Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘ecologia’

A coisa mais ridícula do mundo! Impressionante! Não conheço Paulo Rangel, mas é forço admitir que ele parece ser uma pessoa com extremo bom senso – coisa rara hoje em dia.

O “Blog ANIMAL – Em Defesa dos Direitos de Todos os Animais” lançou uma campanha na qual conclama os seus leitores a enviarem uma carta de protesto à presidência do Partido Social Democrata (partido português), em repúdio a algumas declarações do sr. Paulo Rangel numa entrevista que foi publicada no sábado passado. O que foi que o “Presidente do Grupo Parlamentar do PSD” fez para provocar o ódio dos defensores dos direitos de todos os animais? Bom, ele teve a ousadia de dizer algumas frases como:

– “Não faz sentido haver um Dia do Cão.”
– “Também não [faz sentido haver um Dia dos Animais]”.
– “Um cão nunca deixa de ser um cão. Trocaria a vida do meu cão pela vida de qualquer pessoa em qualquer lado do mundo, mesmo não a conhecendo. Uma pessoa vale sempre mais do que um animal.”
– “Os animais merecem protecção mas não são titulares de direitos.”
– “Não são eles que têm esse direito [de ser bem tratados e protegidos]. Nós é que temos essa obrigação.”
– “Para mim essa é uma concepção errada [a de que os animais devem ter direitos]. Acho que só as pessoas devem ser titulares de direitos.”
– “Os animais [também sofrem], mas não sofrem como nós.”
– “A caça ou as touradas, enquanto tradições com determinadas características e determinados limites, são toleráveis. Fazem parte da Cultura.”
– “Muitas tradições não acabaram e estas [caça e touradas] são daquelas que para mim não devem acabar.”
– “Faço uma separação ontológica entre as pessoas e os animais.”
– “Num contexto cultural devidamente integrado, certas tradições [como a caça e as touradas] – ainda que possam chocar algumas pessoas – são admissíveis. É a minha posição.”
– “Não sou contra [a exibição de touradas na RTP].”
– “Desde que devidamente contextualizado [a transmissão de touradas pela RTP, televisão do Estado, expondo as crianças à violência contra os animais], não vejo nisso qualquer problema.”
– “A menos que esteja em causa a extinção de espécies, não acho mal [utilização de peles para confecção de vestuário].”
– “A dignidade humana é um valor superior ao da dignidade dos animais. O Homem é ontologicamente diferente dos restantes animais.”

Ora, são afirmações completamente verdadeiras e impressionantemente sensatas. Como podem declarações deste calibre provocar manifestações de repúdio de quem quer que seja? No entanto, a carta de repúdio proposta pelo “Blog ANIMAL” (que nome adequado!) ainda tem a capacidade de questionar, como se estivesse diante de uma blasfêmia intolerável:

Como é possível alguém poder pensar desta maneira nos dias de hoje? Como pode, além do mais, um importante dirigente político e parlamentar ter uma visão tão pré-científica e racionalmente oca dos animais e da importância que têm? E, mais do que isso, como pode alguém que ocupe este cargo cometer o erro grosseiro e monumental de produzir declarações deste calibre e continuar em funções?

Isto deve ser uma piada de português, não é possível. A tal ANIMAL se define como “uma organização não-governamental de defesa dos direitos fundamentais dos animais não-humanos”. De fato, parece que os direitos dos “animais humanos” são completamente alheios à compreensão de mundo desta ONG nonsense. Eu simplesmente não acredito que alguém pode discordar de afirmações auto-evidentes como “[u]ma pessoa vale sempre mais do que um animal” e “[o] Homem é ontologicamente diferente dos restantes animais”. Ninguém está propondo o extermínio dos animais, a extinção das espécies, o sadismo puro e simples, nem nada disso – o sr. Rangel está apenas fazendo a (justíssima e devida) separação entre os animais e o homem. É incompreensível a revolta do Blog ANIMAL. No Brasil do projeto MATAR, no entanto, talvez haja necessidade de convidar Paulo Rangel para que ele faça aqui o discurso do óbvio… e, infelizmente, é até possível que os “animais” tupiniquins proponham algum repúdio parecido com o da ONG lusitana.

Anúncios

Read Full Post »

Ecologia é um assunto importante. Sem dúvidas que o é. Vou mais fundo: ecologia é tão importante que não pode ficar nas mãos dos ecologistas irresponsáveis, que apresentam caricaturas do tema a ponto de torná-lo odioso às pessoas de relativo bom senso ou objeto de culto às pessoas de relativa falta de senso. Falo isso porque promover uma grande queimada de todos os livros e publicações “ecólatras” foi o meu primeiro impulso ao ler a besteira que a Ivone Gebara escreveu no site das Abortistas pelo Direito de Matar.

A freira abortista conseguiu juntar, num artigo só, “ecolatria”, exploração capitalista, luta de gêneros e digressões absurdas sobre a “Deusa Feminina” que ela julga ter sido injustamente suprimida da história religiosa da humanidade pelo Deus judaico-cristão. Parece até piada, mas ela realmente acusa os homens de terem distorcido a realidade porque, p.ex., é uma impropriedade falar no “seio de Deus Pai”, já que são as mulheres que têm seios (!). O que essa bobagem toda tem a ver com ecologia, só ela sabe; o termo cunhado “ecofeminismo” em oposição a “ecomasculinismo” é completamente destituído de significado objetivo sério, e só serve para – como falei acima – irritar quem ainda mantém senso de realidade e encantar quem já o perdeu. Mas, afinal, qual o problema com a ecologia?

Com a ecologia séria, nenhum problema. Afinal, “[o] Senhor Deus tomou o homem e colocou-o no jardim do Éden para cultivá-lo e guardá-lo” (Gn 2, 15). O homem, portanto – e isso é óbvio – deve guardar o planeta, e não destruir o planeta. E o lucro não pode, evidentemente, ser colocado acima desta ordenança de Deus: antes de obter bens para si, o homem está obrigado a cuidar da Criação de Deus. Ninguém discute isso. O que as pessoas discutem – e isso separa os católicos dos “ecólatras” – são outras coisas.

Primeiro, discute-se a hierarquia que há na Criação. É óbvio para os católicos que o ser humano tem primazia no Universo Criado, exatamente porque aquele que foi colocado por Deus para cuidar do Jardim do Éden precisa necessariamente ter primazia sobre o jardim do qual ele cuida. Mas há quem não entenda isso, e ache que “a natureza” tem o exato mesmo valor do homem ou – pior ainda! – que ela tem primazia sobre o homem. O primeiro caso pode levar a aberrações como o vegetarianismo por convicção de que um animal não pode ser morto para alimentar “outro animal” (no caso, o homem); o segundo caso, pode levar à aceitação tácita do absurdo de que ovos de tartaruga sejam protegidos incondicionalmente ao mesmo tempo em que embriões humanos podem ser destruídos em laboratório ou por meio do aborto. Igualitarismo é coisa de esquerdista, e eles não medem esforços para aplicar o seu pressuposto absurdo a tudo – até mesmo à ordem que há na natureza.

Outra coisa que se discute é a confusão feita entre, digamos, “efeito desejado” e “efeito colateral”. Uma pessoa que derrube um espaço de floresta para plantar gado não é puramente um “criminoso ecológico”, é uma pessoa que está interessada – antes de na mera destruição da fauna – na criação de animais para a produção de bens de consumo básicos. E eu, sinceramente, tenho sérias dificuldades para precisar a responsabilidade moral de pessoas em situações como essa. E no caso de um carro que é utilizado como meio de transporte necessário, mas que polui o ar junto com isso? E no caso de terrenos de mangue que precisam ser aterrados (em Recife, a coisa mais comum do mundo) para a construção de casas para as pessoas morarem? Claro que deve haver algum limite sério para a “destruição” da natureza, mas o que é necessário ter em vista é que as pessoas quase nunca estão simplesmente “destruindo a natureza” por destruir, mas se utilizando de bens naturais para a produção de alguma coisa que é útil e necessária ao ser humano. Já deve ter até gente dizendo que as reservas de petróleo não devem ser exploradas, porque são dissipadores naturais do calor do núcleo da terra… qual a proposta? Voltar ao “bom selvagem”? Isso – de novo – não é um debate sério.

Uma outra coisa, enfim, bastante discutível é o catastrofismo ambientalista alardeado por alguns irresponsáveis. Por exemplo, já houve até quem dissesse que os flatos das vacas têm uma grande parcela de responsabilidade no aquecimento global, e houve quem inventasse “pílulas anti-arroto” para diminuir a emissão de gases bovinos na atmosfera terrestre! Vejam, não há problemas morais em pesquisas sobre maneiras de diminuir a emissão de metano bovino, mas será que isso é realmente urgente e não há coisas mais sérias a serem priorizadas? No mesmo saco catastrofista podem ser ainda colocadas as projeções malthusianas que colocam o controle de natalidade como um imperativo para evitar uma tragédia demográfica num futuro próximo devido à superpopulação mundial – com a diferença de que, aqui, o controle de natalidade simplesmente não pode ser aplicado. Nem que fosse verdade – o que não é – a existência de uma bomba demográfica na iminência de explodir (neste caso, seria necessário largar as pastilhas das vacas e procurar maneiras de aumentar a produção de alimentos).

Em suma, pode ser um péssimo indicativo o fato de assuntos ecológicos sempre estarem na ordem do dia de toda sorte de movimentos anti-católicos, de teólogos da libertação a movimentos New Age, mas o problema não é com a ecologia em si – e sim com a palhaçada que essas pessoas fazem com um assunto sério. Às vezes, fico com a impressão de que a impressão passada pelos “católicos sérios” é a de um total descaso irresponsável com o planeta – o que não é verdade. É necessário “cultivar e guardar” o Jardim do Éden; o que não aceitamos é que o jardim seja transformado em máquina de guerra contra o homem, acrescentando mais uma tensão dialética onde ela não deveria existir e, aliás, nem existe: os pobres versus os ricos, os homens versus as mulheres, o ser humano versus a natureza. É por isso que o assunto é tão palatável aos esquerdistas de todos os naipes. E é por isso que os católicos fazem-lhe oposição.

Read Full Post »