Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘dom pedro luiz stringhini’

– Uma “associação atéia” (nem sabia que isso existia) da Grã-Bretanha, com o apoio do ateu militante mais conhecido dos nossos dias, o sr. Richard Dawkins, quer colocar pôsteres em ônibus com “propaganda anti-religiosa”. A campanha – cujo objetivo é “promover o ateísmo na Grã-Bretanha” – pretende pôr nos ônibus londrinos a seguinte inscrição: “provavelmente, Deus não existe. Agora pare de se preocupar e aproveite a vida”. Na matéria, Dawkins aproveitou para proferir a seguinte bobagem: “Esta campanha fará com que as pessoas pensem – e pensar é um anátema perante a religião”. Como uma pessoa dessas consegue ser cientista?

– O STJ “admitiu a possibilidade de análise pela Justiça do reconhecimento da união estável entre pessoas do mesmo sexo”. Só esta possibilidade já é escandalosa, porque o nonsense não se debate, por definição. Analisar à luz da reta razão os absurdos da pretensão gayzista seria uma coisa sem dúvidas muito boa; no entanto, certamente não é esta a intenção do Movimento Gay, anti-natural em sua essência. Estejamos vigilantes.

– O mal-estar provocado em São Paulo pelos panfletos de apoio à Marta ganhou repercussão internacional e foi publicado em ZENIT. A conhecida agência católica de notícias informou sobre a nota de Dom Stringhini. No mesmo dia – santa inveja! – foi publicado que “Bispos dos Estados Unidos convidam católicos a votar em candidatos que defendam a vida”. Eis os trechos mais bonitos da reportagem:

Dom Kevin J. Farell (Dallas) e Kevin W. Vann (Fort Woth), em uma carta dirigida aos fiéis católicos deste país, asseguram que um católico «não pode votar num candidato que apóie um mal intrínseco como o aborto».

[A] justificação da legalização do aborto, a promoção da união entre ambos sexos, a repressão à liberdade religiosa, as políticas públicas de eutanásia, a discriminação radical ou destruição dos embriões humanos, entre outros, são atos «intrinsecamente maus» porque «sempre são incompatíveis com o amor a Deus e ao próximo».

«Não importa quanta razão tenha um candidato sobre estes temas [como os imigrantes, a assistência à saúde, a economia, o cuidado e a preocupação pelos pobres, a guerra e o terrorismo], se não superar a posição inaceitável a favor de um mal intrínseco, como o aborto ou a proteção dos direitos do aborto», acrescentam.

«Votar em um candidato que apóia o mal intrínseco do aborto ou os direitos do aborto quando há uma alternativa moral aceitável seria cooperar com o mal e, por conseguinte, é moralmente inadmissível», acrescentam.

Tanto destemor e zelo católico são profundamente admiráveis e nos enchem de alegria! Como é reconfortante ver Sucessores dos Apóstolos dignos do cargo que detêm, anunciado de maneira clara a Doutrina Católica, sem transigência nem ambigüidades! Que falta que fazem bispos assim nesta Terra de Santa Cruz!

Read Full Post »

Acabei de receber, por email (p.s.: através do email oficial da Região Episcopal Belémregiaobelem@uol.com.br), a seguinte Nota de Dom Pedro Stringhini, referente ao escândalo de ontem em São Paulo. Sua Excelência diz, verbis, que, pelo que pôde se informar, “de fato não ocorreu a divulgação”. Não há que se descartar a possibilidade de ser tudo uma mentira cretina do PT (não seria nada de inesperado). Aqui no BLOG a sra. Sandra Nunes já disse e repetiu que nem ela nem ninguém da família dela viu esta divulgação (ela é da Região Episcopal Belém). Alguém que é de São Paulo, poderia confirmar se realmente viu ocorrer a panfletagem?

* * *

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Informo e esclareço o que segue. No dia 17 de outubro de 2008, às 9:00 h, aconteceu, na Região Episcopal Belém, Arquidiocese de São Paulo, uma reunião, com a participação de cerca de 200 pessoas, dentre as quais 40 padres, sendo 9 padres da Região Episcopal Belém. Dessa reunião, resultou um manifesto de apoio à candidata Marta Suplicy, que disputa a Prefeitura de São Paulo, intitulado “Católicos pela Justiça, em favor dos mais Pobres”.

Dois dias antes, quando eu soube que havia sido marcada uma reunião, para a qual os padres estavam sendo convidados, eu estava reunido com 12 padres. Expressei-lhes minha contrariedade e aconselhei a que os padres da Região não participassem.

Na sexta-feira, enquanto acontecia a reunião (e eu me dirigia a Itaici para a Assembléia das Igrejas do Estado de São Paulo) já começaram a chegar telefonemas e mensagens de católicos e outros protestando contra a presença dos padres e o referido apoio.

Imediatamente, da estrada, telefonei à secretaria da Região, pedindo que avisassem aos 63 párocos da Região que estava proibida a divulgação, nas Igrejas, da referida nota, pelo já tão conhecido motivo de que a participação da Igreja na sociedade existe em vista do bem comum e da justiça, mas não é partidária e, por isso mesmo, jamais se posiciona em favor deste ou daquele candidato/a. Por isso, a Igreja não aprova a participação de padres em apoio a um manifesto de caráter político, partidário, eleitoral. O evangelho, nesse domingo, exortava a “dar a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mt 22,21).

Assim foi feito e, do que pude me informar, hoje, segunda-feira, de fato não ocorreu a divulgação. E o clima nas 250 comunidades da Região Belém é de grande serenidade (cf. At 9,31). O povo ama sua Igreja, participa de sua missão evangelizadora e reconhece o imenso bem que realiza, em nome de Jesus Cristo, na defesa da vida e na solidariedade aos pobres. Peço perdão aos católicos que se sentiram ofendidos e, em nome das comunidades e seus padres, desejo transmitir paz e serenidade através dos mesmos meios de comunicação, que prontamente se empenham na divulgação de incidentes como o acima relatado. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo 8,32).

Em Cristo Jesus, fraternalmente,

Dom Pedro Luiz Stringhini

Bispo Auxiliar de São Paulo

Região Episcopal Belém

São Paulo, 20 de outubro de 2008.

Ano Santo Paulino

Read Full Post »

Paciência tem limites…

O ensino da Igreja sobre o aborto é claro e cristalino: não é permitido o assassinato de inocentes sob nenhuma hipótese. Também as orientações da Igreja sobre a participação dos leigos na política é extremamente clara:

João Paulo II, na linha do perene ensinamento da Igreja, afirmou repetidas vezes que quantos se encontram directamente empenhados nas esferas da representação legislativa têm a “clara obrigação de se opor” a qualquer lei que represente um atentado à vida humana. Para eles, como para todo o católico, vale a impossibilidade de participar em campanhas de opinião em favor de semelhantes leis, não sendo a ninguém consentido apoiá-las com o próprio voto.
[Congregação para a Doutrina da Fé, NOTA DOUTRINAL sobre algumas questões relativas à participação e comportamento dos católicos na vida política, novembro de 2002. Grifos meus]

Resumindo: já que nenhum católico pode apoiar uma lei abortista, e já que as leis abortistas são de ordinário propostas e defendidas por políticos abortistas, segue-se que o católico não pode votar em um político abortista. Mais claro do que isso, é impossível.

No entanto, fiquei sabendo que, em São Paulo, PT e padres preparam manifesto contra rejeição à Marta Suplicy. Marta Suplicy já defendeu o aborto e o casamento gay. Não me consta que ela tenha mudado de opinião. A Igreja não pode apoiar diretamente candidato algum (embora deva denunciar os candidatos nos quais os católicos não podem votar), muito menos uma candidata gayzista e abortista! No entanto, a matéria fala que os padres responsáveis pela vergonhosa carta – que vai ser distribuída nas missas – estão preocupados com “os preconceitos (!!!) de católicos que torcem o nariz para Marta por causa da defesa feita por ela do direito ao aborto e da união civil entre homossexuais”.

Alto lá! Preconceito, não. Convicções morais da mais alta importância, coerência entre a Fé que se professa e a participação que se tem na sociedade! Se os lobos de batinas (ou não…), sepulcros caiados que são, traidores da Fé, de Deus e da Igreja querem se furtar à defesa dos direitos mais elementares do ser humano, ao menos que não escandalizem o povo de Deus a eles confiado com esta desavergonhada e promíscua proposta de que se dêem as mãos ao inimigo. Vergonha que uma iniciativa deplorável como esta possa partir de sacerdotes do Deus Altíssimo, pessoas que deveriam ensinar aos homens a Sã Doutrina da Salvação, e não fazer alianças políticas com inimigos declarados da Igreja!

A notícia diz que a idéia partiu da Região Episcopal de Belém. O bispo, Dom Pedro Luiz Stringhini, já tem lamentáveis precedentes, a começar pela absurda declaração – dada ao Estado de São Paulo – quando do injustificável episódio das Abortistas pelo Direito de Matar que introduziram um escandaloso vídeo que defendia o aborto num DVD da Campanha da Fraternidade que defendia a vida; à época, Sua Excelência disse, como se fosse a coisa mais natural do mundo, ser “provável que haja mais manifestações desse tipo, de pessoas ligadas a nós, como já ocorreu numa palestra do Núcleo Fé e Cultura, da PUC de São Paulo”. Também consta na ficha suja do sucessor dos Apóstolos o ridículo apoio dado ao “Grito dos Excluídos” (em uma carta que se inicia com “companheiros e companheiras” e que pretende – seja lá o que isso signifique – promover o “respeito nas relações de gênero, raça e etnia”).

A coisa, portanto, já está muito feia, mas parece não haver limites para os descalabros de parte do clero paulista. Peço a todos os que puderem que entrem em contato – RESPEITOSAMENTE – com Sua Excelência Reverendíssima, Dom Pedro Luiz Stringhini, questionando-o sobre esta situação escandalosa. Os contatos estão abaixo:

====================

Região Episcopal Belém

Fone: (11) 6693-0287
Fax: (11) 6693-5620
regiaobelem@terra.com.br
regiaobelem@uol.com.br
dpls@terra.com.br

====================

Que Nossa Senhora da Conceição Aparecida proteja o Brasil, e o Beato José de Anchieta interceda pela cidade que ele fundou.

Read Full Post »