Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘distrito federal’

Si non è vero, è bene trovato: trata-se de um parecer da Xª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal, sobre um militante laicista maluco que dizia que, pelo fato do Brasil ser um Estado Laico, vagas de capelães para o Corpo de Bombeiros não poderiam ser abertas, “porque isso discrimina outras religiões e também os ateus”.

Recebi de uma amiga; a data é 1º de abril de 2008, coisa que só percebi depois e me fez questionar se não seria uma brincadeira. No entanto, dada a situação de insensatez atual dos nossos dias, é verossímil – forçoso reconhecer! Se alguém puder confirmar, eu ficaria bastante grato.

Clique aqui para baixar a íntegra do parecer. Excerto:

Falando em nome dos ateus – menos de 1% da população brasileira, segundo o órgão público IBGE, este, laico a mais não poder –, o autor popular clama que eles “são cidadãos em direitos e deveres como qualquer cristão”, o que nunca foi infirmado por ninguém. Ecce homo: o ponto derradeiro da peça inicial, quando se fala em “crença dos ateus”. A crença dos ateus – a certeza de que Deus não existe – levaria à hipótese de abertura de vaga em concurso para capelão ateu, o que é impossível, porque isso simplesmente não existe. Seria como concurso para professor analfabeto ou tradutor simultâneo surdo. Só Santo Anselmo entende o autor popular: fides quaerens intellectum; credo ut intelligam. O milenarismo laico está com os dias contados. Quantos se salvarão?

Certamente o autor popular não gosta da idéia de pagar salário de profissionais cristãos. Ele deve achar que ninguém é obrigado a ser cristão, e nisso está coberto de razão. Mas ser cristão é um direito, e não ser obrigado à conversão ao ateísmo também — e essas obviedades ele já não percebe.

Anúncios

Read Full Post »

A cultura gay impõe-se não apenas “na canetada”, como querem fazer com a já tristemente célebre lei da Mordaça Gay. Acontece também “na surdina”, na subversão dos costumes, na glamourização do “gay way-of-life”, na disseminação de elementos gayzistas por meio das coisas banais do quotidiano; e o efeito de se viver no “mundo gay” que os gayzistas querem criar, onde se está diuturnamente exposto à homossexualidade, pode ser devastador. Especialmente para crianças e adolescentes. Os gayzistas sabem muito bem disso.

Isso explica, por exemplo, que a “Batwoman” seja lésbica. Quadrinhos que fazem apologia ao homossexualismo seriam impensáveis algumas décadas atrás! Não conheço esta personagem – descrita como “socialite lésbica à noite e uma combatente contra o crime mais tarde da noite” -, mas certamente o gibi tem leitores e fãs, e muito provavelmente uma parte considerável destes é formada por crianças e jovens. É sintomático que os propagadores do gayzismo desejem ganhar este espaço… eles sabem que, apresentando um super-herói homossexual, a sua figura enobrece e exalta os seus maus hábitos, que passam por bons, normais e – quiçá – até invejáveis e imitáveis.

A mesma coisa aconteceu numa escola do Distrito Federal, onde um professor foi acusado de fazer apologia ao homossexualismo. Sala de inglês, aula sobre verbos no passado, alunos entre 12 e 14 anos; a música escolhida pelo docente dizia “Eu beijei uma garota só para experimentar. Espero que meu namorado não se importe. Eu beijei uma garota e gostei do gosto de cereja do batom dela”. A “justificativa” do “educador”? Os verbos da música, todos eram no passado e eram o foco que eu tava trabalhando com os alunos na época. O colégio pediu para que o professor escolhesse outra música, e ele não concordou, levou a música para a sala de aula, e foi afastado da escola – graças a Deus! Se o motivo era verdadeiramente trabalhar os verbos no passado (e não fazer uma desgraçada apologia ao homossexualismo – de novo, nada surpreendentemente, entre adolescentes), então por que o professor não obedeceu ao colégio e escolheu uma outra música? Acaso a única música existente na língua inglesa que utiliza verbos no passado é uma música de uma lésbica? Que palhaçada!

Enquanto isso, o Governo Brasileiro diz que 99% – isso mesmo, 99%!! – dos cidadãos do país são “homofóbicos” e – mais grave! – precisam ser “reeducados”. A informação original é de LifeSiteNews.com, e a reportagem d’O GLOBO citada está aqui. O que é ser homofóbico? É acreditar em coisas como “Deus fez o homem e a mulher com sexos diferentes para que cumpram seu papel e tenham filhos” e “A homossexualidade é um pecado contra as leis de Deus”. Note-se ainda que esta estatística estapafúrdia nos diz que os próprios homossexuais são homofóbicos, já que – segundo eles próprios informam – “estudos atuais estimam que entre 5 a 10 % da população mundial seria composta por homossexuais”, e nenhuma ressalva é feita no sentido de dizer que o Brasil seja diferente.

A “reeducação” já começou e – como “é de pequenino que se torce o pepino” – ela almeja principalmente as crianças e os jovens: o homossexualismo presente nos heróis de quadrinhos e nas músicas badaladas são exemplos disso. Sinto muito, mas é um tremendo absurdo que 99% da população precise ser “reeducada” pelo 1% restante; a idéia é tão estúpida e, a presunção, tão descabida que me admira não ser ela objeto de chacota pública. Só podem ser já os efeitos da cultura gay. Acordemos, antes que seja tarde.

Read Full Post »