Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘canção nova’

Vi hoje uma notícia sobre a sra. Dilma “ex-terrorista” Roussef – a mesma que injustificadamente fez uma leitura numa Missa na Canção Nova no final do ano passado e, depois, como se não fosse o bastante, repetiu a dose mais recentemente em uma missa celebrada pelo pe. Marcelo Rossi – segundo a qual a excelentíssima Ministra da Casa Civil “defende legalização do aborto e distribuição de renda”. Ao menos dois trechos da reportagem – duas frases da Ministra – são bem reveladores:

Abortar não é fácil para mulher alguma. Duvido que alguém se sinta confortável em fazer um aborto. Agora, isso não pode ser justificativa para que não haja a legalização.

Fui batizada na Igreja Católica, mas não pratico. Mas, olha, balançou o avião, a gente faz uma rezinha.

A primeira frase é de longe a mais escandalosa: a sra. Ministra defende a legalização do aborto! O que raios uma senhora abortista, portanto, estava fazendo – já por duas vezes! – junto ao Altar da Santa Missa, fazendo leituras da palavra de Deus? E, se a senhora Rousseff – como ela mesma diz – não pratica a religião católica, por qual escuso motivo ela se dispôs a fazer as leituras da Santa Missa na Canção Nova e na missa do Padre Marcelo Rossi?

E agora? Uma vez que a ministra não-católica e abortista pôs as garras de fora e disse claramente quem é, será que vamos receber alguma justificativa dos [ir]responsáveis pela sua presença como leitora na celebração da Santa Missa? E – mais importante! – será que agora as nossas missas ficarão enfim livres da presença escandalosa da ex-terrorista abortista declarada? Permita-o Deus: após o escândalo ter tomado tais proporções, repetições futuras do erro não poderão alegar ignorância dos fatos em sua defesa.

Leiam também, sobre o mesmo assunto, o blog do Veritatis.

Read Full Post »

[publico um trecho de uma palestra do pe. Paulo Ricardo do ano passado, que um amigo teve a gentileza de transcrever. O áudio original se encontra aqui; de acordo com outro amigo que escutou a palestra – eu ainda não tive tempo -, é só a partir dos 44min. é que o assunto entra na parte que nos interessa.

Devo dizer que concordo integralmente com a posição do padre, referente à perseguição; o martírio é sem dúvidas uma virtude heróica, não exigida de ninguém para se salvar; no entanto, quando se quer fazer grandes obras, e se tem diante de si ou o martírio ou o conluio promíscuo, a última opção não é digna de um cristão.]

Vou dizer aqui: a renovação carismática, se ela é de Deus, e eu creio que ela é de Deus…chegará o momento em que a renovação carismática será colocada a prova. 40 dias de Jesus no deserto, 40 anos de renovação carismática. Satanás veio visitar Jesus, e virá também visitar a renovação carismática. Satanás virá visitar a renovação carismática e irá dizer…quem sabe Satanás irá se disfarçar…vai se disfarçar em POLÍTICO…quem sabe Satanás vai se disfarçar de bispo…quem sabe Satanás vai se disfarçar de sei-lá-o-que…e irá dizer: “Seu Marcos Volcan, o senhor pare de pregar essas coisas, o senhor entre nas nossas linhas, porque senão nós vamos perseguí-lo, o senhor vai perder número, a renovação vai diminuir, nós vamos fazer o inferno pra acabar com vocês!”

E a renovação deverá escolher: ou ela salva a própria pele e trai o seu Senhor, ou ele vai para a cruz e abraça o seu Senhor. Meus irmãos, saibamos que o verdadeiro carismático é aquele que põe o carisma de Deus, o dom de Deus, a missão de Deus, a vontade de Deus acima de usa própria pessoa, acima de seu próprio eu. E se a renovação carismática é carismática, Deus está acima da renovação carismática: a fidelidade a Deus, é mais importante que a instituição, o número, que as pessoas, que congregar milhares e milhares, porque a renovação carismática pode se resumir a duas ou três pessoas: desde que ela seja fiel até o fim, ela ser carismática, ela será aquilo que foi criado por Deus, ela será aquilo que começou a 40 anos atrás. Mas se a renovação carismática quiser prostituir, se a renovação carismática quiser vender sua alma ao diabo para salvar a instituição, ela terá o lugar q ela mercê no inferno.

É importante nós compreendermos isso, e isso vale pra todos nós. Isso vale não só pra renovação, isso vale pro meu seminário, isso vale pra Canção Nova, isso vale pra quem quiser. Seremos colocados a prova. Porque não vai faltar, por exemplo, raça de COMUNISTA nesse nosso Brasil, não vai faltar esse povo da heresia da libertação, que vai querer forçar a renovação carismática a se adaptar à sua agenda socialista. Não vai faltar bispos e padres, e isso eu digo com clareza, eu sei que isso está sendo gravado, eu isso está sendo transmitido, e não tenho medo não! Se quiserem me destituir agora, façam!

Não vai faltar bispo e padre traidor, servo de Satanás, que vai querer fazer com que a renovação deixe de servir ao seu Senhor. Porque satanás é esperto, ele sabe que não pode acabar com a Igreja por fora, ele já tentou isso uma vez. Ele já tentou lá no Império Romano, quando colocou todo o poder político contra a Igreja e a Igreja não cedeu. Agora ele é esperto, está tentando de outro jeito. Ele tenta acabar por dentro. Tenta acabar por dentro. Já existem teólogos da heresia da libertação, conclamando, conclamando gente da sua heresia a entrar nos grupos de oração para acabar com a renovação por dentro. Já existe gente mandando, já existe gente querendo, que agentes da heresia entrem dentro da renovação! Fica esperto, mané! Fica esperto! Não caia nessa não.

Se a renovação carismática tiver que ser perseguida, que seja! Que seja! Este é o termômetro de nossa fidelidade. (…) Não se assuste se depois de 40 anos da renovação satanás vier visitar a Renovação como visitou Jesus depois de 40 anos nos deserto.

Read Full Post »

Não consigo imaginar nenhuma justificativa para o que fez a Canção Nova. Nenhuma. Num evento chamado “Hosana Brasil”, foram colocados para desempenhar papéis na Liturgia – respectivamente, Primeira Leitura e Prece dos Fiéis – a sra. Dilma Rousseff e o sr. Gilberto Carvalho. A sra. Rousseff é pré-candidata à presidência do Brasil pelo Partido Totalitário, ex-terrorista (como já foi dito aqui) e ABORTISTA. O sr. Carvalho é um dos responsáveis pela ridícula panfletagem em São Paulo em defesa de Marta Suplicy (como também já foi dito aqui) e adepto da Heresia da Libertação. Não me consta que nenhum dos dois tenha repudiado as suas posições radicalmente incompatíveis com a Igreja Católica. Não consigo entender, então, o que os dois estavam fazendo próximo ao altar da Santa Missa, desempenhando funções litúrgicas às vistas de todos os telespectadores da Canção Nova.

A mensagem implícita transmitida por esta escandalosa atitude é a seguinte: “tudo bem” ser abortista. “Tudo bem” ser adepto de um excremento teológico já incontáveis vezes condenado pelos Papas e que tanto mal fez à Igreja. Está tudo muito bem, porque afinal a Canção Nova colocou essas pessoas, diante do Brasil inteiro, para fazerem leituras na celebração da Santa Missa! E, de repente, miraculosamente, todo o empenho destas duas pessoas na aplicação do contrário do que ensina a Igreja esvanece-se como fumaça, e passa a não ter nenhum valor, soterrado pela Missa transmitida pela Canção Nova e por meia dúzia de palavras bonitas ditas após o escândalo.

Os inimigos da Igreja zombam d’Ela, sob o beneplácito da maior Comunidade Nova brasileira! É frustrante e incompreensível. Será possível que as pessoas responsáveis por organizar a celebração não sabiam que estavam convidando uma abortista para fazer a proclamação da Primeira Leitura? Será possível que não passou pela cabeça de ninguém a enorme inconveniência desta atitude? A ex-terrorista abortista é a provável sucessora de Lula em 2010. Daqui a dois anos, quando dissermos que os católicos não podem votar em abortistas, o que vão pensar as pessoas que viram a Dilma fazer leituras numa missa do “Hosana Brasil”? Nós vamos encontrar ouvidos surdos, e parte desta culpa será da Canção Nova!

Não venham dizer que ela pode “se converter” ao se aproximar da Canção Nova. Já basta de irresponsabilidade. Poder, é claro que pode, porque para Deus nada é impossível; mas ela também pode muito bem não se converter e, aí, devolvo a pergunta: e se ela não se converter? Por acaso foi apresentada uma abortista ao povo católico, exercendo funções dentro da Liturgia da Santa Missa, pensando na possibilidade de que ela venha se converter no futuro, é isso? Isso é desprezar a Doutrina da Igreja que se deve guardar e viver, na medida em que  imprudentemente se apresenta – fazendo leituras na Santa Missa! – uma abortista confessa que (até onde eu saiba) não deu sinais de arrependimento. Isso não é evangelização, é anti-evangelização. O alcance que tem a Canção Nova no território brasileiro é invejável; ao invés de utilizá-lo para anunciar com destemor as exigências da Fé para a vida pública – mormente para a política -, gera-se escândalo na medida em que se age com subserviência aos criminosos que, hoje, ocupam os cargos públicos do nosso país.

Não dá para entender o que a Canção Nova espera com essa atitude. Conseguir favores políticos? “Limpar a barra” da ex-terrorista [e atual] abortista? Semear o indiferentismo? Cair nas graças [ou nas garras…] do PT? Afinal de contas, o quê? Qual é o papel da Canção Nova? Evangelizar a tempo integral, ou apenas “de vez em quando”, “desevangelizando” nos intervalos? Afinal, se ela “não percebe” que (obviamente) uma abortista declarada não pode fazer a Primeira Leitura da Santa Missa, sinto dizer, mas ela não tem competência para evangelizar. Esta atitude é profundamente lamentável e grandemente digna de repúdio por parte dos católicos. Após este triste episódio, algumas coisas ficam as mesmas mas, no entanto, outras mudam. Dilma Rousseff continua sendo uma abortista, mesmo fazendo leituras na Canção Nova; mas e quanto à Canção Nova, será que pode dizer, de cabeça erguida, que em tudo age buscando a maior glória de Deus e a exaltação da Santa Madre Igreja?

Tenha Deus misericórdia de nós todos.

Read Full Post »

A Renovação Carismática é um fenômeno, no mínimo, curioso. Não compartilho de nenhuma das duas posições extremadas sobre o assunto (grosso modo, que podem ser encaixadas entre “é coisa de Satanás” ou “é a última coca-cola do deserto”) e acho que, via de regra, não se faz sobre ele uma análise crítica com a seriedade que o assunto merece.

A Canção Nova obteve ontem o Reconhecimento Pontifício. Não é pouca monta, forçoso reconhecer. Contudo, tampouco é aprovação irrestrita de todas as coisas que são realizadas pela comunidade. Vejo, antes, como um chamado à responsabilidade, como uma tentativa de se “colocar nos eixos” o movimento, integrando-o explicitamente à realidade eclesial contemporânea. Agora, a Canção Nova não é mais simplesmente um grupo de católicos; é uma Nova Comunidade reconhecida pela Igreja e, portanto, tem mais responsabilidades do que possuía antes.

Nem tudo é da mais perfeita ortodoxia na RCC em geral e na Canção Nova em particular. Por exemplo, é claramente errado ensinar a “rezar em línguas”. Por outro lado, nem tudo é erro: a Toca de Assis, a Escola da Fé do professor Felipe Aquino e as palestras do padre Paulo Ricardo são iniciativas de inestimável valor para a (tão necessária!) formação doutrinária dos católicos dos nossos dias. No entanto (e infelizmente), muitas vezes a imagem que se tem da Renovação Carismática, quer pelos que lhe são favoráveis, quer pelos que lhe censuram, é precisamente a imagem daquilo que, para dizer o mínimo, precisa ser melhor entendido e mais corretamente explicado.

Qual a primeira coisa que se pensa quando se ouve falar em “RCC”? Missas animadas? Músicas sentimentais? Dons extraordinários do Espírito Santo? É provável que sim. No entanto, nada disto é o essencial da RCC nos moldes que Roma a entende. Por exemplo, nesta mensagem de João Paulo II aos participantes do Encontro Mundial da Renovação Carismática Católica, em 2000, não há menção aos chamados “dons carismáticos”. Este discurso do Papa João Paulo II aos participantes do Congresso Mundial dos Movimentos Eclesiais fala sobre carismas, mas sem o otimismo que se encontra nos grupos de oração que encontramos amiúde no Brasil: Hoje, diante de vós, abre-se uma etapa nova, a da maturidade eclesial. Isto não quer dizer que todos os problemas tenham sido resolvidos. É, antes, um desafio. Uma via a percorrer. A Igreja espera de vós frutos «maduros» de comunhão e de empenho.

Ao contrário, elogia-se a oração comunitária, a freqüência aos sacramentos, a consciência da vocação batismal, a devoção ao Espírito Santo, a meditação das Sagradas Escrituras… coisas – estas, sim! – que são verdadeira e indiscutivelmente católicas, e que são a grande contribuição que a Renovação Carismática tem a oferecer ao mundo moderno. No entanto, poucas vezes essas coisas são vistas como o essencial do movimento… porque as pessoas, não raro, têm muita sede do extraordinário – justamente do aspecto mais injustificável do carismatismo! Isto é muito de se lamentar.

Queira Deus que este reconhecimento pontifício possa trazer bons frutos – frutos verdadeiramente bons! – para os católicos. Não permita a Virgem Santíssima que os homens, com prurido de novidades, dêem mais atenção ao que é sensível do que ao que é invisível. E que o Espírito Santo abençoe a Canção Nova, e a conduza sempre à fidelidade à Igreja, Única Esposa de Cristo, fora da qual só há erros e confusão.

Read Full Post »