Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘errata’

Agradeço ao Eduardo Monteiro pelo aviso. É sobre a entrevista que Dom José deu à ÉPOCA. Lá, foram atribuídas as seguintes palavras ao Arcebispo de Olinda e Recife:

Havia [no ITER] candidatos ao sacerdócio, candidatos à vida religiosa, havia mulheres negras, negros, e inclusive não-católicos.
[Época, 12/03/2009 – 19:52, grifos meus]

Pois bem. Em meio às cartas publicadas pela revista na sua última edição, consta a seguinte errata:

FOMOS MAL

Dom José Cardoso não declarou que havia “negros e negras” entre os alunos do Iter. Ele mencionou a existência de “leigos e leigas”. Houve um erro na transcrição da fita (“As polêmicas de Dom Dedé”, 565/2009, pág. 94)

Tal errata foi motivada pela seguinte carta de Dom José Cardoso, que também está publicada na revista:

O aborto e a religião

“As polêmicas de Dom Dedé” (565/2009) falou sobre o arcebispo de Olinda e Recife, que se envolveu no caso do aborto da menina de 9 anos que sofria abusos do padrasto

A revista publicou que eu havia declarado que entre os alunos do Instituto Teológico do Recife (Iter) havia “negros e negras”, insinuando que sou racista e que esse foi um dos motivos para o fechamento do Iter. É notório que entre os padres ordenados por mim existem vários de cor negra. É falsa a afirmação de que o Iter foi fechado por mim. O fechamento foi decretado pela Santa Sé. Publicou também que neguei a hóstia, na hora da comunhão, à prefeita de Olinda e que “o momento foi registrado por fotógrafos e cinegrafistas”. Avisei pessoalmente que ela não podia receber a comunhão por ser membra do Partido Comunista. Na hora da distribuição da comunhão, a prefeita nem sequer entrou na fila.

Dom José Cardoso Sobrinho,
arcebispo de Olinda e Recife, Recife, PE

É algo verdadeiramente espantoso que tenha havido um erro desta magnitude na transcrição da fita, sem que nenhum dos responsáveis pela revista tenha achado a frase estranha. A errata, contudo, foi publicada – menos mal. No entanto, ainda tem um “detalhe”. A frase incorreta ainda consta no site da revista, em pelo menos duas reportagens, sem que seja feita nenhuma alusão ao erro:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,ERT64050-15228-64050-3934,00.html

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI63883-15228,00-DOM+DEDE+A+EXCOMUNHAO+E+AUTOMATICA.html

Para protestar contra esta meia-errata [v. “Expediente”]:

Diretor de Redação: Helio Gurovitz
epocadir@edglobo.com.br

Época Online – Editora: Letícia Sorg
epocaonline@edglobo.com.br

Cartas à Redação: Felipe Seiji Oda
epoca@edglobo.com.br

Anúncios

Read Full Post »

Errata

Um anônimo teve a caridade de fazer-me uma correção no texto “Que há de extraordinário…?” aqui publicado. Trata-se de um erro de tradução: na verdade, “de internis nisi Ecclesia” significa do que é interno, [ninguém] a não ser a Igreja [julga], e não “do que é interno, nem a Igreja julga” como eu coloquei.

Fui induzido ao erro por dois motivos: primeiro, pelo contexto no qual a frase se encontrava no texto do sr. Orlando Fedeli, onde o sentido é claramente aquele que foi colocado por mim no texto aqui publicado. Segundo, porque o próprio Orlando Fedeli traduziu errado em outro lugar do site Montfort (grifos meus):

Não entro no foro das intenções, onde nem mesmo a Igreja entra: “De internis, nisi Ecclesia”.

Na verdade, o ditado correcto é “De internis, nec Ecclesia”, como o próprio professor Fedeli cita correctamente uma vez, e como encontra-se em repositórios de frases latinas na internet. Portanto, a despeito da tradução [de segunda mão] equivocada, é certo que o prof. Fedeli quis escrever “de internis nec Ecclesia”, e não “de internis nisi Ecclesia” como escreveu.

Agradeço, mais uma vez, ao anônimo pela correção.

Read Full Post »