promissora nos testes realizados em animais, e que a obtenção de iPS para uso em humanos é apenas “uma questão de tempo”. E as iPS não completaram nem um ano ainda! Quanto sangue precisará ser derramado nos laboratórios, em busca de uma quimera imoral, às custas de seres humanos cujo grito silencioso ninguém pode ouvir, até que as pessoas recobrem o bom senso?

Read Full Post »