Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘cicerone’

Agradecimento

Voltei esta madrugada (cheguei em Recife pouco depois da meia-noite) da capital do país, onde estive desde a quinta-feira última. Há muitas coisas para escrever, mas não posso deixar de reservar um espaço – pequeno, muito aquém do que deveria ser – para agradecer à Luh Lena por todo o trabalho que nós lhe demos nestes quatro dias. Estou certo de que o Gustavo (ele poderá se manifestar aqui) também há de subscrever tudo isso.

Luh, sem você, não haveria Brasília. Obrigado por tudo!

Pela ligação atendida de uma hora da manhã (feita por nós) para dizer “chegamos”; por estar no hotel às oito e meia preparada para nos servir de cicerone, trazendo-nos mapas de brasília e chocolates de boas vindas; pelas explicações sobre a cidade, sobre as ruas e a catedral, sobre a torre e as flores do cerrado, sobre a Praça dos Três Poderes, a bandeira e a tocha, sobre o “meteoro” e os candangos, sobre a foice-e-martelo do monumento JK, sobre o eixão e o eixo dos monumentos, sobre as emas “comedoras-de-olhos” e os buritis e bacuris, sobre o sonho de Dom Bosco e o Paranoá que abraça Brasília, sobre a história da cidade no memorial Lúcio Costa, e por tantas outras coisas que nós lhe fizemos falar ininterruptamente estes dias.

Pela paciência de escutar discursos de deputados e senadores no plenário (ainda nos dando explicações oficiosas sobre as “cumbucas” viradas pra cima (deputados) e pra baixo (senadores)), pelo leite com canela, pelo almoço no prédio da Procuradoria, pelo sorvete “na sorveteria em que você gosta de tomar sorvete”.

Pelo Cabernet Sauvignon defronte ao lago no Pontão, pelo passeio no lugar, pelo violão e pelas músicas (umas clássicas, outras nem tanto – mas divertidas), pela ida à Praça da República de madrugada, subindo na tocha, olhando as palmeiras reais, dando voltas pela cidade e nos deixando no hotel.

Pelas visitas às igrejas, de vários formatos – da catedral “em forma de mãos abertas para cima” à Igreja Dom Bosco “em forma de caixa” (e com vitrais de céu estrelado), da Catedral Militar “em forma de tenda” à igreja “em forma de chapéu de freira”. Por me apresentar pessoas especiais como os seus pais (transmita-lhes os meus agradecimentos) e o padre Mário (é este mesmo o nome dele?), polonês “como estão em extinção hoje em dia”, chamando – em cinco minutos de conversa com pessoas que ele tinha acabado de conhecer – as seitas de seitas e dizendo que a religião existe para salvar as almas.

Pelas risadas ao longo dos dias com perguntas bestas e comentários sem sentido, pela companhia no show, por me ensinar as palavras brasilienses (que vocês chamavam munguzá de canjica eu já sabia, mas que chamavam azeitona roxa de “ameixa” foi-me novidade) e por se mostrar tão “afiada” nas expressões nordestinas (de “galega” a “pirangueira”, de “estiar” a “alma sebosa”), pelo tanque do carro vazio “porque, se estiver cheio, é ruim porque é sinal que nós não fizemos nada”, pelo álbum de fotos da formatura – “agora, sim, Brasília está completa” – e por quase nos colocar sentados na nossa poltrona no vôo de volta, a despeito dos nossos protestos de que já estávamos abusando demais da sua boa vontade.

Enfim, Luh, nem tenho palavras. Obrigado. Trago boas recordações de Brasília, mas estou certo de que não as traria tantas e nem tão boas se não fosse por você. Que Deus lhe abençoe muito, e a Virgem Santíssima possa lhe recompensar como eu não consigo fazer.

Read Full Post »