Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘frei betto’

Mais coisas para comentar do que eu tenho tempo para fazê-lo…

– Apenas para fins de registro, o Frei Betto – para variar – escreveu mais uma vez contra a Igreja. Vejam que palavras dignas de um religioso: “Comparo a atitude do arcebispo de Olinda e Recife com a de Jesus diante da mulher adúltera… Que diferença! Jesus foi capaz de compreender, perdoar, acolher. Os médicos agiram corretamente, para salvar a vida da menina e evitar o risco de três mortes”. A ubiqüidade na repetição da besteira faz-nos pensar que é orquestrado; os ataques que chegam de todos os lados – de todos os inimigos da Igreja – evidenciam que estamos do lado certo do campo de batalha. Não podemos desanimar!

– É um pouco antiga – novembro de 2008 – mas um amigo trouxe à baila, numa lista de emails da qual participo, esta matéria sobre Oxum na Santa Missa. Aproveito para trazer aqui porque é um excelente exemplo daquilo sobre o que eu falava ontem, sobre a colocação de lixo no lugar das coisas sagradas: esta obsessão em profanar tudo o que é católico parece uma sanha satânica. Mente – sim, mente descaradamente – o padre Toninho quando diz que “as missas inculturadas e, especialmente, a missa afro, são expressões legítimas de elementos das culturas africanas na celebração da Eucaristia”. Aqui tem fotos de uma missa afro. Aqui e aqui tem vídeos de missas afro. E qualquer pessoa que tenha um mínimo de senso católico percebe que há alguma coisa errada aí; percebe que essas coisas são no mínimo inadmissíveis e, no máximo, blasfemas e sacrílegas.

– Um movimento gay de Pernambuco – os “Leões do Norte” – avisaram que iriam malhar um boneco de Dom José Cardoso nas ruas do centro da cidade na sexta-feira. Fizeram-no, e a matéria com algumas fotos foi publicada no blog do Jamildo. O presidente da ONG afirmou que “Dom José representa perigo para a sociedade. Foi imprudente porque colocou a vida de uma menina de 9 anos em risco. Para ele, o estupro não tem importância”. Interessante, né? Dona Terezinha percebeu

Alguns judeus são contra acordos diplomáticos com a Santa Sé. “A seis semanas da visita do Papa Bento XVI à Terra Santa, religiosos judeus fundamentalistas fazem pressão para que o governo israelense não faça concessões diplomáticas à Santa Sé sobre a questão dos impostos sobre os bens da Igreja”. Ah, esses nossos irmãos mais velhos…

– Também é um pouco antiga [25 de março], mas eu só vi agora. Depois das audiências públicas sobre células-tronco embrionárias e anencéfalos, parece que a moda pegou: a CSSF vai realizar uma audiência pública sobre a eutanásia. No entanto, desta vez quem a propôs foi o deputado Dr. Talmir (PV-SP), autor de um projeto de lei que torna a eutanásia crime hediondo. A data da audiência ainda não foi marcada.

Anúncios

Read Full Post »

Foi criada a CPI do aborto! De acordo com a notícia veiculada por G1, o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, assinou terça-feira (08) a criação da CPI que “investigará o comércio de substâncias abortivas e a prática de aborto”. Já não era sem tempo;  desde fevereiro que se fala nisso. Rezemos para que o crime seja combatido, e o assassinato de crianças inocentes não seja tratado pela sociedade com indiferença e impunidade.

No Senado, o sen. Gerson Camata “criticou em Plenário a edição de uma cartilha, pelo Ministério da Saúde, intitulada “O álcool e outras drogas alteram seus sentidos, mas não afetam seus direitos no serviço de saúde”, com orientações para o consumo de maconha, crack, cocaína e ecstasy”. A política criminosa de “redução de danos” está ganhando força no Brasil; questiona o senador – muito apropriadamente – “se é lícito usar dinheiro público para ensinar a usar cocaína, crack, maconha”. Um mínimo de bom senso e uma lufada de ar fresco contra os descalabros feitos pelo Ministério do Ataúde – que, ao parecer, só se preocupa em gastar dinheiro financiando  caravanas abortistas Brasil afora, incentivando a depravação das crianças nas escolas públicas, custeando cirurgias mutiladoras para “transexuais” e, agora, ensinando os cidadãos a usarem drogas, enquanto o povo brasileiro sofre com o precário serviço de saúde oferecido pelo Governo.

Frei Betto traz uma “nova versão” do Pai Nosso; ele deve pensar que Nosso Senhor não teve competência para ensinar os discípulos a rezarem como devia, ou deve ter se esquecido daquela passagem bíblica onde Jesus fala que as Suas palavras não passarão jamais. A caricatura blasfema da oração dos filhos de Deus só revela o quanto está perdido o frade (?) dominicano. Que Deus tenha misericórdia dele.

– Ainda falando em blasfêmia, rezemos fortemente em desagravo pelo que fizeram no México: uma modelo como a Virgem Maria na capa da Playboy (!!!). Nem encontro palavras para exprimir o horror diante do horrendo sacrilégio. Que Nosso Senhor tenha misericórdia de nós todos, e a Virgem Santíssima possa aplacar a ira do Todo-Poderoso.

– O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez – que vetou recentemente a lei pró-aborto aprovada pelo Senado do seu país – desvinculou-se do partido socialista ao qual pertencia. Parabéns, mais uma vez, ao político que mostra coerência de vida e intransigência nos valores fundamentais. Aqui, no Brasil, quantas pessoas seriam capazes de fazer isso? Quantos “católicos” vivem em promíscua relação com o partido abortista que hoje governa o país?

O calendário do Vaticano que mostrava algumas fotos de jovens e bonitos padres, e que provocou uma enorme discussão em diversos lugares da internet uns dias atrás, era um hoax! De acordo com este site, eram modelos vestidos de padres, e não sacerdotes verdadeiros. Graças a Deus.

Read Full Post »

Há um blog de um garoto chamado “Leandro Hubo” (acho que é esse o sobrenome, a julgar pela url do site), que parece ter alguma relação com a Pastoral da Juventude. Não é um blog “da Pastoral” e não sei dizer nem mesmo se o tal Leandro tem alguma função dentro da PJ em Mato Grosso; no entanto, é um escândalo que, desde 23 de maio de 2007 (portanto, há mais de um ano), um texto anti-católico do Frei Betto defendendo o aborto esteja publicado no tal blog.

A “juventude pejoteira” aparentemente não está nem aí para o aborto, porque a busca por esta palavra no BLOG só retorna dois artigos: o do Frei Betto e um comunicado da Conferência do CELAM do ano passado, em Aparecida. Quando tanta coisa precisaria ser dita sobre o tema, é lamentável que um blog “católico”, que se apresenta como se tivesse alguma ligação com uma pastoral da CNBB, publique um texto que contraria frontalmente a posição da Igreja em um tema de tão capital importância.

No site oficial da Pastoral da Juventude não se encontra nenhum texto favorável ao aborto. Nem contrário. Um silêncio sepulcral sobre um dos temas mais dolorosos dos nossos dias; para usar uma expressão cara aos esquerdistas, estes jovens (se jovens há responsáveis pelo site) estão completamente alienados! Afinal, para que serve este site? Para a publicação de textos do Marcelo Barros? Cabe perguntar: a PJ concorda com o Leandro e com o frei Betto?

Para terminar, voltando ao BLOG, eis o excremento teológico que o frei Betto é capaz de proferir:

Sob a ótica cristã a dignidade de um ser não deriva daquilo que ele é e sim do que pode vir a ser. (Frei Betto, in “Aborto: por uma legislação em defesa da vida”)

Quanto lixo, quanto cinismo, quanta porcaria!

Read Full Post »

5 – O dia em que a prefeita não pôde comungar & “Colocá-lo após dom Hélder foi uma grande burrice”

Desta vez, nem é necessário falar muito. Os próprios artigos do JC redundam em elogios ao Arcebispo, pelo fato de que atacar um vício é enaltecer a virtude oposta. Ao “condenarem” Dom José Cardoso por ele fazer coisas que um Bispo Católico poderia e deveria fazer, isso é motivo de honra para Sua Excelência e de júbilo para os católicos verdadeiros.

Por exemplo, quando foi dito à prefeita comunista de Olinda que ela não poderia comungar. É claro que ela não pode, por ser comunista, dado que a comunhão é para os católicos e ninguém pode ser comunista e católico ao mesmo tempo. E não se trata de pecado oculto, senão de manifesto – posto que a opção política da prefeita de Olinda é pública – de modo que a comunhão pode e deve ser negada. O jornal chama isso de gesto pequeno e (…) uso da autoridade para fazer valer a sua vontade; mas os católicos sabem que se trata de um gesto eloqüente de fidelidade à missão de Pastor. Aplausos para Dom José!

O mesmo no que se refere à igreja das Fronteiras. Pouco importa se ela é símbolo maior do arcebispado de Dom Hélder ou não; o fato é que ela pertence à paróquia da Soledade e procurar conhecer os seus fiéis é uma prescrição feita ao pároco pelo Direito Canônico (cf. CIC 529 §1), sendo a coisa mais natural do mundo que o novo pároco da Soledade fosse até a igreja das Fronteiras. Aliás, o antigo pároco, quando soube do afastamento, fez um escândalo e, na homilia, garantiu que, se pudesse, dava uma surra no bispo e ameaçou voltar para a comunidade (…) quando dom José (…) se aposentar… isto poderia explicar porque o grupo de leigos das Fronteiras marcou posição e botou o padre para correr. Apesar das semelhanças, padre Renaldo – ao contrário do que eu supus a princípio – não era o responsável de facto pela igreja das Fronteiras (embora, por ser o pároco, fosse-o de direito). Mas, pelas atitudes das ovelhas, é possível imaginar o que elas estão aprendendo do pastor. Lamentável.

Por fim, o jornal tenta ridicularizar o arcebispo expondo um acidente que ele sofreu, [n]o enterro de dom Francisco Austregésilo, bispo emérito de Afogados da Ingazeira. Na versão impressa do jornal, há até uma foto! Qual é a relevância desta informação, ainda publicada com os gracejos do articulista? Expôr o Arcebispo ao ridículo, somente. Quando não há mais o que se falar, a zombaria pura e simples é o artifício do qual lança mão o JC…

A seguir, uma entrevista com Frei Betto! Estranho seria se este projeto de religioso que envergonha São Domingos estivesse de acordo com o Arcebispo! A divergência é mais uma vez eloqüente: para os católicos verdadeiros, é mais um indício de que quem está com a razão é Dom José Cardoso. Afinal, frei Betto, só nesta entrevista, diz as seguintes pérolas:

Dom José é reflexo de uma profunda vaticanização que tem ocorrido no episcopado brasileiro.

Eu acho criminoso você hoje ser contra o preservativo, você facilitar a disseminação de um vírus mortal e que não tem cura como o HIV. E querer impor uma atitude moral que é muito própria da Igreja Católica, mas não é conveniente para o conjunto da sociedade.

Deus não tem religião e a obra dele vai continuar, seja com a Igreja Católica ou seja sem ela.

Não há necessidade de se fazer mais comentários. Só registro, por fim, uma confissão de frei Betto: perguntado pelo repórter se o sucessor de Dom José pode dar ao arcebispado a cara de dom Hélder, responde o “religioso”: [s]e houver suficiente pressão dos leigos e padres, talvez. É impressão minha, ou a imprensa recifense – o Jornal do Commercio, em particular – está justamente a serviço dessa “pressão” que deseja, para Olinda e Recife, uma igreja diferente da Igreja Católica?

* * *

Anexo 1 – .O adeus do arcebispo

O dia em que a prefeita não pôde comungar
Publicado em 04.07.2008

Dom José está acostumado com as manchetes de jornais. Suas polêmicas ganharam destaque e repercussão na imprensa ao longo desses 23 anos. Alguns episódios, no entanto, foram mantidos em sigilo pelas pessoas atingidas para evitar ainda mais desgastes. O JC conta agora duas histórias que revelam muito da personalidade do frade carmelita. O primeiro é o caso do arcebispo e a prefeita comunista. O segundo, a tentativa de tomada do reduto de dom Hélder: a Igreja das Fronteiras. Em comum, o gesto pequeno e o uso da autoridade para fazer valer a sua vontade.Novembro de 2004. Procissão de São Salvador do Mundo, padroeiro de Olinda. Como fazia há anos, a prefeita Luciana Santos acompanhava a missa em homenagem ao santo. Estava num banco da igreja, quando um emissário do arcebispo de dom José Cardoso, chegou junto e cochichou ao seu ouvido. Trazia um recado constrangedor. Ela não deveria entrar na fila de comunhão. Por ser comunista, não acreditava em Deus e não tinha o direito de receber o corpo de Cristo. Véspera de eleição, Luciana, candidata à reeleição, preferiu não criar caso. Não entrou na fila para comungar, nem falou nada para a imprensa. Assistiu ao restante da missa e foi embora.

Quando chegou ao Recife, dom Hélder não quis a suntuosidade do Palácio dos Manguinhos para fazer sua morada. Preferiu a simplicidade da Igreja das Fronteiras, na Boa Vista. Pois foi esse lugar, símbolo maior do arcebispado de dom Hélder, que dom José quis tomar no ano passado. Quando tirou o padre da Igreja da Soledade e colocou em seu lugar um jovem recém-ordenado, ele enviou o novo pároco para conversar com os leigos que tomavam conta das Fronteiras. Como a igreja faz parte da paróquia da Soledade, o padre chegou dizendo que queria conhecer suas ovelhas e que a partir dali passaria a celebrar as missas na igreja de dom Hélder. O grupo marcou posição e botou o padre para correr. E até hoje as missas são celebradas pelo padre João Pubben, o mesmo que nos últimos de dom Hélder ajudou o arcebispo a abençoar seu rebanho.

Em outubro de 2006, no Sertão, foi a vez do próprio dom José Cardoso passar por uma situação delicada. Só que a presença de fotógrafos impediu que o fato fosse esquecido pela história. No enterro de dom Francisco Austregésilo, bispo emérito de Afogados da Ingazeira, dom José caiu na sepultura, depois de tropeçar num batente. E precisou de ajuda para sair do buraco.

Anexo 2 – O. adeus do arcebispo

ENTREVISTA » FREI BETTO
“Colocá-lo após dom Hélder foi uma grande burrice”
Publicado em 04.07.2008

[O] escritor Frei Betto diz que a Igreja precisa se penitenciar. Admitir que errou e que foi um retrocesso ter colocado um homem como dom José Cardoso numa arquidiocese como a de Olinda e Recife. E avisa: se a Santa Sé continuar defendendo um pensamento anacrônico, vai perder ainda mais fiéis.

JC – Dom José é criticado pelo desmonte que promoveu na arquidiocese. Mas suas ações representam o pensamento cada vez mais conservador da Igreja de Roma. Há como avaliá-lo sem analisar os rumos que a Igreja tomou?FREI BETTO – Não. Dom José é reflexo de uma profunda vaticanização que tem ocorrido no episcopado brasileiro. Do ponto de vista mais específico da Arquidiocese de Olinda e Recife, foi um grande equívoco, depois de um dom Hélder, colocar ali um homem que é a negação de tudo que dom Hélder representou e realizou. Analisando por um olhar de marketing, foi uma grande burrice. Porque não dá continuidade a uma obra. A Igreja fica se queixando do avanço das outras igrejas neopentecostais. Mas, antes de criticar, deveria se penitenciar do seu recuo, do seu retrocesso, quando nomeia um homem como dom José para ficar à frente de uma arquidiocese que foi encabeçada por um dom Hélder Câmara por tantos anos.

JC – A perseguição a padres foi uma das marcas do arcebispado de dom José. Como falar em perdão e tolerância numa Igreja que pune e não respeita as diferenças de visão pastoral?

FREI BETTO – É uma boa pergunta para ser feita a ele. Não sei se ele fará essa penitência. Não é compatível com o evangelho novo exercer uma função pastoral na base da perseguição, da injustiça, e até mandando a polícia para situações que poderiam ser resolvidas pelo diálogo, sobretudo considerando que os sacerdotes são filhos da Igreja e não inimigos. Mesmo que eles não estejam de acordo com seus pastores.

JC – Uma das últimas polêmicas de dom José foi se posicionar contra a distribuição de camisinha no Carnaval deste ano. Como manter um discurso conservador no momento em que questões como aids, gravidez precoce e célula-tronco são tão urgentes para a sociedade?

FREI BETTO – Eu acho criminoso você hoje ser contra o preservativo, você facilitar a disseminação de um vírus mortal e que não tem cura como o HIV. E querer impor uma atitude moral que é muito própria da Igreja Católica, mas não é conveniente para o conjunto da sociedade. Então eu acho que realmente é outro anacronismo que precisa ser vencido.

JC – Qual o futuro da Igreja no Brasil, um país desigual e cujo rebanho de católicos está encolhendo?

FREI BETTO – Depende de a Igreja ser capaz de fazer uma autocrítica, conseguir se libertar da hegemonia do modelo paroquial, que é um modelo pré-moderno, pré-urbano, que parte do princípio de que as pessoas se relacionam pela proximidade geográfica, quando hoje meu melhor amigo pode morar em Tóquio e eu posso sair dessa entrevista e falar com ele pela internet. E tenho talvez mais diálogo do que com meu vizinho. Enfim, a Igreja Católica tem que repensar seus métodos pastorais de evangelização e a sua postura nesse mundo pós-moderno. Caso contrário, vai continuar encolhendo. Felizmente, Deus não tem religião e a obra dele vai continuar, seja com a Igreja Católica ou seja sem ela.

JC – Como será o perfil do possível substituto de dom José?

FREI BETTO – Possivelmente, não será uma pessoa tão conservadora. Eu ouvi de cardeais conservadores, que não vou revelar o nome, que foi um equívoco ter nomeado dom José para o Recife, mas que não poderiam dar o braço a torcer. Então, possivelmente será um bispo moderado. Eu colocaria na lista de apostas um nome: dom Geraldo Lírio, atual arcebispo de Mariana e presidente da CNBB. Não me surpreenderei se ele for transferido para o Recife. É um homem moderado.

JC – Ele pode dar ao arcebispado a cara de dom Hélder?

FREI BETTO – Se houver suficiente pressão dos leigos e padres, talvez. Geraldo foi meu amigo em Vitória (ES), quando era padre. Nós trabalhamos juntos. Mas, às vezes, eu temo que a mosca azul esteja rondando Geraldo.

Read Full Post »